Rever

Grilos de Jerusalém, família Stenopelmatidae

Grilos de Jerusalém, família Stenopelmatidae


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Ver um críquete de Jerusalém pela primeira vez pode ser uma experiência inquietante, mesmo para aqueles que não têm tendência a entomofobia. Parecem formigas gigantes e musculosas, com cabeças humanóides e olhos escuros e redondos. Embora os grilos de Jerusalém (família Stenopelmatidae) sejam realmente muito grandes, geralmente são inofensivos. Sabemos relativamente pouco sobre sua história de vida e muitas espécies permanecem sem nome e sem descrição.

Como são os grilos de Jerusalém

Você já jogou o jogo de tabuleiro Cootie quando criança? Imagine virar uma pedra e encontrar um Cootie ganhando vida, olhando para você com uma expressão ameaçadora! É assim que as pessoas frequentemente descobrem seu primeiro críquete em Jerusalém, por isso não é surpresa que esses insetos tenham ganhado muitos apelidos, nenhum deles particularmente cativante. No século 19, as pessoas usavam a expressão "Jerusalém!" como palavrão, e acredita-se que seja a origem do nome comum.

As pessoas também acreditavam (incorretamente) que esses insetos estranhos com rostos humanos eram altamente venenosos e potencialmente letais; portanto, recebiam apelidos cheios de superstição e medo: insetos de crânio, besouros de pescoço de osso, velho careca, rosto de criança e filho da terra (Niño de la Tierra em culturas de língua espanhola). Na Califórnia, costumam ser chamados de insetos-batata, por seu hábito de mordiscar plantas de batata. Nos círculos entomológicos, eles também são chamados de grilos de areia ou de pedra.

Os grilos de Jerusalém variam em comprimento, de respeitáveis ​​2 cm a impressionantes 7,5 cm (cerca de 3 polegadas) e podem pesar até 13 g. A maioria desses grilos que não voam é de cor marrom ou marrom, mas têm um abdômen listrado com faixas alternadas de preto e marrom claro. Eles são bastante gordos, com abdômen robusto e cabeças grandes e redondas. Os grilos de Jerusalém carecem de glândulas de veneno, mas eles têm mandíbulas poderosas e podem causar uma mordida dolorosa se forem maltratados. Algumas espécies na América Central e no México podem pular para fugir do perigo.

Quando atingem a maturidade sexual (idade adulta), os machos podem ser diferenciados pelas fêmeas pela presença de um par de ganchos pretos na ponta do abdômen, entre os cercos. Em uma mulher adulta, você encontrará o ovipositor, mais escuro na parte inferior e localizado abaixo dos cercos.

Como os grilos de Jerusalém são classificados

  • Reino - Animalia
  • Filo - Arthropoda
  • Classe - Insecta
  • Ordem - Orthoptera
  • Família - Stenopelmatidae

O que os grilos de Jerusalém comem

Os grilos de Jerusalém se alimentam de matéria orgânica no solo, vivos e mortos. Alguns podem vasculhar, enquanto outros pensam em caçar outros artrópodes. Os grilos de Jerusalém também praticam o canibalismo de vez em quando, principalmente quando confinados em cativeiro. As mulheres costumam comer seus parceiros após consumar o relacionamento (bem como o canibalismo sexual dos mantídeos orantes, que é mais conhecido).

O ciclo de vida dos grilos de Jerusalém

Como todos os Orthoptera, os grilos de Jerusalém sofrem metamorfose incompleta ou simples. A fêmea acasalada oviposita ovos a alguns centímetros de profundidade no solo. As ninfas jovens geralmente aparecem no outono, com menos frequência na primavera. Após a muda, a ninfa come a pele fundida para reciclar seus preciosos minerais. Os grilos de Jerusalém requerem talvez uma dúzia de mudas e quase dois anos completos para atingir a idade adulta. Em algumas espécies ou climas, eles podem precisar de até três anos para concluir o ciclo de vida.

Comportamentos Especiais dos Grilos de Jerusalém

Os grilos de Jerusalém balançam as patas traseiras espinhosas no ar para repelir qualquer ameaça percebida. Sua preocupação não é sem mérito, porque a maioria dos predadores não consegue resistir a um inseto tão gordo e fácil de pegar. Eles são uma fonte importante de nutrição para morcegos, gambás, raposas, coiotes e outros animais. Se um predador conseguir soltar a perna, a ninfa do críquete de Jerusalém pode regenerar o membro que falta com as mudas sucessivas.

Durante o namoro, grilos masculinos e femininos em Jerusalém batem seus abdomens para chamar companheiros receptivos. O som viaja pelo solo e pode ser ouvido através de órgãos auditivos especiais nas pernas do grilo.

Onde vivem os grilos de Jerusalém

Nos EUA, os grilos de Jerusalém habitam os estados ocidentais, especialmente os da costa do Pacífico. Os membros da família Stenopelmatidae também estão bem estabelecidos no México e na América Central e às vezes são encontrados no extremo norte da Colúmbia Britânica. Eles parecem preferir habitats com solos úmidos e arenosos, mas podem ser encontrados nas dunas costeiras e nas florestas nubladas. Algumas espécies são restritas a sistemas de dunas limitados que podem exigir proteção especial, para que seu habitat não seja afetado adversamente pelas atividades humanas.

Fontes:

  • Grilos de Jerusalém (Orthoptera, Stenopelmatidae), por David B. Weissman, Amy G. Vandergast e Norihimo Ueshima. A partir de Enciclopédia de Entomologia, editado por John L. Capinera.
  • Introdução de Mutor e DeLong ao Estudo de Insetos, 7ª edição, por Charles A. Triplehorn e Norman F. Johnson.
  • MONSTRO DO QUARTO? NOPE, JERUSALÉM CRICKETS !, por Arthur V. Evans, O que está incomodando você ?. Acessado em 4 de março de 2013.
  • Família Stenopelmatidae - Grilos de Jerusalém, Bugguide.net. Acessado em 4 de março de 2013.
  • Grilos de Jerusalém, Academia de Ciências da Califórnia. Acessado em 4 de março de 2013.
  • Jerusalem Cricket, Museu de História Natural de San Diego. Acessado em 4 de março de 2013.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos