Rever

A geração espontânea é real?

A geração espontânea é real?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por vários séculos, acreditava-se que os organismos vivos poderiam vir espontaneamente de matéria não-viva. Essa ideia, conhecida como geração espontânea, agora é conhecida por ser falsa. Os defensores de pelo menos alguns aspectos da geração espontânea incluíam filósofos e cientistas respeitados, como Aristóteles, René Descartes, William Harvey e Isaac Newton. A geração espontânea era uma noção popular devido ao fato de parecer consistente com as observações de que vários organismos animais aparentemente surgiriam de fontes não-vivas. A geração espontânea foi contestada através da realização de vários experimentos científicos significativos.

Principais Takeaways

  • Geração espontânea é a idéia de que os organismos vivos podem vir espontaneamente de matéria não-viva.
  • Ao longo dos anos, grandes mentes como Aristóteles e Isaac Newton foram defensores de alguns aspectos da geração espontânea, os quais se mostraram falsos.
  • Francesco Redi fez um experimento com carne e larvas e concluiu que as larvas não surgem espontaneamente da carne podre.
  • As experiências de Needham e Spallanzani foram experiências adicionais que foram conduzidas para ajudar a refutar a geração espontânea.
  • O experimento de Pasteur foi o experimento mais famoso realizado que refutou a geração espontânea que foi aceita pela maioria da comunidade científica. Pasteur demonstrou que as bactérias que aparecem no caldo não são o resultado da geração espontânea.

Os animais geram espontaneamente?

Antes de meados do século XIX, acreditava-se que a origem de certos animais era proveniente de fontes não-vivas. Piolhos foram pensados ​​para vir de sujeira ou suor. Pensa-se que vermes, salamandras e sapos nasceram da lama. As larvas eram derivadas de carne podre, pulgões e besouros supostamente brotados de trigo, e ratos eram gerados a partir de roupas sujas misturadas com grãos de trigo. Embora essas teorias pareçam bastante ridículas, na época eram consideradas explicações razoáveis ​​de como certos insetos e outros animais pareciam não aparecer de nenhuma outra matéria viva.

Debate Espontâneo de Geração

Enquanto uma teoria popular ao longo da história, a geração espontânea não ficou isenta de críticas. Vários cientistas decidiram refutar essa teoria por meio de experimentação científica. Ao mesmo tempo, outros cientistas tentaram encontrar evidências de apoio à geração espontânea. Esse debate duraria séculos.

Experiência Redi

Em 1668, o cientista e médico italiano Francesco Redi começou a refutar a hipótese de que larvas eram espontaneamente geradas a partir de carne podre. Ele argumentou que as larvas eram o resultado de moscas botando ovos na carne exposta. Em seu experimento, Redi colocou carne em vários frascos. Alguns frascos foram deixados descobertos, alguns foram cobertos com gaze e outros foram selados com uma tampa. Com o tempo, a carne nos frascos descobertos e os frascos cobertos de gaze ficaram infestados de larvas. No entanto, a carne nos frascos selados não tinha larvas. Como apenas a carne acessível às moscas tinha larvas, Redi concluiu que as larvas não surgem espontaneamente da carne.

Experiência de Needham

Em 1745, o biólogo e padre inglês John Needham começou a demonstrar que micróbios, como bactérias, eram o resultado da geração espontânea. Graças à invenção do microscópio nos anos 1600 e ao aumento de melhorias em seu uso, os cientistas conseguiram visualizar organismos microscópicos como fungos, bactérias e protistas. Em seu experimento, Needham aqueceu o caldo de galinha em um frasco para matar qualquer organismo vivo dentro do caldo. Ele deixou o caldo esfriar e o colocou em um frasco selado. Needham também colocou caldo não aquecido em outro recipiente. Com o tempo, o caldo aquecido e o não aquecido continham micróbios. Needham estava convencido de que seu experimento havia provado geração espontânea em micróbios.

Experiência Spallanzani

Em 1765, o biólogo e padre italiano Lazzaro Spallanzani, começou a demonstrar que os micróbios não geram espontaneamente. Ele argumentou que os micróbios são capazes de se mover pelo ar. Spallanzani acreditava que os micróbios apareciam no experimento de Needham porque o caldo havia sido exposto ao ar após a fervura, mas antes da vedação do frasco. Spallanzani planejou um experimento em que ele colocou o caldo em um balão, selou o balão e removeu o ar do balão antes de ferver. Os resultados de seu experimento mostraram que nenhum micróbio apareceu no caldo enquanto ele permanecesse em sua condição selada. Embora parecesse que os resultados desse experimento haviam causado um golpe devastador na idéia de geração espontânea em micróbios, Needham argumentou que era a remoção de ar do frasco que tornava impossível a geração espontânea.

Experiência Pasteur

Em 1861, Louis Pasteur apresentou evidências que praticamente colocariam um fim ao debate. Ele projetou um experimento semelhante ao de Spallanzani, no entanto, o experimento de Pasteur implementou uma maneira de filtrar os microorganismos. Pasteur usou um balão com um tubo longo e curvo chamado balão de pescoço de cisne. Este balão permitiu que o ar tivesse acesso ao caldo aquecido enquanto retinha a poeira contendo esporos bacterianos no pescoço curvo do tubo. Os resultados deste experimento foram que nenhum micróbio cresceu no caldo. Quando Pasteur inclinou o frasco de lado, permitindo o acesso do caldo ao colo curvo do tubo e, em seguida, colocou o frasco na vertical novamente, o caldo ficou contaminado e as bactérias se reproduziram no caldo. As bactérias também apareciam no caldo se o frasco fosse quebrado perto do pescoço, permitindo que o caldo fosse exposto ao ar não filtrado. Este experimento demonstrou que as bactérias que aparecem no caldo não são o resultado da geração espontânea. A maioria da comunidade científica considerou essa evidência conclusiva contra a geração espontânea e a prova de que os organismos vivos só surgem de organismos vivos.

Fontes

  • Microscópio, através do. "A geração espontânea era uma teoria atraente para muitas pessoas, mas acabou por ser refutada." Através do Microscópio Principais Notícias, www.microbiologytext.com/5th_ed/book/displayarticle/aid/27.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos