Interessante

Indulgências e seu papel na reforma

Indulgências e seu papel na reforma


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Uma 'indulgência' fazia parte da igreja cristã medieval, e um gatilho significativo para a Reforma Protestante. Basicamente, comprando uma indulgência, um indivíduo poderia reduzir a duração e a severidade da punição que o céu exigiria como pagamento por seus pecados, ou assim a igreja alegou. Compre uma indulgência para um ente querido, e eles irão para o céu e não queimarão no inferno. Compre uma indulgência para si mesmo e não precisa se preocupar com o assunto traquina que estava tendo.

Se isso soa como dinheiro ou boas ações por menos dor, é exatamente isso que aconteceu. Para muitas pessoas santas como o frade alemão Martin Luther (1483-1546), isso foi contra os ensinamentos do fundador Jesus (4 AEC-33 EC), contra a idéia da igreja e contra o ponto de buscar perdão e redenção. Na época em que Lutero agiu contra as indulgências, ele não estava sozinho em busca de mudanças. Dentro de alguns anos, o cristianismo europeu se separou durante a revolução da "Reforma".

O Desenvolvimento das Indulgências

A igreja cristã ocidental medieval - a Igreja Ortodoxa Oriental seguiu um caminho diferente - incluía dois conceitos-chave que permitiam a ocorrência de indulgências. Em primeiro lugar, os paroquianos sabiam que, depois da morte, seriam punidos pelos pecados que acumularam na vida, e esse castigo foi apenas parcialmente apagado por boas obras (como peregrinação, orações ou doações para caridade), perdão divino e absolvição. Quanto mais um indivíduo pecou, ​​maior a punição os esperava.

Em segundo lugar, na era medieval, o conceito de purgatório havia sido desenvolvido. Em vez de ser condenada ao inferno após a morte, uma pessoa iria para o purgatório, onde sofreria qualquer punição necessária para lavar a mancha de seus pecados até serem libertados. Esse sistema convidou a criação de um método pelo qual os pecadores pudessem reduzir seus castigos, e quando a idéia de purgatório surgiu, o papa deu aos bispos o poder de reduzir a penitência dos pecadores enquanto eles ainda estavam vivos, com base no desempenho de boas ações. Isso provou ser uma ferramenta altamente útil para motivar uma visão de mundo onde a igreja, Deus e o pecado eram centrais.

O sistema de indulgência foi formalizado pelo Papa Urbano II (1035-1099) durante o Concílio de Clemente, em 1095. Se um indivíduo realizou boas ações suficientes para obter uma indulgência completa ou 'plenária' do Papa ou de fileiras menores de clérigos, todos os seus pecados (e punição) seriam apagados. Indulgências parciais cobririam uma quantidade menor, e desenvolveram-se sistemas complexos nos quais a igreja alegava que poderia calcular até o dia quanto pecado uma pessoa havia cancelado. Com o tempo, grande parte do trabalho da igreja foi feito dessa maneira: durante as Cruzadas (instigadas pelo Papa Urbano II), muitas pessoas participaram dessa premissa, acreditando que poderiam ir e lutar (frequentemente) no exterior em troca de seus pecados serem cancelados.

Por que eles deram errado

Esse sistema de redução do pecado e do castigo funcionou bem para realizar o trabalho da igreja, mas depois foi, aos olhos de muitos reformadores, terrivelmente errado. As pessoas que não foram ou não puderam participar das cruzadas começaram a se perguntar se alguma outra prática lhes permitiria obter a indulgência. Talvez algo financeiro?

Assim, a indulgência passou a ser associada às pessoas que as "compravam", seja oferecendo doações de obras de caridade, seja construindo prédios para louvar a igreja e todas as outras maneiras pelas quais o dinheiro poderia ser usado. Essa prática começou no século XIII e teve tanto sucesso que em breve o governo e a igreja poderiam receber uma porcentagem dos fundos para seus próprios usos. As reclamações sobre a venda de perdão se espalharam. Uma pessoa rica pode até comprar indulgências para seus antepassados, parentes e amigos que já estavam mortos.

A Divisão do Cristianismo

O dinheiro havia infestado o sistema de indulgência e, quando Martin Luther escreveu suas 95 teses em 1517, ele o atacou. Quando a igreja o atacou de volta, ele desenvolveu seus pontos de vista, e as indulgências estavam diretamente à sua vista. Por que, ele se perguntava, a igreja precisava acumular dinheiro quando o papa podia realmente libertar todo mundo do purgatório sozinho?

A igreja fragmentou-se sob o estresse, com muitas novas seitas jogando fora completamente o sistema de indulgência. Em resposta e, embora não tenha cancelado os fundamentos, o papado proibiu a venda de indulgências em 1567 (mas elas ainda existiam no sistema). As indulgências foram o gatilho de séculos de raiva e confusão contidas contra a igreja e permitiram que ela fosse quebrada em pedaços.

Fontes e leituras adicionais

  • Bandler, Gerhard. "Martin Luther: Teologia e Revolução." Trans., Foster Jr., Claude R. Nova York: Oxford University Press, 1991.
  • Mandão, John. "Cristianismo no Ocidente 1400-1700". Oxford Reino Unido: Oxford University Press, 1985.
  • Gregory, Brad S. "Salvação em jogo: martírio cristão no início da Europa moderna". Cambridge MA: Harvard University Press, 2009.
  • Marius, Richard. "Martin Luther: o cristão entre Deus e a morte." Cambridge MA: Harvard University Press, 1999.
  • Roper, Lyndal. "Martin Luther: Renegado e Profeta". Nova York: Random House, 2016.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos