Interessante

Perfil de Nannie Doss, 'A Viúva Negra Alegre'

Perfil de Nannie Doss, 'A Viúva Negra Alegre'


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Nannie Doss foi um serial killer na primeira metade do século XX, que ganhou os apelidos "The Giggling Nanny", "The Giggling Granny" e "The Jolly Black Widow" após uma série de assassinatos que começou na década de 1920 e terminou em 1954 Os passatempos favoritos de Doss incluíam ler revistas de romance e envenenar parentes.

Anos da infância

Nannie Doss nasceu Nancy Hazle em 4 de novembro de 1905, em Blue Mountain, Alabama, filha de James e Lou Hazle. Passou grande parte de sua infância evitando a ira de seu pai, que governava a família com mão de ferro. Se seus filhos precisavam trabalhar na fazenda, James Hazle não hesitava em tirá-los da escola. Com a educação de baixa prioridade, não houve objeções quando Nannie decidiu deixar a escola para sempre depois de completar a sexta série.

Quando Nannie tinha 7 anos, o trem em que ela estava subitamente parou, fazendo-a cair para a frente e bater com a cabeça. Após o acidente, ela sofreu por anos com enxaquecas, desmaios e depressão.

Adolescência

James Hazle se recusou a permitir que suas filhas fizessem qualquer coisa para melhorar sua aparência. Vestidos e maquiagem bonitos não eram permitidos. Também não eram amizades com meninos. Não foi até Doss conseguir seu primeiro emprego em 1921 que ela teve alguma interação social com o sexo oposto.

Quando outras crianças frequentavam a escola e se preocupavam com a noite do baile, Doss trabalhava em uma fábrica de roupas, passando o tempo livre com a cabeça enterrada em seu passatempo favorito: lendo revistas de romance, especialmente a seção do clube dos corações solitários.

Casamento

Enquanto trabalhava na fábrica, Doss conheceu Charley Braggs, uma colega de trabalho que cuidava de sua mãe solteira. Eles começaram a namorar e em cinco meses se casaram. Doss foi morar com Braggs e sua mãe.

Se ela esperava se casar com o ambiente opressivo em que cresceu, ficou decepcionada. Sua sogra acabou sendo extremamente controladora e manipuladora.

Os Braggs tiveram seu primeiro filho em 1923, seguidos por mais três nos próximos três anos. A vida de Doss tornou-se uma prisão para criar filhos, cuidar de sua sogra exigente e aturar Charley, um bêbado abusivo e adúltero. Para lidar com isso, ela começou a beber e ir a bares por sua própria diversão adúltera. O casamento deles estava condenado.

Primeiras mortes

Em 1927, logo após o nascimento do quarto filho, os dois filhos do meio dos Braggs morreram por causa do que os médicos chamavam de intoxicação alimentar. Suspeitando que Doss os envenenara, Braggs decolou com a filha mais velha, Melvina, mas deixou para trás o recém-nascido, Florine, e sua mãe.

Não muito tempo depois que ele partiu, sua mãe morreu. Doss permaneceu na casa dos Braggs até um ano depois, quando Charley voltou com Melvina e sua nova namorada. Os dois se divorciaram; Doss saiu com as duas filhas e voltou para a casa dos pais.

Charley Braggs se tornou o único marido que Nannie não envenenou até a morte.

Segundo marido

Sozinha novamente, Doss voltou a suas paixões de infância ao ler revistas de romance, mas desta vez começou a se corresponder com alguns dos homens que anunciavam na coluna de corações solitários. Foi aí que ela conheceu seu segundo marido, Robert Harrelson. Doss, 24, e Harrelson, 23, se conheceram e se casaram, e moraram com Melvina e Florine em Jacksonville, Alabama.

Doss soube mais uma vez que não havia se casado com um homem com o caráter de seus heróis românticos. Harrelson estava bêbado e endividado. Seu passatempo favorito era entrar em brigas de bar. De alguma forma, o casamento durou até a morte de Harrelson 16 anos depois.

Uma avó

Em 1943, a filha mais velha de Doss, Melvina, teve seu primeiro filho, um filho chamado Robert, seguido por outro em 1945. O segundo filho, uma menina saudável, morreu logo após o nascimento por razões inexplicáveis. Melvina, que estava inconsciente após um parto difícil, mais tarde se lembrou de ter visto sua mãe enfiar um gancho na cabeça da criança, mas nenhuma prova foi encontrada.

Em 7 de julho de 1945, Doss estava cuidando de Robert depois que ela e a filha brigaram pela desaprovação de Doss pelo novo namorado de Melvina. Naquela noite, sob os cuidados de Doss, Robert morreu do que os médicos chamavam de asfixia por causas desconhecidas. Dentro de alguns meses, Doss arrecadou US $ 500 em uma apólice de seguro que ela havia retirado do garoto.

Em 15 de setembro de 1945, Harrelson adoeceu e morreu. Doss contou depois que ele voltou para casa bêbado e a estuprou. No dia seguinte, ela derramou veneno de rato na jarra de uísque de milho e depois viu como ele morria dolorosamente.

Terceiro marido

Achando que funcionara uma vez, Doss voltou aos anúncios classificados para o próximo marido. Dois dias depois de se conhecerem, Doss e Arlie Lanning estavam casados. Como seu falecido marido, Lanning era alcoólatra, mas não violenta ou adúltera. Dessa vez, era Doss que saía de casa, às vezes meses de cada vez.

Em 1950, após dois anos e meio de casamento, Lanning ficou doente e morreu. Na época, acreditava-se que ele morrera de um ataque cardíaco causado pela gripe que estava circulando. Ele mostrou todos os sintomas: febre, vômito, dores de estômago. Com sua história de bebida, os médicos acreditavam que seu corpo simplesmente sucumbia a ele e uma autópsia não foi realizada.

A casa de Lanning foi deixada para sua irmã, mas em dois meses ela queimou antes que a irmã assumisse a propriedade.

Doss foi morar temporariamente com a sogra, mas quando recebeu um cheque de seguro da casa incendiada, decolou. Doss queria estar com sua irmã, Dovie, que estava morrendo de câncer. Pouco antes de se mudar para a casa da irmã, sua sogra morreu enquanto dormia.

Não é de surpreender que Dovie logo tenha morrido também, sob os cuidados de Doss.

Quarto marido

Dessa vez, Doss decidiu que, em vez de limitar sua busca por um marido aos anúncios classificados, tentaria um clube para solteiros. Ingressou no Diamond Circle Club, onde conheceu seu quarto marido, Richard L. Morton, de Emporia, Kansas.

Eles se casaram em outubro de 1952 e moraram no Kansas. Ao contrário dos maridos anteriores, Morton não era alcoólatra, mas acabou sendo adúltero. Quando Doss soube que seu novo marido estava vendo sua antiga namorada de lado, ele não teve muito tempo para viver. Além disso, ela já estava de olho em um novo homem do Kansas chamado Samuel Doss.

Mas antes que ela pudesse cuidar de Morton, seu pai morreu e sua mãe, Louisa, veio fazer uma visita. Em poucos dias, sua mãe estava morta depois de se queixar de cólicas estomacais graves. O marido Morton sucumbiu ao mesmo destino três meses depois.

Quinto marido

Após a morte de Morton, Nannie se mudou para Oklahoma e logo se tornou a sra. Samuel Doss. Sam Doss era um ministro nazareno que lida com a morte de sua esposa e nove de seus filhos, que foram mortos por um tornado que tomou conta do condado de Madison, no Arkansas.

Doss era um homem bom e decente, diferente dos outros homens na vida de Nannie. Ele não era um bêbado, mulherengo ou abusador de esposa. Ele era um homem que freqüentava a igreja e se apaixonou por Nannie.

Infelizmente para ele, Samuel Doss tinha duas outras falhas: ele era dolorosamente frugal e chato. Ele levou uma vida regida e esperava o mesmo de sua nova noiva. Não eram permitidos romances ou histórias de amor na televisão, e a hora de dormir era às 9h30 todas as noites.

Ele mantinha um controle rígido do dinheiro e dava muito pouco à esposa. Como Nannie não estava bem, ela foi para o Alabama, retornando apenas depois que Samuel concordou em assiná-la em sua conta corrente.

Com o casal se reunindo e Doss tendo acesso ao dinheiro, ela se tornou a esposa amorosa. Ela convenceu Samuel a fazer duas apólices de seguro de vida, sendo ela a única beneficiária.

Quase antes da tinta secar, Samuel estava no hospital reclamando de problemas estomacais. Ele conseguiu sobreviver quase duas semanas, se recuperando o suficiente para voltar para casa. Em sua primeira noite de volta, Doss serviu uma refeição caseira e, horas depois, ele estava morto.

Os médicos de Samuel ficaram alarmados com sua morte repentina e pediram uma autópsia. Os órgãos dele estavam cheios de arsênico e todos os dedos apontaram para Nannie Doss.

A polícia levou Doss para interrogatório, e ela confessou ter matado quatro de seus maridos, sua mãe, sua irmã Dovie, seu neto Robert e a mãe de Arlie Lanning.

15 minutos de fama

Apesar de ser um assassino horrível, Doss parecia apreciar os holofotes de sua prisão. Ela costumava brincar sobre seus maridos mortos e sobre os métodos que ela usava para matá-los, como a torta de batata doce que ela misturava com arsênico.

Os que estavam no tribunal julgando não perceberam o humor. Em 17 de maio de 1955, Doss, que tinha 50 anos, confessou ter assassinado Samuel e recebeu uma sentença de prisão perpétua. Em 1963, depois de passar oito anos na prisão, ela morreu de leucemia na Penitenciária do Estado de Oklahoma.

Os promotores nunca acusaram Doss de assassinatos adicionais, embora a maioria acreditasse que ela matou até 11 pessoas.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos