Conselhos

Imperador Pedro II do Brasil

Imperador Pedro II do Brasil


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Imperador Pedro II do Brasil:

Pedro II, da Casa de Bragança, foi Imperador do Brasil de 1841 a 1889. Foi um excelente governante que fez muito pelo Brasil e manteve a nação unida durante tempos caóticos. Ele era um homem calmo e inteligente, que geralmente era respeitado por seu povo.

O Império do Brasil:

Em 1807, a família real portuguesa, a Casa de Bragança, fugiu da Europa logo à frente das tropas de Napoleão. A governante, a rainha Maria, estava doente mental, e as decisões foram tomadas pelo príncipe herdeiro João. João trouxe sua esposa Carlota da Espanha e seus filhos, incluindo um filho que acabaria sendo Pedro I do Brasil. Pedro se casou com Leopoldina da Áustria em 1817. Depois que João voltou a reivindicar o trono de Portugal após a derrota de Napoleão, Pedro I declarou o Brasil independente em 1822. Pedro e Leopoldina tiveram quatro filhos sobrevivendo até a idade adulta: o mais novo, nascido em 2 de dezembro de 1825 , também foi nomeado Pedro e se tornaria Pedro II do Brasil quando coroado.

Juventude de Pedro II:

Pedro perdeu os pais muito cedo. Sua mãe morreu em 1829, quando Pedro tinha apenas três anos. Seu pai, Pedro, o ancião, voltou a Portugal em 1831, quando o jovem Pedro tinha apenas cinco anos: Pedro, o ancião, morreria de tuberculose em 1834. O jovem Pedro teria os melhores estudos e tutores disponíveis, incluindo José Bonifácio de Andrada, um dos principais intelectuais brasileiros da sua geração. Além de Bonifácio, as maiores influências sobre o jovem Pedro foram sua amada governanta, Mariana de Verna, que ele carinhosamente chamou de “Dadama” e que era mãe de aluguel do menino, e Rafael, um veterano de guerra afro-brasileiro que fora amigo íntimo do pai de Pedro. Diferentemente do pai, cuja exuberância impedia a dedicação aos estudos, o jovem Pedro era um excelente aluno.

Regência e coroação de Pedro II:

Pedro, o ancião, abdicou do trono do Brasil em favor de seu filho em 1831: Pedro, o mais jovem, tinha apenas cinco anos de idade. O Brasil foi governado por um conselho de regência até Pedro atingir a maioridade. Enquanto o jovem Pedro continuava seus estudos, a nação ameaçava desmoronar. Os liberais de todo o país preferiram uma forma de governo mais democrática e menosprezaram o fato de o Brasil ser governado por um imperador. Revoltas eclodiram em todo o país, incluindo grandes surtos no Rio Grande do Sul em 1835 e novamente em 1842, Maranhão em 1839 e São Paulo e Minas Gerais em 1842. O conselho de regência mal conseguia manter o Brasil unido por tempo suficiente entregá-lo a Pedro. As coisas ficaram tão ruins que Pedro foi declarado com três anos e meio de antecedência: ele assumiu o cargo de Imperador em 23 de julho de 1840, aos quatorze anos e foi coroado oficialmente cerca de um ano depois, em 18 de julho de 1841.

Casamento com Teresa Cristina do Reino das duas Sicílias:

A história se repetiu para Pedro: anos antes, seu pai havia aceitado o casamento com Maria Leopoldina da Áustria, com base em um retrato lisonjeiro, para ficar desapontado quando ela chegou ao Brasil: o mesmo aconteceu com Pedro, o mais jovem, que concordou em se casar com Teresa Cristina. do Reino das Duas Sicílias depois de ver uma pintura dela. Quando ela chegou, o jovem Pedro ficou visivelmente desapontado. Ao contrário do pai, Pedro, o mais jovem, sempre tratou Teresa Cristina muito bem e nunca a traiu. Ele veio a amá-la: quando ela morreu após quarenta e seis anos de casamento, ele ficou com o coração partido. Eles tiveram quatro filhos, dos quais duas filhas viveram na idade adulta.

Pedro II, Imperador do Brasil:

Pedro foi testado cedo e muitas vezes como imperador e sempre se mostrou capaz de lidar com os problemas de sua nação. Ele mostrou uma mão firme com as contínuas revoltas em diferentes partes do país. O ditador da Argentina Juan Manuel de Rosas muitas vezes incentivava a dissensão no sul do Brasil, na esperança de arrancar uma ou duas províncias para acrescentar à Argentina: Pedro respondeu juntando-se a uma coalizão de estados rebeldes da Argentina e do Uruguai em 1852, que deporam militarmente Rosas. O Brasil viu muitas melhorias durante seu reinado, como ferrovias, sistemas de água, estradas pavimentadas e instalações portuárias aprimoradas. Um relacionamento próximo e contínuo com a Grã-Bretanha deu ao Brasil um importante parceiro comercial.

Pedro e Política Brasileira:

Seu poder como governante foi controlado por um Senado aristocrático e eleito pela Câmara dos Deputados: esses órgãos legislativos controlavam a nação, mas Pedro mantinha uma vaga poder moderador ou "poder de moderação": em outras palavras, ele poderia afetar a legislação já proposta, mas não poderia iniciar muito de nada. Ele usou seu poder criteriosamente, e as facções na legislatura eram tão contenciosas entre si que Pedro foi capaz de exercer efetivamente muito mais poder do que ele supostamente possuía. Pedro sempre colocou o Brasil em primeiro lugar, e suas decisões sempre foram tomadas sobre o que ele achava melhor para o país: até os mais dedicados oponentes da monarquia e do Império passaram a respeitá-lo pessoalmente.

A Guerra da Tríplice Aliança:

As horas mais sombrias de Pedro ocorreram durante a desastrosa Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870). Brasil, Argentina e Paraguai vinham debatendo - militar e diplomaticamente - o Uruguai por décadas, enquanto políticos e partidos no Uruguai jogavam seus vizinhos maiores uns contra os outros. Em 1864, a guerra ficou mais quente: Paraguai e Argentina entraram em guerra e agitadores uruguaios invadiram o sul do Brasil. O Brasil logo foi sugado para o conflito, que acabou colocando a Argentina, o Uruguai e o Brasil (a aliança tripla) contra o Paraguai. Pedro cometeu seu maior erro como chefe de Estado em 1867, quando o Paraguai processou pela paz e ele recusou: a guerra se arrastaria por mais três anos. O Paraguai acabou sendo derrotado, mas com um grande custo para o Brasil e seus aliados. Quanto ao Paraguai, o país ficou completamente arrasado e levou décadas para se recuperar.

Escravidão:

Pedro II desaprovava a escravidão e trabalhou duro para aboli-la. Foi um grande problema: em 1845, o Brasil abrigava cerca de 7-8 milhões de pessoas: cinco milhões eram escravas. A escravidão foi uma questão importante durante seu reinado: Pedro e os aliados mais próximos do Brasil os britânicos se opuseram (a Grã-Bretanha até perseguiu navios de escravos nos portos brasileiros) e a rica classe de proprietários de terras a apoiou. Durante a Guerra Civil Americana, o legislador brasileiro reconheceu rapidamente os Estados Confederados da América e, após a guerra, um grupo de proprietários de escravos do sul chegou a se mudar para o Brasil. Pedro, frustrado em seus esforços para proibir a escravidão, até criou um fundo para comprar liberdade para escravos e uma vez comprou a liberdade de um escravo na rua. Ainda assim, ele conseguiu se desvencilhar: em 1871 foi aprovada uma lei que tornava crianças nascidas de escravos livres. A escravidão foi finalmente abolida em 1888: Pedro, em Milão na época, estava muito feliz.

Fim do reinado e legado de Pedro:

Na década de 1880, o movimento para transformar o Brasil em democracia ganhou impulso. Todos, inclusive seus inimigos, respeitavam o próprio Pedro II: eles odiavam o Império, porém, e queriam mudanças. Após a abolição da escravidão, a nação tornou-se ainda mais polarizada. Os militares se envolveram e, em novembro de 1889, intervieram e removeram Pedro do poder. Ele sofreu o insulto de ficar confinado em seu palácio por um tempo antes de ser encorajado a se exilar: saiu em 24 de novembro. Foi para Portugal, onde morava em um apartamento e foi visitado por um fluxo constante de amigos e amigos. simpatizantes até sua morte, em 5 de dezembro de 1891: ele tinha apenas 66 anos, mas seu longo período no cargo (58 anos) o envelheceu além de seus anos.

Pedro II foi um dos melhores governantes do Brasil. Sua dedicação, honra, honestidade e moralidade mantiveram sua nação em crescimento por mais de 50 anos, enquanto outras nações da América do Sul desmoronaram e guerrearam umas com as outras. Talvez Pedro fosse um governante tão bom porque não gostava disso: dizia com frequência que preferia ser professor a imperador. Ele manteve o Brasil no caminho da modernidade, mas com consciência. Ele sacrificou muito por sua terra natal, incluindo seus sonhos pessoais e felicidade.

Quando ele foi deposto, ele simplesmente disse que se o povo do Brasil não o quisesse como imperador, ele iria embora, e foi exatamente isso que ele fez - suspeita-se que ele partiu com um pouco de alívio. Quando a nova república formada em 1889 teve dores de crescimento, o povo do Brasil logo descobriu que sentia muita falta de Pedro. Quando ele faleceu na Europa, o Brasil ficou de luto por uma semana, mesmo que não houvesse feriado oficial.

Pedro é lembrado com carinho pelos brasileiros de hoje, que lhe deram o apelido de "o magnânimo". Seus restos mortais, e os de Teresa Cristina, foram devolvidos ao Brasil em 1921 com grande alarde. O povo do Brasil, muitos dos quais ainda se lembravam dele, compareceu em massa para receber seus restos mortais em casa. Ele ocupa uma posição de honra como um dos brasileiros mais ilustres da história.

Fontes:

Adams, Jerome R. Heróis latino-americanos: libertadores e patriotas de 1500 até o presente. Nova York: Ballantine Books, 1991.

Harvey, Robert. Libertadores: a luta pela independência da América Latina Woodstock: The Overlook Press, 2000.

Arenque, Hubert. Uma história da América Latina desde o início até o presente.. Nova York: Alfred A. Knopf, 1962

Levine, Robert M. A história do Brasil. Nova York: Palgrave Macmillan, 2003.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos