Rever

Uma Breve Introdução à Literatura Gótica

Uma Breve Introdução à Literatura Gótica


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O termo gótico origina-se da arquitetura criada pelas tribos góticas germânicas que mais tarde foi expandida para incluir a maioria da arquitetura medieval. Ornamentado, intricado e pesado, esse estilo de arquitetura provou ser o pano de fundo ideal para as configurações físicas e psicológicas de um novo gênero literário, que se preocupava com histórias elaboradas de mistério, suspense e superstição. Embora existam vários precursores notáveis, a altura do período gótico, que estava intimamente alinhada com o romantismo, é geralmente considerada como sendo os anos de 1764 a 1840, no entanto, sua influência se estende a autores do século XX, como V.C. Andrews, Iain Banks e Anne Rice.

Trama e Exemplos

As tramas góticas envolvem tipicamente uma pessoa (ou pessoas) inocentes - geralmente uma heroína inocente, ingênua e um tanto impotente - que se envolve em um complexo e muitas vezes mau esquema paranormal. Um exemplo desse tropo é a jovem Emily St. Aubert no clássico romance gótico de Anne Radcliffe, de 1794, "Os mistérios de Udolpho", que mais tarde inspiraria uma paródia na forma da "Northanger Abbey" de Jane Austen em 1817.

A referência para a ficção gótica pura é talvez o primeiro exemplo do gênero, "O Castelo de Otranto", de Horace Walpole (1764). Embora não seja um longo conto, o escuro, seu cenário opressivo combinado com elementos de terror e medievalismo, definiu o padrão para uma forma de literatura inteiramente nova e emocionante.

Elementos chave

A maior parte da literatura gótica contém certos elementos-chave que incluem:

  • Atmosfera: A atmosfera de um romance gótico é caracterizada por mistério, suspense e medo, que geralmente são aumentados por elementos do desconhecido ou inexplicável.
  • Configuração: O cenário de um romance gótico pode, com freqüência, ser considerado um personagem por si só. Como a arquitetura gótica desempenha um papel importante, muitas das histórias são ambientadas em um castelo ou em uma mansão grande, que geralmente é abandonada ou pelo menos degradada e distante da civilização (para que ninguém possa ouvi-lo, você deve pedir ajuda) . Outras configurações podem incluir cavernas ou locais selvagens, como uma charneca ou charneca.
  • Clero: Freqüentemente, como em "O Monge" e "O Castelo de Otranto", o clero desempenha importantes papéis secundários na culinária gótica. Esses homens (geralmente) do tecido são frequentemente retratados como fracos e às vezes escandalosamente maus.
  • O paranormal: A ficção gótica quase sempre contém elementos sobrenaturais ou paranormais, como fantasmas ou vampiros. Em alguns trabalhos, essas características sobrenaturais são posteriormente explicadas em termos perfeitamente razoáveis, porém, em outros casos, permanecem completamente além do domínio da explicação racional.
  • Melodrama: Também chamado de "alta emoção", o melodrama é criado através de linguagem altamente sentimental e exemplos de emoções exageradas. O pânico, o terror e outros sentimentos que os personagens experimentam são geralmente expressos de uma maneira exagerada e exagerada para fazê-los parecer fora de controle e à mercê das influências cada vez mais malévolas que os cercam.
  • Presságios: Típico do gênero, presságios - ou presságios e visões - geralmente prenunciam os eventos que estão por vir. Eles podem assumir várias formas, como sonhos, visitas espirituais ou leituras de cartas de tarô.
  • Virgem em perigo: Com exceção de alguns romances, como "Carmilla" (1872), de Sheridan Le Fanu, a maioria dos vilões góticos são homens poderosos que atacam mulheres jovens e virgens (pense em Drácula). Essa dinâmica cria tensão e apela profundamente ao senso de pathos do leitor, principalmente porque essas heroínas geralmente tendem a ficar órfãs, abandonadas ou de alguma forma separadas do mundo, sem tutela.

Críticas modernas

Os leitores e críticos modernos começaram a pensar na literatura gótica como se referindo a qualquer história que use um cenário elaborado, combinado com forças sobrenaturais ou super-más contra um protagonista inocente. O entendimento contemporâneo é semelhante, mas ampliou-se para incluir uma variedade de gêneros, como paranormal e horror.

Bibliografia Selecionada

Além de "Os mistérios de Udolpho" e "O castelo de Otranto", há uma série de romances clássicos que os interessados ​​em literatura gótica vão querer aprender. Aqui está uma lista de 10 títulos a não perder:

  • "A história do califa Vathek" (1786) por William Thomas Beckford
  • "O Monge" (1796) por Mathew Lewis
  • "Frankenstein" (1818) de Mary Shelley
  • "Melmoth the Wanderer" (1820) por Charles Maturin
  • "Salathiel, o imortal" (1828), de George Croly
  • "O Corcunda de Notre-Dame" (1831) de Victor Hugo
  • "A queda da casa de Usher" (1839) por Edgar Allan Poe
  • "Varney, o vampiro; ou, a festa do sangue" (1847), de James Malcolm Rymer
  • "O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde" (1886) por Robert Louis Stevenson
  • "Drácula" (1897) por Bram Stoker


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos