Conselhos

O que é egoísmo psicológico?

O que é egoísmo psicológico?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O egoísmo psicológico é a teoria de que todas as nossas ações são basicamente motivadas pelo interesse próprio. É uma visão apoiada por vários filósofos, entre eles Thomas Hobbes e Friedrich Nietzsche, e desempenhou um papel em alguma teoria dos jogos.

Por que pensar que todas as nossas ações são de interesse próprio?

Uma ação interessada é motivada por uma preocupação com os próprios interesses. Claramente, a maioria de nossas ações é desse tipo. Eu bebo água porque tenho interesse em saciar minha sede. Eu apareço para o trabalho porque tenho interesse em ser pago. Mas são todos nossas ações se interessam? Em face disso, parece haver muitas ações que não são. Por exemplo:

  • Um motorista que para para ajudar alguém que quebrou.
  • Uma pessoa dando dinheiro para caridade.
  • Um soldado caindo em uma granada para proteger os outros da explosão.

Mas os egoístas psicológicos pensam que podem explicar tais ações sem abandonar sua teoria. O motorista pode estar pensando que um dia ela também pode precisar de ajuda. Então, ela apoia uma cultura em que ajudamos os necessitados. A pessoa que dá caridade pode estar esperando impressionar os outros, ou pode estar tentando evitar sentimentos de culpa, ou pode estar procurando aquele sentimento quente e confuso que se sente depois de fazer uma boa ação. O soldado que cai na granada pode estar esperando glória, mesmo que seja do tipo póstumo.

Objeções ao egoísmo psicológico

A primeira e mais óbvia objeção ao egoísmo psicológico é que existem muitos exemplos claros de pessoas se comportando de maneira altruística ou desinteressada, colocando os interesses dos outros antes dos seus. Os exemplos que acabamos de ilustrar ilustram essa idéia. Mas, como já observamos, os egoístas psicológicos pensam que podem explicar ações desse tipo. Mas eles podem? Os críticos argumentam que sua teoria repousa sobre uma falsa descrição da motivação humana.

Tomemos, por exemplo, a sugestão de que as pessoas que dão para caridade, ou que doam sangue, ou que ajudam pessoas necessitadas, são motivadas pelo desejo de evitar se sentir culpado ou pelo desejo de desfrutar de se sentir santo. Isso pode ser verdade em alguns casos, mas certamente não é verdade em muitos. O fato de eu não me sentir culpado ou virtuoso depois de executar uma determinada ação pode ser verdade. Mas isso geralmente é apenas um efeito colateral da minha ação. Eu não fiz necessariamente em ordem para obter esses sentimentos.

A diferença entre egoísta e altruísta

Os egoístas psicológicos sugerem que somos todos, no fundo, muito egoístas. Mesmo as pessoas que descrevemos como altruístas estão realmente fazendo o que fazem em benefício próprio. Aqueles que tomam ações altruístas pelo valor de face, dizem, são ingênuos ou superficiais.

Contra isso, porém, o crítico pode argumentar que a distinção que todos fazemos entre ações egoístas e altruístas (e pessoas) é importante. Uma ação egoísta é aquela que sacrifica os interesses de outras pessoas pelos meus: Pego avidamente a última fatia de bolo. Uma ação altruísta é aquela em que coloco os interesses de outra pessoa acima dos meus: p. Eu ofereço a eles o último pedaço de bolo, mesmo que eu queira. Talvez seja verdade que faço isso porque desejo ajudar ou agradar os outros. Nesse sentido, eu poderia ser descrito, em certo sentido, como satisfazendo meus desejos, mesmo quando ajo desinteressadamente. Mas isso é exatamente o que é uma pessoa altruísta: alguém que se preocupa com os outros, que quer ajudá-los. O fato de eu estar satisfazendo o desejo de ajudar os outros não é motivo para negar que estou agindo desinteressadamente. Pelo contrário. Esse é exatamente o tipo de desejo que as pessoas altruístas têm.

O apelo do egoísmo psicológico

O egoísmo psicológico é atraente por duas razões principais:

  • satisfaz nossa preferência pela simplicidade. Na ciência, gostamos de teorias que explicam diversos fenômenos, mostrando que todos são controlados pela mesma força. Por exemplo. A teoria da gravidade de Newton oferece um princípio único que explica uma maçã em queda, as órbitas dos planetas e as marés. O egoísmo psicológico promete explicar todo tipo de ação, relacionando-as a um motivo fundamental: interesse próprio
  • oferece uma visão obstinada e aparentemente cínica da natureza humana. Isso apela à nossa preocupação de não ser ingênuo ou absorvido pelas aparências.

Para seus críticos, porém, a teoria é também simples. E ser obstinado não é uma virtude se significa ignorar evidências contrárias. Considere, por exemplo, como você se sente ao assistir a um filme em que uma menina de dois anos começa a tropeçar em direção à beira de um precipício. Se você é uma pessoa normal, vai se sentir ansioso. Mas por que? O filme é apenas um filme; não é real. E a criança é um estranho. Por que você deveria se importar com o que acontece com ela? Não é você quem está em perigo. No entanto, você se sente ansioso. Por quê? Uma explicação plausível desse sentimento é que a maioria de nós tem uma preocupação natural pelos outros, talvez porque somos, por natureza, seres sociais. Essa é uma linha de crítica apresentada por David Hume.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos