Interessante

Biografia de Walter Cronkite, apresentador e pioneiro da TV News

Biografia de Walter Cronkite, apresentador e pioneiro da TV News


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Walter Cronkite era um jornalista que definiu o papel de apresentador de redes durante as décadas em que as notícias na televisão passaram de enteado negligenciado do rádio a uma forma dominante de jornalismo. Cronkite tornou-se uma figura lendária e foi freqüentemente chamado de "o homem mais confiável da América".

Fatos rápidos: Walter Cronkite

  • Conhecido por: Transmita jornalista e apresentador que cobriu momentos importantes da história americana
  • Também conhecido como: "O homem mais confiável da América"
  • Nascermos: 4 de dezembro de 1916 em St. Joseph, Missouri
  • Morreu: 17 de julho de 2009 na cidade de Nova York, Nova York
  • Educação: Universidade do Texas em Austin
  • Prêmios Selecionados: Medalha Presidencial da Liberdade, Prêmio Embaixador da Exploração da NASA, Prêmio Quatro Liberdades pela Liberdade de Expressão
  • Cotação notável: "E é assim que é."

Originalmente um repórter impresso que se destacou como correspondente do campo de batalha durante a Segunda Guerra Mundial, Cronkite desenvolveu uma habilidade para relatar e contar uma história que ele trouxe para o meio embrionário da televisão. Quando os americanos começaram a receber grande parte de suas notícias da televisão, Cronkite era um rosto familiar nas salas de estar de todo o país.

Durante sua carreira, Cronkite cobriu o combate de perto, colocando-se em risco em várias ocasiões. Em tarefas menos perigosas, ele entrevistou presidentes e líderes estrangeiros e cobriu eventos críticos da era McCarthy ao início dos anos 80.

Para uma geração de americanos, Cronkite forneceu uma voz altamente credível e uma maneira firme e calma durante tempos tumultuados. Os espectadores se relacionavam com ele e com sua linha de fechamento padrão no final de cada transmissão: "E é assim que as coisas são".

Vida pregressa

Walter Cronkite nasceu em St. Joseph, Missouri, em 4 de dezembro de 1916. A família se mudou para o Texas quando Cronkite era criança, e ele se interessou por jornalismo durante o ensino médio. Enquanto cursava a Universidade do Texas, trabalhou por dois anos em regime de meio período no jornal Houston Post e, depois de deixar a faculdade, assumiu vários empregos em jornais e estações de rádio.

Em 1939, ele foi contratado para ser correspondente de guerra pelo serviço de notícias da United Press. Com a intensificação da Segunda Guerra Mundial, o recém-casado Cronkite partiu para a Europa para cobrir o conflito.

Experiência formativa: Segunda Guerra Mundial

Em 1942, a Cronkite estava sediada na Inglaterra, enviando despachos de volta aos jornais americanos. Ele foi convidado para um programa especial com a Força Aérea do Exército dos EUA para treinar jornalistas a bordo de bombardeiros. Depois de aprender habilidades básicas, incluindo disparar as metralhadoras do avião, Cronkite voou a bordo do Oitavo Força Aérea B-17 em uma missão de bombardeio sobre a Alemanha.

A missão acabou sendo extremamente perigosa. Um correspondente do New York Times, Robert P. Post, que estava voando em outro B-17 durante a mesma missão, foi morto quando o homem-bomba foi abatido. (Andy Rooney, correspondente de Stars and Stripes e futuro colega de Cronkite da CBS News, também voou na missão e, como Cronkite, voltou para a Inglaterra com segurança.)

Cronkite escreveu um despacho vívido sobre a missão de bombardeio que ocorreu em vários jornais americanos. No New York Times de 27 de fevereiro de 1943, a história de Cronkite apareceu sob a manchete "Inferno 26.000 pés".

Em 6 de junho de 1944, Cronkite observou os ataques na praia do Dia D em um avião militar. Em setembro de 1944, Cronkite cobriu a invasão aérea da Holanda no Operation Market Garden pousando em um planador com paraquedistas da 101ª Divisão Aerotransportada. Cronkite cobriu a luta na Holanda por semanas, muitas vezes se colocando em risco considerável.

No final de 1944, Cronkite cobriu a ofensiva alemã que se transformou na Batalha do Bulge. Na primavera de 1945, ele cobriu o fim da guerra. Dadas suas experiências em tempos de guerra, ele provavelmente poderia ter conseguido um contrato para escrever um livro, mas optou por manter seu emprego na United Press como correspondente. Em 1946, ele cobriu os Julgamentos de Nuremberg e, em seguida, abriu um escritório da United Press em Moscou.

Em 1948. Cronkite estava de volta aos Estados Unidos. Ele e a esposa tiveram o primeiro filho em novembro de 1948. Depois de anos de viagem, Cronkite começou a gravitar para uma vida mais tranquila e começou a pensar seriamente em pular do jornalismo impresso para a radiodifusão.

Notícias da TV

Em 1949, Cronkite começou a trabalhar para a CBS Radio, com sede em Washington, DC. Ele cobriu o governo; o foco de seu trabalho era transmitir relatórios para estações localizadas no Centro-Oeste. Suas atribuições não eram muito fascinantes e tendiam a se concentrar na política agrícola de interesse dos ouvintes no coração.

Quando a Guerra da Coréia começou em 1950, Cronkite queria voltar ao seu papel de correspondente no exterior. Mas ele encontrou um nicho em Washington, divulgando notícias sobre o conflito na televisão local, ilustrando movimentos de tropas desenhando linhas em um mapa. Sua experiência em tempo de guerra parecia lhe dar uma certa confiança no ar, e os espectadores se relacionavam com ele.

Naquela época, o noticiário da TV estava em sua infância, e muitas emissoras de rádio influentes, incluindo Edward R. Murrow, o lendário jornalista estrela da CBS Radio, acreditavam que a televisão seria uma moda passageira. Cronkite, no entanto, desenvolveu uma sensação para o meio, e sua carreira decolou. Ele foi pioneiro na apresentação de notícias na televisão, enquanto também participava de entrevistas (uma vez fazendo uma excursão à Casa Branca com o presidente Harry S. Truman) e até mesmo se apresentando como apresentador de um popular game show, "It's News to Me . "

O homem mais confiável da América

Em 1952, Cronkite e outros membros da CBS empenharam-se seriamente em apresentar, ao vivo, os procedimentos das duas principais convenções políticas partidárias de Chicago. Antes das convenções, a CBS até oferecia aulas para os políticos aprenderem a aparecer na televisão. Cronkite era o professor, dando pontos em falar e de frente para a câmera. Um de seus alunos era um congressista de Massachusetts, John F. Kennedy.

Na noite das eleições de 1952, a Cronkite ancorou a cobertura da CBS News ao vivo de um estúdio na Grand Central Station, em Nova York. Compartilhando os deveres com a Cronkite estava um computador, o Univac, que a Cronkite introduziu como um "cérebro eletrônico" que ajudaria a contabilizar os votos. O computador não funcionou corretamente durante a transmissão, mas Cronkite manteve o programa em andamento. Os executivos da CBS passaram a reconhecer Cronkite como uma estrela. Para os espectadores em toda a América, Cronkite estava se tornando uma voz autoritária. De fato, ele ficou conhecido como "o homem mais confiável da América".

Durante a década de 1950, a Cronkite fazia reportagens regularmente sobre os programas da CBS News. Ele desenvolveu um interesse precoce pelo programa espacial americano inicial, lendo qualquer coisa que pudesse encontrar sobre mísseis recém-desenvolvidos e planejando lançar astronautas no espaço. Em 1960, Cronkite parecia estar em toda parte, cobrindo as convenções políticas e servindo como um dos jornalistas fazendo perguntas no debate final entre Kennedy e Nixon.

Em 16 de abril de 1962, Cronkite começou a fundar o CBS Evening News, um cargo que ocuparia até optar por se aposentar em 1981. Cronkite garantiu que ele não fosse apenas o apresentador, mas o editor-gerente do noticiário. Durante seu mandato, a transmissão expandiu de 15 minutos para meia hora. No primeiro programa do formato expandido, Cronkite entrevistou o Presidente Kennedy no gramado da casa da família Kennedy em Hyannis Port, Massachusetts.

A entrevista, realizada no Dia do Trabalho de 1963, foi historicamente importante, pois o presidente parecia estar ajustando sua política no Vietnã. Seria uma das últimas entrevistas com Kennedy antes de sua morte, menos de três meses depois.

Reportagem sobre momentos importantes da história americana

Na tarde de 22 de novembro de 1963, Cronkite estava trabalhando na redação da CBS em Nova York quando sinos indicando boletins urgentes começaram a tocar em máquinas de teletipo. Os primeiros relatos de um tiroteio perto da carreata do presidente em Dallas estavam sendo transmitidos por serviços de arame.

O primeiro boletim da transmissão transmitida pela CBS News foi apenas por voz, pois levou tempo para montar uma câmera. Assim que possível, Cronkite apareceu ao vivo no ar. Ele atualizou as notícias chocantes quando chegaram. Quase perdendo a compostura, Cronkite fez o anúncio sombrio de que o presidente Kennedy havia morrido devido aos ferimentos. Cronkite ficou no ar por horas, ancorando a cobertura do assassinato. Ele passou muitas horas no ar nos dias seguintes, enquanto os americanos se envolviam em um novo tipo de ritual de luto, realizado por meio da televisão.

Nos anos seguintes, Cronkite divulgaria notícias sobre o Movimento dos Direitos Civis, os assassinatos de Robert Kennedy e Martin Luther King, tumultos nas cidades americanas e a Guerra do Vietnã. Depois de visitar o Vietnã no início de 1968 e testemunhar a violência desencadeada na Ofensiva Tet, Cronkite retornou aos Estados Unidos e emitiu uma rara opinião editorial. Em um comentário enviado à CBS, ele disse que, com base em seus relatórios, a guerra era um impasse e um fim negociado deveria ser buscado. Mais tarde, foi relatado que o Presidente Lyndon Johnson ficou abalado ao ouvir a avaliação de Cronkite e influenciou sua decisão de não buscar um segundo mandato.

Uma grande história da década de 1960 que Cronkite adorava cobrir era o programa espacial. Ele ancorou transmissões ao vivo de lançamentos de foguetes, dos projetos Mercury a Gemini e à conquista principal, o Projeto Apollo. Muitos americanos aprenderam como os foguetes operavam assistindo Cronkite dar lições básicas de sua mesa de ancoragem. Em uma época em que o noticiário da TV podia utilizar efeitos especiais avançados, o Cronkite, manipulando modelos de plástico, demonstrou as manobras que estavam sendo realizadas no espaço.

Quando Neil Armstrong pisou na superfície da lua em 20 de julho de 1969, uma audiência nacional assistiu às imagens granuladas na televisão. Muitos estavam sintonizados com a CBS e Walter Cronkite, que admitiu famosa, depois de ver Armstrong dar seu famoso primeiro passo: "Estou sem palavras".

Carreira posterior

A Cronkite continuou cobrindo as notícias nos anos 70, ancorando eventos como Watergate e o fim da Guerra do Vietnã. Em uma viagem ao Oriente Médio, ele entrevistou o presidente egípcio Sadat e o primeiro ministro israelense Begin. Cronkite recebeu o crédito por inspirar os dois homens a se encontrarem e, eventualmente, forjarem um tratado de paz entre seus países.

Para muitos, o nome Cronkite era sinônimo de notícias. Bob Dylan, em uma música em seu álbum de 1975 "Desire", fez uma referência divertida a ele:

"Eu estava sentado em casa sozinho uma noite em LA.
Assistindo o velho Cronkite no noticiário das sete horas ... "

Na sexta-feira, 6 de março de 1981, Cronkite apresentou seu último noticiário como âncora. Ele escolheu encerrar seu mandato como âncora com pouca alarde. O New York Times informou que ele havia passado o dia, como sempre, preparando o noticiário.

Nas décadas seguintes, Cronkite apareceu com frequência na televisão, inicialmente fazendo especiais para a CBS e depois para a PBS e CNN. Ele permaneceu ativo, passando tempo com um grande círculo de amigos que incluía o artista Andy Warhol e o baterista do Grateful Dead, Mickey Hart. Cronkite também manteve seu hobby de velejar nas águas ao redor de Martha's Vineyard, onde ele mantinha uma casa de férias há muito tempo.

Cronkite morreu aos 92 anos em 17 de julho de 2009. Sua morte foi notícia de primeira página em toda a América. Ele é amplamente lembrado como uma figura lendária que criou e incorporou uma era de ouro do noticiário da televisão.

Fontes

  • Brinkley, Douglas. Cronkite. Harper Perennial, 2013.
  • Martin, Douglas. “Walter Cronkite, 92 anos, morre; “Trusted Voice of TV News”. New York Times, 17 de julho de 2009, p. 1
  • Cronkite, Walter. "Inferno 26.000 pés acima." New York Times, 17 de fevereiro de 1943, p. 5)


Assista o vídeo: Milênio: Walter Cronkite - Globo News, 23031998 (Janeiro 2023).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos