Rever

Biografia de Victoriano Huerta, Presidente do México

Biografia de Victoriano Huerta, Presidente do México


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Victoriano Huerta (22 de dezembro de 1850 a 13 de janeiro de 1916) foi um general mexicano que serviu como presidente e ditador do México de fevereiro de 1913 a julho de 1914. Uma figura importante na Revolução Mexicana, ele lutou contra Emiliano Zapata, Pancho Villa, Félix Díaz e outros rebeldes antes e durante seu tempo no cargo.

Fatos rápidos: Victoriano Huerta

  • Conhecido por: Presidente e ditador do México, fevereiro de 1913 a julho de 1914
  • Nascermos: 22 de dezembro de 1850 no bairro de Agua Gorda, no município de Colotlán, Jalisco
  • Pais: Jesús Huerta Córdoba e María Lázara del Refugio Márquez
  • Morreu: 13 de janeiro de 1916 em El Paso, Texas
  • Educação: Colégio Militar de Chapultepec
  • Cônjuge: Emilia Águila Moya (m. 21 de novembro de 1880)
  • Crianças: Nove

Um lutador brutal e cruel, durante o seu reinado, o alcoólatra Huerta foi amplamente temido e desprezado por seus inimigos e apoiadores. Eventualmente expulso do México por uma coalizão de revolucionários, ele passou um ano e meio no exílio antes de morrer de cirrose em uma prisão do Texas.

Vida pregressa

Victoriano Huerta nasceu José Victoriano Huerta Márquez em 22 de dezembro de 1850, filho único e mais velho de cinco filhos do camponês Jesús Huerta Córdoba e sua esposa María Lázara del Refugio Márquez. Eles moravam no bairro de Agua Gorda, no município de Colotlán, Jalisco. Seus pais eram da etnia Huichol (Wixáritari) e, apesar de se dizer que Jesús Huerta era em parte de ascendência européia (mestiço), Victoriano se considerava indígena.

Victoriano Huerta foi ensinado a ler e escrever pelo padre da vila, e foi dito que ele era um bom aluno. Quando adolescente, Huerta ganhou dinheiro como contador em Colotlán. Ele queria se juntar às forças armadas e procurou admissão no Colégio Militar de Chapultepec. Em 1871, o general Donato Guerra, líder do exército mexicano da época, liderou uma guarnição de tropas em Colotlán. Precisando de ajuda de secretariado, Guerra foi apresentado a Huerta, que o impressionou bastante. Quando Guerra deixou a cidade, ele levou Huerta com ele e, aos 17 anos, Huerta entrou na academia militar em janeiro de 1872. Lá, ele teve aulas para se tornar um oficial de artilharia, especializado em matemática, artilharia de montanha, topografia e astronomia. . Ele era um excelente aluno e foi o segundo tenente em dezembro de 1875.

Início da carreira militar

Huerra viu pela primeira vez uma ação militar na academia, quando participou da Batalha de Tecoac, travada em 16 de novembro de 1876, entre o então presidente Sebastián Lerdo de Tejada e Porfirio Diaz. Como membro do exército, ele lutou pelo presidente e, portanto, estava do lado perdedor, mas a batalha levou Porforio Diaz ao poder, o homem que ele serviria pelos próximos 35 anos.

Quando se formou na academia em 1877, Huerta era um dos três homens escolhidos para continuar seus estudos na Alemanha, mas seu pai morreu e ele optou por ficar no México. Ele ingressou no ramo de engenharia do exército e recebeu designações para reparar instituições militares em Veracruz e Puebla. Em 1879, ele foi promovido a capitão e atuou como engenheiro e intendente. No final de 1880, ele foi promovido a major.

Enquanto estavam em Veracruz, Huerta conheceu Emilia Águila Moya e se casaram em 21 de novembro de 1880: acabariam tendo nove filhos. Em janeiro de 1881, Porfirio Díaz atribuiu um dever especial a Huerta na Comissão de Pesquisa Geográfica, com sede em Jalapa, Veracruz. Huerta passou a década seguinte trabalhando com essa comissão, viajando por todo o país em tarefas de engenharia. Em particular, ele foi designado para o trabalho astronômico, e um dos projetos sob sua supervisão direta foi a observação do Trânsito de Vênus em dezembro de 1882. Huerta também supervisionou o trabalho de levantamento da Ferrovia Nacional do México.

Uma força militar

Os usos tecnológicos e intelectuais de Huerta no exército assumiram uma postura mais agressiva em meados da década de 1890. Em 1895, ele foi enviado para Guerrero, onde os militares haviam se levantado contra o governador. Diaz enviou tropas, e entre elas estava Victoriano Huerta, que ganhou reputação como um oficial de campo capaz: mas também como um homem que não deu trégua, que continuou a massacrar rebeldes depois de se renderem.

Provando ser um líder eficaz de homens e um lutador cruel, ele se tornou o favorito de Porfirio Díaz. Na virada do século, ele chegou ao posto de general. Díaz encarregou-o da supressão dos levantes indianos, incluindo uma sangrenta campanha contra os maias no Iucatão, na qual Huerta arrasou aldeias e destruiu plantações. Em 1901, ele também lutou contra os Yaquis em Sonora. Huerta bebia muito e preferia conhaque: de acordo com Pancho Villa, Huerta começava a beber quando acordava e passava o dia todo.

A revolução começa

O general Huerta foi um dos líderes militares mais confiáveis ​​de Díaz quando as hostilidades eclodiram após as eleições de 1910. O candidato da oposição, Francisco I. Madero, havia sido preso e depois fugiu para o exílio, proclamando a revolução da segurança nos Estados Unidos. Líderes rebeldes como Pascual Orozco, Emiliano Zapata e Pancho Villa atenderam o chamado, capturando cidades, destruindo trens e atacando forças federais sempre e onde quer que os encontrassem. Huerta foi enviada para reforçar a cidade de Cuernavaca, sob ataque de Zapata, mas o antigo regime estava sob ataque de todos os lados, e Díaz aceitou a oferta de Madero de se exilar em maio de 1911. Huerta escoltou o velho ditador para Veracruz, onde O navio estava esperando para levar Díaz ao exílio na Europa.

Huerta e Madero

Embora Huerta estivesse amargamente desapontado com a queda de Díaz, ele se inscreveu para servir sob Madero. Por um tempo, em 1911-1912, as coisas ficaram relativamente calmas, enquanto as pessoas ao seu redor mediam o novo presidente. As coisas logo se deterioraram, no entanto, quando Zapata e Orozco descobriram que era improvável que Madero cumprisse certas promessas que havia feito. Huerta foi primeiro enviado para o sul para lidar com Zapata e depois para o norte para combater Orozco. Forçados a trabalhar juntos contra Orozco, Huerta e Pancho Villa descobriram que eles se desprezavam. Para Villa, Huerta era um bêbado e martirizado, com ilusões de grandeza, e para Huerta, Villa era um camponês analfabeto e violento que não tinha negócios em liderar um exército.

The Decena Trágica

No final de 1912, outro jogador entrou em cena: Félix Díaz, sobrinho do ditador deposto, declarou-se em Veracruz. Ele foi rapidamente derrotado e capturado, mas em segredo, ele entrou em conspiração com Huerta e o embaixador americano Henry Lane Wilson para se livrar de Madero. Em fevereiro de 1913, eclodiram combates na Cidade do México e Díaz foi libertado da prisão. Isso deu início ao Decena Trágica, ou "quinzena trágica", que viu horríveis combates nas ruas da Cidade do México, enquanto forças leais a Díaz combatiam os federais. Madero se escondeu dentro do palácio nacional e aceitou tolamente a "proteção" de Huerta, mesmo quando apresentou evidências de que Huerta o trairia.

Huerta sobe ao poder

Huerta, que estava lutando com Madero, mudou abruptamente de lado e prendeu Madero em 17 de fevereiro. Ele fez Madero e seu vice-presidente renunciarem: a Constituição Mexicana listou o Secretário de Relações Exteriores como o próximo sucessor. Aquele homem, Pedro Lasurain, tomou as rédeas, nomeou Huerta como Ministro do Interior e depois renunciou, tornando-o Secretário de Relações Exteriores de Huerta. Madero e o vice-presidente Pino Suarez foram mortos em 21 de fevereiro, supostamente enquanto "tentavam escapar". Ninguém acreditou: Huerta obviamente deu a ordem e nem se deu ao trabalho de desculpar-se.

Uma vez no poder, Huerta deserdou seus colegas conspiradores e tentou se tornar ditador no molde de seu antigo mentor, Porfirio Díaz.

Carranza, Villa, Obregón e Zapata

Embora Pascual Orozco tenha concordado rapidamente, acrescentando suas forças aos federalistas, os outros líderes revolucionários se uniram em seu ódio a Huerta. Dois outros revolucionários apareceram: Venustiano Carranza, governador do estado de Coahuila, e Alvaro Obregón, um engenheiro que se tornaria um dos melhores generais de campo da revolução. Carranza, Obregón, Villa e Zapata não concordaram muito, mas todos desprezaram Huerta. Todos eles abriram frentes para os federalistas: Zapata em Morelos, Carranza em Coahuila, Obregón em Sonora e Villa em Chihuahua. Embora não trabalhassem juntos no sentido de ataques coordenados, ainda estavam fracamente unidos no desejo sincero de que qualquer pessoa, exceto Huerta, governasse o México. Até os Estados Unidos entraram em ação: sentindo que Huerta era instável, o presidente Woodrow Wilson enviou forças para ocupar o importante porto de Veracruz.

A Batalha de Zacatecas

Em junho de 1914, Pancho Villa moveu sua enorme força de 20.000 soldados para atacar a cidade estratégica de Zacatecas. Os federais cavaram duas colinas com vista para a cidade. Em um dia de intensos combates, Villa capturou as duas colinas e as forças federais foram forçadas a fugir. O que eles não sabiam era que Villa havia estacionado parte de seu exército ao longo da rota de fuga. Os federais em fuga foram massacrados. Quando a fumaça desapareceu, Pancho Villa marcou a vitória militar mais impressionante de sua carreira e 6.000 soldados federais estavam mortos.

Exílio e Morte

Huerta sabia que seus dias estavam contados após a derrota esmagadora em Zacatecas. Quando a notícia da batalha se espalhou, as tropas federais desertaram em massa para os rebeldes. Em 15 de julho, Huerta renunciou e partiu para o exílio, deixando Francisco Carbajal no comando até Carranza e Villa decidirem como proceder com o governo do México. Huerta se mudou enquanto estava no exílio, morando na Espanha, Inglaterra e Estados Unidos. Ele nunca perdeu a esperança de voltar ao poder no México, e quando Carranza, Villa, Obregón e Zapata voltaram sua atenção um para o outro, ele pensou ter visto sua chance.

Reunido com Orozco no Novo México em meados de 1915, ele começou a planejar seu retorno triunfante ao poder. Eles foram pegos por agentes federais dos EUA, no entanto, e nunca cruzaram a fronteira. Orozco escapou apenas para ser caçado e morto por guardas florestais do Texas. Huerta foi presa por incitar a rebelião. Ele morreu na prisão em El Paso, Texas, em 13 de janeiro de 1916, por cirrose, embora houvesse rumores de que os americanos o envenenaram.

Legado de Victoriano Huerta

Há pouco a dizer que é positivo sobre Huerta. Mesmo antes da revolução, ele era uma figura amplamente desprezada por sua implacável repressão às populações nativas em todo o México. Ele sempre assumiu o lado errado, defendendo o corrupto regime de Porfirio Díaz antes de conspirar para derrubar Madero, um dos poucos verdadeiros visionários da revolução. Ele era um comandante capaz, como provam suas vitórias militares, mas seus homens não gostavam dele e seus inimigos absolutamente o desprezavam.

Ele conseguiu uma coisa que ninguém mais fez: ele fez Zapata, Villa, Obregón e Carranza trabalharem juntos. Esses comandantes rebeldes só concordaram em uma coisa: Huerta não deveria ser presidente. Depois que ele se foi, eles começaram a brigar entre si, levando aos piores anos da brutal revolução.

Ainda hoje, Huerta é odiada pelos mexicanos. O derramamento de sangue da revolução foi amplamente esquecido e os diferentes comandantes assumiram status lendário, muitos dos quais não merecidos: Zapata é o purista ideológico, Villa é o bandido Robin Hood, Carranza uma chance quixotesca de paz. Huerta, no entanto, ainda é considerado (com precisão) um sociopata violento e bêbado que desnecessariamente prolongou o período da revolução por sua própria ambição e é responsável pela morte de milhares.

Fontes

  • Coerver, Don M. "Huerto, Victoriano (1845-1916)." México: uma enciclopédia da cultura e da história contemporâneas. Eds. Coerver, Don M., Suzanne B. Pasztor e Robert Buffington. Santa Barbara, Califórnia: ABC Clio, 2004. 220-22. Impressão.
  • Henderson, Peter V.N. "Woodrow Wilson, Victoriano Huerta e a questão do reconhecimento no México". The Americas 41.2 (1984): 151-76. Impressão.
  • Marley, David F. "Huerta Marquez, José Victoriano (1850-1916)." México em guerra: da luta pela independência até a guerra às drogas do século XXI. Santa Bárbara: ABC-Clio, 2014. 174-176.
  • McLynn, Frank. "Villa e Zapata: uma história da revolução mexicana". Nova York: Basic Books, 2002.
  • Meyer, Michael C. "Huerta: Um retrato político". Lincoln: University of Nebraska Press 1972.
  • Rausch, George J. "O início da carreira de Victoriano Huerta". As Americas 21,2 (1964): 136-45. Impressão…
  • Richmond, Douglas W. "Victoriano Huerta" em Enciclopédia do México. Chicago: Fitzroy Dearborn, 1997. 655-658.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos