Rever

Perfil do Príncipe Henrique, o Navegador

Perfil do Príncipe Henrique, o Navegador


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Portugal é um país que não tem costa ao longo do Mar Mediterrâneo, apenas o Oceano Atlântico, portanto, os avanços do país na exploração mundial séculos atrás podem não surpreender. Dito isto, foi a paixão e os objetivos de um homem que realmente fez avançar a exploração portuguesa, o conhecido como Príncipe Henrique, o Navegador (1394-1460). Formalmente, ele era Henrique, duque de Viseu, senhor da Covilhã.

Fatos rápidos: Príncipe Henrique, o Navegador

  • Conhecido por: Ele fundou um instituto para exploradores e pessoas de todo o mundo visitaram para aprender sobre as mais recentes descobertas em geografia e tecnologia de navegação.
  • Nascermos: 1394 em Porto, Portugal
  • Pais: Rei João I de Portugal, Philippa de Lancaster, da Inglaterra
  • Morreu: 1460 em Sagres, Portugal
  • Cônjuge: Nenhum
  • Crianças: Nenhum

Embora o príncipe Henrique nunca tenha navegado em nenhuma de suas expedições e raramente saísse de Portugal, ele ficou conhecido como príncipe Henrique, o Navegador, devido ao seu patrocínio de exploradores, que aumentaram as informações geográficas conhecidas no mundo através do compartilhamento de conhecimentos e enviando expedições a lugares anteriormente desconhecidos. .

Vida pregressa

O príncipe Henrique nasceu em 1394 como o terceiro filho do rei João I (rei João I) de Portugal. Aos 21 anos, em 1415, o príncipe Henry comandava uma força militar que capturou o posto avançado muçulmano de Ceuta, localizado no lado sul do Estreito de Gibraltar, na ponta norte do continente africano e na fronteira com Marrocos. Tornou-se o primeiro território ultramarino de Portugal.

Nesta expedição, o príncipe aprendeu sobre as rotas do ouro e ficou fascinado com a África.

O Instituto em Sagres

Três anos depois, o príncipe Henry fundou seu instituto de navegação em Sagres, no ponto mais a sudoeste de Portugal, o Cabo São Vicente - um lugar que os geógrafos antigos chamavam de borda ocidental da terra. O instituto, melhor descrito como uma instalação de pesquisa e desenvolvimento do século XV, incluía bibliotecas, um observatório astronômico, instalações para construção naval, uma capela e moradia para os funcionários.

O instituto foi projetado para ensinar técnicas de navegação a marinheiros portugueses, coletar e disseminar informações geográficas sobre o mundo, inventar e melhorar equipamentos de navegação e marítimos e patrocinar expedições.

A escola do príncipe Henry reuniu alguns dos principais geógrafos, cartógrafos, astrônomos e matemáticos de toda a Europa para trabalhar no instituto. Quando as pessoas retornavam das viagens, elas traziam consigo informações sobre correntes, ventos - e podiam melhorar os mapas e equipamentos marítimos existentes.

Um novo tipo de navio, chamado caravela, foi desenvolvido em Sagres. Era rápido e era muito mais manobrável do que os tipos anteriores de barcos e, embora fossem pequenos, eram bastante funcionais. Dois dos navios de Cristóvão Colombo, o Nina e o Pinta, eram caravelas (o Santa Maria era uma carraca).

Caravelas foram despachadas para o sul ao longo da costa oeste da África. Infelizmente, um grande obstáculo ao longo da rota africana foi o Cabo Bojador, a sudeste das Ilhas Canárias (localizado no Saara Ocidental). Os marinheiros europeus tinham medo da capa, pois supostamente ao sul estavam monstros e males intransponíveis. Ele também abrigou alguns mares desafiadores: ondas fortes, correntes, águas rasas e clima.

Expedições: Objetivos e Razões

Os objetivos expedicionários do príncipe Henry eram aumentar o conhecimento de navegação ao longo da costa oeste da África e encontrar uma rota aquática para a Ásia, aumentar as oportunidades de comércio para Portugal, encontrar ouro para fornecer o financiamento das viagens, espalhar o cristianismo pelo mundo e derrotar Muçulmanos - e talvez até encontrar o Prester John, um lendário rei sacerdote rico que pensava residir em algum lugar da África ou da Ásia.

O Mediterrâneo e outras rotas antigas do mar do leste eram controladas pelos turcos e venezianos otomanos, e a ruptura do Império Mongol tornou inseguras algumas rotas terrestres conhecidas. Assim surgiu a motivação para encontrar novas rotas de água rumo ao leste.

Explorando a África

O príncipe Henry enviou 15 expedições para navegar ao sul da capa de 1424 a 1434, mas cada uma retornou com seu capitão dando desculpas e desculpas por não ter passado pelo temido Cabo Bojador. Finalmente, em 1434, o príncipe Henry enviou o capitão Gil Eannes (que já havia tentado a viagem ao cabo Bojador) para o sul; desta vez, o capitão Eannes navegou para o oeste antes de alcançar a capa e depois seguiu para o leste depois de passar a capa. Assim, nenhum de seus tripulantes viu a capa terrível, e ela foi aprovada com sucesso, sem que uma catástrofe ocorresse no navio. Esta foi a primeira expedição européia a ultrapassar esse ponto e retornar com sucesso.

Após a navegação bem sucedida ao sul do Cabo Bojador, a exploração da costa africana continuou.

Em 1441, as caravelas do príncipe Henry chegaram ao cabo Blanc (a capa onde a Mauritânia e o Saara Ocidental se encontram). A expedição trouxe de volta alguns negros como exposições de interesse para mostrar o príncipe. Um deles negociou a libertação de seu filho prometendo vários escravos em seu retorno seguro para casa. E assim começou. Os 10 primeiros escravos chegaram em 1442. Depois eram 30 em 1443. Em 1444, o capitão Eannes trouxe um barco de 200 escravos de volta a Portugal.

Em 1446, os navios portugueses chegaram à foz do rio Gâmbia. Eles foram os primeiros europeus a navegar também.

Em 1460, o príncipe Henrique, o Navegador, morreu, mas o trabalho continuou em Sagres, sob a direção do sobrinho de Henrique, rei João II de Portugal. As expedições do instituto continuaram a se aventurar para o sul, depois contornaram o Cabo da Boa Esperança e navegaram para o leste e por toda a Ásia nas próximas décadas.

A era européia das descobertas e seus efeitos posteriores

O período de 100 anos, de meados do século XV a meados do século XVI, é denominado Idade Europeia da Descoberta ou Idade da Exploração, quando Portugal, Espanha, Grã-Bretanha, Holanda e França enviaram viagens a terras anteriormente desconhecidas e reivindicavam seus recursos para seu país. O trabalho mais barato para trabalhar em plantações para colheitas como açúcar, tabaco ou algodão eram escravos, trazidos por uma rota comercial triangular, uma perna brutal da qual era conhecida como passagem do meio. Os países que são ex-colônias ainda sofrem os efeitos posteriores hoje, especialmente na África, onde há infraestrutura pobre ou inconsistente em muitas áreas. Alguns dos países acabaram de ganhar sua independência no século XX.

Fontes

  • Dowling, Mike. "Príncipe Henrique, o Navegador." MrDowling.com. //www.mrdowling.com/609-henry.html.
  • "Henrique, o Navegador."Biography.com, A&E Networks Television, 16 de março de 2018, www.biography.com/people/henry-the-navigator.
  • "Henrique, o Navegador." Enciclopédia da Biografia Mundial.Encyclopedia.com. //www.encyclopedia.com/people/history/spanish-and-portuguese-history-biographies/henry-navigator.
  • "Henry, o Navegador Fatos." YourDictionary.com. //biography.yourdictionary.com/henry-the-navigator.
  • "História." Sagres.net. Allgarve, Promo Sangres e Municipia do Bispo. //www.sagres.net/history.htm.
  • Nowell, Charles E. e Felipe Fernandez-Armesto. "Henrique, o Navegador."Encyclopædia Britannica, Encyclopædia Britannica, Inc., 12 de novembro de 2018, www.britannica.com/biography/Henry-the-Navigator.
  • "O papel português na exploração e mapeamento do novo mundo." Biblioteca do Congresso. //www.loc.gov/rr/hispanic/portam/role.html.
  • "Príncipe Henrique, o Navegador." PBS. //www.pbs.org/wgbh/aia/part1/1p259.html.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos