Interessante

Diego Rivera: renomado artista que cortejou controvérsias

Diego Rivera: renomado artista que cortejou controvérsias

Diego Rivera era um talentoso pintor mexicano associado ao movimento muralista. Comunista, ele era frequentemente criticado por criar pinturas controversas. Juntamente com Jose Clemente Orozco e David Alfaro Siquieros, ele é considerado um dos "três grandes" mais importantes muralistas mexicanos. Hoje ele é lembrado tanto por seu casamento volátil com a colega artista Frida Kahlo quanto por sua arte.

Primeiros anos

Diego Rivera nasceu em 1886 em Guanajuato, México. Artista naturalmente talentoso, ele começou seu treinamento formal em arte ainda jovem, mas foi somente na Europa, em 1907, que seu talento realmente começou a florescer.

Europa, 1907-1921

Durante sua estada na Europa, Rivera foi exposto a arte de vanguarda de ponta. Em Paris, ele ocupava a primeira fila do desenvolvimento do movimento cubista e, em 1914, conheceu Pablo Picasso, que expressou admiração pelo trabalho do jovem mexicano. Ele deixou Paris quando a Primeira Guerra Mundial estourou e foi para a Espanha, onde ajudou a introduzir o cubismo em Madri. Ele viajou pela Europa até 1921, visitando muitas regiões, incluindo o sul da França e Itália, e foi influenciado pelos trabalhos de Cezanne e Renoir.

Pintura mural na Alameda, cidade do México por Diego Rivera. Frédéric Soltan / Getty Images

Retorno ao México

Quando ele voltou para casa no México, Rivera logo encontrou trabalho para o novo governo revolucionário. O secretário de Educação Pública, José Vasconcelos, acreditava na educação através da arte pública e encomendou vários murais em prédios do governo por Rivera, além dos colegas pintores Siquieros e Orozco. A beleza e a profundidade artística das pinturas conquistaram Rivera e seus colegas muralistas de renome internacional.

Trabalho Internacional

A fama de Rivera lhe rendeu comissões para pintar em outros países além do México. Ele viajou para a União Soviética em 1927, como parte de uma delegação de comunistas mexicanos. Ele pintou murais na California School of Fine Arts, no American Stock Exchange Luncheon Club e no Detroit Institute of the Arts, e outro foi encomendado pelo Rockefeller Center, em Nova York. No entanto, isso nunca foi concluído devido a uma controvérsia sobre a inclusão de Rivera da imagem de Vladimir Lenin no trabalho. Embora sua permanência nos Estados Unidos tenha sido curta, ele é considerado uma grande influência na arte americana.

Diego Rivera mural de Nova York no MOMA. © MOMA

Ativismo político

Rivera voltou ao México, onde retomou a vida de um artista politicamente ativo. Ele foi fundamental na deserção de Leon Trotsky da União Soviética para o México; Trotsky até morou com Rivera e Kahlo por um tempo. Ele continuou a cortejar controvérsia; um de seus murais, no Hotel del Prado, continha a frase "Deus não existe" e ficou oculto por anos. Outro, este no Palácio de Belas Artes, foi removido porque incluía imagens de Stalin e Mao Tse-tung.

Casamento com Kahlo

A artista mexicana Frida Kahlo acaricia um macaco, possivelmente Fulang-Chang, agarrado à jaqueta de seu marido, o artista mexicano Diego Rivera. (por volta de 1945). Foto por Wallace Marly / Getty Images

Rivera conheceu Kahlo, um estudante de arte promissor, em 1928; eles se casaram no ano seguinte. A mistura do Kahlo de fogo e o dramático Rivera provaria ser volátil. Cada um deles teve numerosos casos extraconjugais e brigou com frequência. Rivera até teve um caso com a irmã de Kahlo, Cristina. Rivera e Kahlo se divorciaram em 1940, mas se casaram no final do mesmo ano.

Anos Finais

Embora o relacionamento deles tenha sido tempestuoso, Rivera foi devastado pela morte de Kahlo em 1954. Ele nunca se recuperou, ficando doente pouco tempo depois. Embora fraco, ele continuou a pintar e até se casou novamente. Ele morreu de insuficiência cardíaca em 1957.

Murais de Diego Rivera. Imagens de Richard I'Anson / Getty

Legado

Rivera é considerado o maior dos muralistas mexicanos, uma forma de arte imitada em todo o mundo. Sua influência nos Estados Unidos é significativa: suas pinturas na década de 1930 influenciaram diretamente os programas de trabalho do presidente Franklin D. Roosevelt, e centenas de artistas americanos começaram a criar arte pública com consciência. Seus trabalhos menores são extremamente valiosos e muitos estão em exibição em museus ao redor do mundo.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos