Informações

Mártir paquistanês Iqbal Masih

Mártir paquistanês Iqbal Masih

A figura histórica de importância, Iqbal Masih, era um jovem paquistanês que foi forçado a trabalhar em regime de servidão aos quatro anos de idade. Depois de ser libertado aos dez anos, Iqbal tornou-se ativista contra o trabalho infantil em servidão. Ele se tornou um mártir por sua causa quando foi assassinado aos 12 anos.

Visão geral do Iqbal Masih

Iqbal Masih nasceu em Muridke, uma pequena vila rural nos arredores de Lahore, no Paquistão. Logo após o nascimento de Iqbal, seu pai, Saif Masih, abandonou a família. A mãe de Iqbal, Inayat, trabalhava como faxineira, mas achou difícil ganhar dinheiro suficiente para alimentar todos os seus filhos com sua pequena renda.

Iqbal, jovem demais para entender os problemas de sua família, passava o tempo brincando nos campos perto de sua casa de dois quartos. Enquanto sua mãe estava fora do trabalho, suas irmãs mais velhas cuidavam dele. Sua vida mudou drasticamente quando ele tinha apenas quatro anos de idade.

Em 1986, o irmão mais velho de Iqbal deveria se casar e a família precisava de dinheiro para pagar uma celebração. Para uma família muito pobre no Paquistão, a única maneira de pedir dinheiro emprestado é pedir a um empregador local. Esses empregadores se especializam nesse tipo de troca, onde o empregador empresta dinheiro à família em troca do trabalho escravo de uma criança pequena.

Para pagar o casamento, a família de Iqbal emprestou 600 rúpias (cerca de US $ 12) a um homem que possuía uma empresa de tecelagem de tapetes. Em troca, Iqbal era obrigado a trabalhar como tecelão de carpetes até que a dívida fosse paga. Sem ser perguntado ou consultado, Iqbal foi vendido em cativeiro por sua família.

Trabalhadores lutando pela sobrevivência

Este sistema de peshgi (empréstimos) é inerentemente desigual; o empregador tem todo o poder. Iqbal era obrigado a trabalhar um ano inteiro sem salários, a fim de aprender as habilidades de um tecelão de tapetes. Durante e após o aprendizado, o custo da comida que ele comeu e as ferramentas que ele usou foram todos adicionados ao empréstimo original. Quando e se ele cometeu erros, muitas vezes era multado, o que também aumentava o empréstimo.

Além desses custos, o empréstimo aumentou ainda mais porque o empregador acrescentou juros. Ao longo dos anos, a família de Iqbal emprestou ainda mais dinheiro do empregador, que foi adicionado à quantidade de dinheiro que Iqbal tinha para trabalhar. O empregador controlava o total do empréstimo. Não era incomum para os empregadores cobrir o total, mantendo as crianças em cativeiro por toda a vida. Quando Iqbal tinha dez anos, o empréstimo havia aumentado para 13.000 rúpias (cerca de US $ 260).

As condições em que Iqbal trabalhava eram horrendas. Iqbal e as outras crianças ligadas foram obrigadas a se agachar em um banco de madeira e se curvar para amarrar milhões de nós em tapetes. As crianças foram obrigadas a seguir um padrão específico, escolhendo cada fio e amarrando cada nó com cuidado. As crianças não tinham permissão para falar umas com as outras. Se as crianças começassem a sonhar acordado, um guarda poderia bater nelas ou poderiam cortar as próprias mãos com as ferramentas afiadas que usavam para cortar o fio.

Iqbal trabalhava seis dias por semana, pelo menos 14 horas por dia. A sala em que ele trabalhava era sufocante, porque as janelas não podiam ser abertas para proteger a qualidade da lã. Apenas duas lâmpadas pendiam acima das crianças pequenas.

Se as crianças reagissem, fugissem, tivessem saudades de casa ou estivessem fisicamente doentes, seriam punidas. A punição incluía espancamentos severos, ser acorrentada ao tear, longos períodos de isolamento em um armário escuro e pendurada de cabeça para baixo. Iqbal costumava fazer essas coisas e recebia inúmeras punições. Por tudo isso, Iqbal recebeu 60 rúpias (cerca de 20 centavos) por dia após o término de seu aprendizado.

Frente de Libertação Trabalhista

Depois de trabalhar seis anos como tecelão de tapetes, Iqbal um dia ouviu falar de uma reunião da Frente de Libertação do Trabalho Bonded (BLLF), que estava trabalhando para ajudar crianças como Iqbal. Depois do trabalho, Iqbal escapou para participar da reunião. Na reunião, Iqbal soube que o governo paquistanês havia proibido peshgi em 1992. Além disso, o governo cancelou todos os empréstimos pendentes a esses empregadores.

Chocado, Iqbal sabia que queria ser livre. Ele conversou com Eshan Ullah Khan, presidente da BLLF, que o ajudou a obter a papelada necessária para mostrar a seu empregador que ele deveria ser livre. Não contente em ser livre, Iqbal trabalhou para também libertar seus colegas de trabalho.

Uma vez livre, Iqbal foi enviado para uma escola da BLLF em Lahore. Iqbal estudou muito, terminando quatro anos de trabalho em apenas dois. Na escola, as habilidades naturais de liderança de Iqbal tornaram-se cada vez mais aparentes e ele se envolveu em manifestações e reuniões que lutavam contra o trabalho infantil em servidão. Certa vez, ele fingiu ser um dos trabalhadores de uma fábrica para poder questionar as crianças sobre suas condições de trabalho. Foi uma expedição muito perigosa, mas as informações que ele coletou ajudaram a fechar a fábrica e libertar centenas de crianças.

Iqbal começou a falar nas reuniões da BLLF e depois a ativistas e jornalistas internacionais. Ele falou sobre suas próprias experiências como trabalhador infantil ligado. Ele não se intimidou com a multidão e falou com tanta convicção que muitos o notaram.

Os seis anos de Iqbal como criança ligada o afetaram tanto física quanto mentalmente. A coisa mais notável em Iqbal era que ele era uma criança extremamente pequena, cerca da metade do tamanho que deveria ter na idade dele. Aos dez anos, ele tinha menos de um metro e meio de altura e pesava apenas 60 libras. Seu corpo havia parado de crescer, que um médico descreveu como "nanismo psicológico". Iqbal também sofria de problemas renais, coluna curvada, infecções brônquicas e artrite. Muitos dizem que ele arrastou os pés quando andou por causa da dor.

De muitas maneiras, Iqbal se tornou adulto quando foi enviado para trabalhar como tecelão de tapetes. Mas ele não era realmente um adulto. Ele perdeu a infância, mas não a juventude. Quando ele foi para os EUA para receber o Reebok Human Rights Award, Iqbal adorava assistir desenhos animados, especialmente Bugs Bunny. De vez em quando, ele também tinha a chance de jogar alguns jogos de computador nos EUA.

Uma vida curta

A crescente popularidade e influência de Iqbal o levaram a receber inúmeras ameaças de morte. Focado em ajudar outras crianças a se libertarem, Iqbal ignorou as cartas.

No domingo, 16 de abril de 1995, Iqbal passou o dia visitando sua família na Páscoa. Depois de passar algum tempo com sua mãe e irmãos, ele foi visitar seu tio. Encontrando-se com dois de seus primos, os três meninos andaram de bicicleta para o campo de seu tio para levar o tio para jantar. No caminho, os meninos tropeçaram em alguém que atirou neles com uma espingarda. Iqbal morreu imediatamente. Um de seus primos levou um tiro no braço; o outro não foi atingido.

Como e por que Iqbal foi morto continua sendo um mistério. A história original era que os meninos encontraram um fazendeiro local que estava em uma posição comprometedora com o burro de um vizinho. Assustado e talvez drogado, o homem disparou contra os meninos, não pretendendo matar especificamente Iqbal. A maioria das pessoas não acredita nessa história. Em vez disso, eles acreditam que os líderes da indústria de tapetes não gostam da influência que Iqbal estava tendo e ordenaram que ele fosse assassinado. Até o momento, não há provas de que esse fosse o caso.

Em 17 de abril de 1995, Iqbal foi enterrado. Havia aproximadamente 800 pessoas presentes.

* O problema do trabalho infantil escravo continua hoje. Milhões de crianças, especialmente no Paquistão e na Índia, trabalham em fábricas para fabricar tapetes, tijolos de barro, beedis (cigarros), jóias e roupas - todas com condições horríveis semelhantes às vividas por Iqbal.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos