Novo

No. 87 Squadron (RAF): Segunda Guerra Mundial

No. 87 Squadron (RAF): Segunda Guerra Mundial


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

No. 87 Squadron (RAF) durante a Segunda Guerra Mundial

Aeronave - Locais - Grupo e dever - Livros

O Esquadrão No.87 passou a Segunda Guerra Mundial como um esquadrão de caças, primeiro com o BEF na França, depois com o Comando de Caça, até o final de 1942 se mudando para o Mediterrâneo, participando das campanhas no Norte da África e Itália e sobre o Balcãs.

O Esquadrão No.87 foi reformado em março de 1937 como um esquadrão de caças, equipado com o Fury e depois com o Gladiator, antes de receber o Hawker Hurricane em julho de 1938.

Em setembro de 1939, o Esquadrão No.87 tornou-se parte do Componente Aéreo do BEF e mudou-se para a França. No dia em que a invasão alemã do oeste começou, o esquadrão mudou-se para Lille, mas depois de dez dias foi forçado a voltar para Merville, e quatro dias depois cruzou o Canal para Debden, e então para o norte para Yorkshire, onde recebeu novos aviões.

Em julho, o esquadrão mudou-se para Exeter, de onde lutou no flanco ocidental da Batalha da Grã-Bretanha, eventualmente se especializando em combates noturnos, embora sem muito sucesso (o mesmo foi verdade para todos os esquadrões de caça monomotor envolvidos na noite batalha nesta fase - na falta de radar, era realmente apenas sorte que poderia trazer o sucesso). Na primavera de 1941, caças noturnos mais adequados estavam disponíveis e, em março, o esquadrão começou a voar em missões de intrusão sobre a França ocupada ("debruçado sobre o Canal"). Essa nova função durou até o final de 1942.

Em novembro de 1942, o esquadrão mudou-se para Gibraltar para participar da Operação Tocha. No mês seguinte, após os desembarques Aliados, o esquadrão mudou-se para o Norte da África, onde permaneceu durante a campanha da Tunísia (os Spitfires substituíram os Furacões durante 1943). Em setembro de 1943, o esquadrão mudou-se para a Sicília, de onde operou sobre a Itália, às vezes operando destacamentos de bases no continente.

Em janeiro de 1944, o esquadrão começou a tomar parte em ataques ofensivos pelos Bálcãs a partir de suas bases italianas destacadas e, em junho, mudou-se para Foggia. Em agosto, o esquadrão iniciou as operações de caça-bombardeiro, apoiando os combates na Itália. Ele continuou neste papel até o final da guerra. O esquadrão foi baseado em Treviso durante a maior parte do ano seguinte, antes de ser dissolvido em 30 de dezembro de 1946.

Aeronave
Julho de 1938 a junho de 1941: Hawker Hurricane I
Junho de 1941 a janeiro de 1944: Furacão Hawker IIC
Abril de 1943 a agosto de 1944: Supermarine Spitfire VB e VC
Junho de 1943 a dezembro de 1946: Supermarine Spitfire IX
Janeiro a agosto de 1944: Supermarine Spitfire VIII

Localização
Junho de 1937 a setembro de 1939: Debden
Setembro de 1939: Rouen / Boos
Setembro-novembro de 1939: Merville
Novembro de 1939 a abril de 1940: Lille / Seclin
Abril de 1940: Le Touquet
Abril a maio de 1940: Amiens / Glisy
Maio de 1940: Senon
Maio de 1940: Lille / Marcq
Maio de 1940: Merville
Maio de 1940: Debden
Maio a julho de 1940: Igreja Fenton
Julho-novembro de 1940: Exeter
Novembro a dezembro de 1940: Colerne
Dezembro de 1940 a agosto de 1941: Charmy Down
Agosto de 1941 a janeiro de 1942: Colerne
Janeiro a novembro de 1942: Charmy Down

Dezembro de 1942: Philippeville
Dezembro de 1942 a fevereiro de 1943: Djidjelli
Fevereiro-abril de 1943: Setif e Taher
Abril a maio de 1943: Taher
Maio a julho de 1943: Bone / Tingley
Julho de 1943: Monastir
Julho-agosto de 1943: Tingley
Agosto-setembro de 1943: La Sebala I
Setembro a outubro de 1943: Palermo
Outubro a dezembro de 1943: Borizzo
Dezembro de 1943 a abril de 1944: Palermo
Abril a junho de 1944: Catania
Junho a julho de 1944: Foggia
Julho a agosto de 1944: Perugia
Agosto-setembro de 1944: Loreto
Setembro de 1944: Fano
Setembro a outubro de 1944: Borghetto
Outubro a novembro de 1944: Fano
Novembro de 1944 a janeiro de 1945: Perestola
Janeiro de 1945 a abril de 1945: Pontedera
Abril a maio de 1945: Bolonha
Maio de 1945: Verona / Villafranca
Maio a agosto de 1945: Campoformido
Agosto de 1945 a setembro de 1946: Treviso
Zeltweg de setembro a dezembro de 1946
Dezembro de 1946: Tissano

Códigos de esquadrão: LK

Dever
1939 a maio de 1940: BEF, França
1940-1942: Comando de Caça
1942-1943: Norte da África
1943-1945: Itália

Livros

Favoritar esta página: Delicioso Facebook StumbleUpon


O 2TAF foi formado em 1 de junho de 1943 como QG da Força Aérea Tática do Comando de Cooperação do Exército, em conexão com os preparativos então em treinamento para invadir a Europa um ano depois. Foram necessárias unidades do Comando de Caça e do Comando de Bombardeiros para formar uma força capaz de apoiar o Exército no campo. O Comando de Bombardeiros forneceu ao Grupo No. 2 bombardeiros leves O Comando de Caça foi dividido em Defesa Aérea da Grã-Bretanha, mantendo unidades de caça para defesa doméstica, e os Grupos No. 83 e 84 Operando aeronaves, e o Grupo No. 85 controlando o solo. unidades baseadas, para a Segunda Força Aérea Tática. Além disso, o No. 38 Group para reboque de planadores de assalto e o No. 140 Squadron, que fornecia reconhecimento de fotos estratégicas, também faziam parte da força aérea tática em seu início. [3]

O primeiro comandante do 2TAF foi o Marechal da Aeronáutica Sir John d'Albiac, que, em 21 de janeiro de 1944, foi sucedido pelo homem mais associado ao Segundo TAF, o Marechal da Aeronáutica Sir Arthur Coningham. Coningham tinha grande experiência no tipo de operações necessárias para apoiar a guerra terrestre de movimento rápido devido ao seu comando na Força Aérea do Deserto no Norte da África e na Itália. Ele transformou o Segundo TAF em um comando à altura dos desafios apresentados a ele e incorporou muitas das lições da Itália, incluindo o uso do sistema de "classificação de cabine" para aeronaves de apoio aéreo aproximado, na doutrina do Segundo TAF.

Nesse estágio final da guerra, a Luftwaffe era apenas uma pálida sombra da organização que havia sido. Principalmente o Second TAF passou seu tempo apoiando as forças britânicas e canadenses no flanco esquerdo do comando da Força Expedicionária Aliada do Quartel-General Supremo. Uma exceção notável foi o último grande ataque da Luftwaffe, a Operação Bodenplatte, montado no dia de Ano Novo de 1945, quando o Segundo TAF sofreu graves perdas no solo.

Em 20 de janeiro de 1945, quatro jatos Gloster Meteors do esquadrão 616 foram transferidos para Melsbroek na Bélgica e anexados à Segunda Força Aérea Tática.

Em fevereiro de 1945, o No. 87 Grupo RAF foi estabelecido, uma formação de transporte. Tornou-se parte do 2º TAF / BAFO, mas foi reduzido para No. 87 Wing RAF em 15 de julho de 1946. [5]

A Segunda TAF foi renomeada como Força Aérea Britânica de Ocupação em 15 de julho de 1945. Começou como uma grande força de quatro grupos (2, 83, 84, 85 Grupos), mas o Grupo No. 2 se desfez em 1 de maio de 1947.

No final de 1947, as forças haviam encolhido para dez esquadrões em três campos de aviação, todos diretamente sob o controle do Quartel-General da Aeronáutica em Bad Eilsen. [6] Em 1951, as Forças Aéreas Britânicas de Ocupação reverteram ao seu antigo nome com a recriação da Segunda Força Aérea Tática em 1 de setembro de 1951.

O Grupo No. 2 foi transferido novamente para a Segunda Força Aérea Tática em 1 de setembro de 1951, mas foi dissolvido em 15 de novembro de 1958. O Grupo No. 83 RAF controlou a área sul do 2TAF de 1952 a 1958. Em 1 de julho de 1956, o Grupo No. 2 apareceu para englobam as asas em Ahlhorn (No. 125 Wing RAF), RAF Fassberg (No. 121 Wing RAF), Gutersloh (No. 551 Wing RAF, sob o controle do Comando de Bombardeiro), Jever (No. 122 Wing RAF), Laarbruch (No . 34 Wing RAF), RAF Oldenburg (No. 124 Wing RAF) e RAF Wunstorf (No. 123 Wing RAF), enquanto o No. 83 Group dirigiu asas em RAF Bruggen, Celle, RAF Geilenkichen, RAF Wahn e RAF Wildenrath. [7]

A Segunda Força Aérea Tática foi redesignada Royal Air Force Germany em 1 de janeiro de 1959, momento em que C.-in-C. RAF Alemanha tornou-se comandante da Segunda Força Aérea Tática Aliada da OTAN (2 ATAF).


Facebook

Olá mais uma vez - olhe, está ensolarado de novo, veja bem, a previsão é de chuva para amanhã e sexta-feira!

Aqui está um ás do lutador com muitos prêmios por bravura, John Braham DFC e Two Bars, DSO e Two Bars, AFC, CD

John Randall Daniel & quotBob & quot Braham, DSO & amp Two Bars, DFC & amp Two Bars, AFC, CD (6 de abril de 1920 - 7 de fevereiro de 1974) foi piloto de caça noturno da Força Aérea Real (RAF) e ás do caça durante a Segunda Guerra Mundial.

Braham nasceu em abril de 1920. Ao deixar a escola ainda adolescente, ele trabalhou para a polícia local como escriturário. Entediado com a vida civil, Braham ingressou na RAF em uma comissão de serviço de curta duração de cinco anos em dezembro de 1937. Ele começou o treinamento básico em março de 1938 e o treinamento avançado de agosto a dezembro. Após a conclusão do treinamento de vôo, ele foi destacado para o No. 29 Squadron RAF baseado em RAF Debden, onde aprendeu a pilotar o Hawker Hurricane e o Bristol Blenheim. Em 1939, o esquadrão começou a se organizar como uma unidade de caça noturna especializada.

Em agosto de 1940, a Batalha da Grã-Bretanha estava em andamento. Ele obteve sua primeira vitória em 24 de agosto, que permaneceu seu único sucesso na batalha. Em setembro de 1940, o No. 29 Squadron foi reequipado com o Bristol Beaufighter. Braham continuou as operações durante a & quotThe Blitz & quot, alegando a destruição de mais duas aeronaves inimigas. No final de 1940, ele foi premiado com a Distinguished Flying Cross (DFC).

Braham continuou a operar como um piloto anti-intruso depois que a Blitz terminou em maio de 1941. Ele se tornou um ás em setembro de 1941, tendo alcançado cinco vitórias, e foi premiado com uma barra para seu DFC em novembro de 1941. Em junho de 1942 ele foi promovido a líder do esquadrão. Em outubro de 1942, Braham reivindicou a destruição de 12 aeronaves inimigas e foi premiado com a Ordem de Serviço Distinto (DSO). Braham também voou missões com o Comando Costeiro da RAF durante este tempo e reivindicou um U-boat danificado e um E-boat destruído. Ele foi então promovido a comandante de ala e recebeu o comando do Esquadrão Nº 141 da RAF. Braham empreendeu mais missões de intrusão na Europa ocupada pelos alemães neste ponto e recebeu uma segunda barra para seu DFC em junho de 1943 e em setembro de 1943 ganhou mais sete vitórias, incluindo três, possivelmente quatro, craques noturnos alemães. Consequentemente, ele foi premiado com uma barra para seu DSO.

O esquadrão logo se converteu no De Havilland Mosquito e, em fevereiro de 1944, Braham foi transferido para a equipe de operações do No. 2 Grupo RAF, mas foi autorizado a voar uma operação por semana. Ele alcançou nove vitórias no Mosquito e em junho de 1944 foi premiado com uma segunda barra para seu DSO. A guerra de Braham terminou em 24 de junho de 1944, quando ele foi abatido por dois caças monomotores Focke-Wulf Fw 190 da Alemanha. Braham foi capturado e passou o resto da guerra como prisioneiro. Ele foi libertado em maio de 1945.

Braham foi o aviador mais condecorado do Comando de Caça da RAF. Ele alegou a destruição de 29 aeronaves inimigas. Além disso, ele reivindicou mais seis vitórias danificadas e quatro prováveis. Uma dessas prováveis ​​vitórias pode ser confirmada por meio dos registros alemães, perfazendo um total não oficial de 30 aeronaves inimigas destruídas. Dezenove foram alcançados à noite. Ele foi o piloto britânico de maior sucesso em aeronaves bimotoras. As 19 vitórias conquistadas à noite rivalizaram com a contagem de John & quotCats Eyes & quot Cunningham & # 039s e foram superadas apenas pelo piloto de caça noturno Branse Burbridge.

Após a guerra, ele recebeu uma proposta permanente, que ele inicialmente aceitou. Tendo renunciado à sua comissão em março de 1946, ele se realistou brevemente. Depois de lutar para encontrar uma carreira que sustentasse sua família, Braham emigrou para o Canadá com sua família e se alistou na Força Aérea Real Canadense (RCAF) em 1952. Tendo exercido cargos no Quartel-General Supremo dos Poderes Aliados da Europa, Braham se aposentou da vida militar e começou a trabalhar como civil para o Departamento de Assuntos Indígenas e Desenvolvimento do Norte. Ele continuou a trabalhar lá até sua morte de um tumor cerebral não diagnosticado em 1974, aos 53 anos.

Tenha um ótimo dia,
Cumprimentos,
Peter

John Braham teve o equivalente a 3 x DFCs e
3 X DSO's - um ás do lutador fantástico, o mais condecorado no Fighter Command - máximo respeito!

Fenlandaviationmuseum

Olá a todos, espero que todos estejam bem.

Hoje temos a história de um aviador que se tornou um oficial de alta patente!

O Vice-Marechal da Aeronáutica David Francis William Atcherley, CB, CBE, DSO, DFC era um oficial sênior da Força Aérea Real.

David Atcherley e seu irmão gêmeo idêntico, Richard, se tornaram uma lenda na RAF. Seu pai era um oficial do Exército, que começou a balonismo antes da Primeira Guerra Mundial e acabaria ascendendo ao posto de Major-General. Rejeitado para o serviço da RAF por motivos médicos, ele entrou no Sandhurst. Seu desejo de voar foi realizado depois de alguns anos no Exército, quando foi aceito para destacamento na RAF. Provando ser um piloto tão excelente quanto seu irmão, ele conseguiu que seu destacamento fosse convertido em uma transferência permanente. Enquanto estava na Escola de Voo Central, Wittering, ele e um outro piloto foram escalados para levar dois aviadores a Halton para participar de um torneio de tênis. Para o vôo de volta, David fez uma sugestão típica de Atcherley, de que eles vissem quem poderia realizar as rolagens mais lentas entre Halton e Wittering.
Tendo completado mais de 100 na jornada de 65 milhas, ele venceu confortavelmente, mas ao chegar de volta a Wittering, sua aeronave estava coberta por uma película de óleo lançada pelos giros de seu vôo. O comandante do vôo deles, Basil Embry, então lhes disse que o AOC faria uma inspeção no dia seguinte e que era melhor que suas aeronaves estivessem limpas até então. Eles próprios decidiram fazer o trabalho e limparam suas aeronaves com elegância e, no dia seguinte, exibiram as duas aeronaves mais limpas.

Uma das unidades baseadas em Castletown na época era o Esquadrão Nº 801 FAA e quando eles foram designados para realizar os treinos de pouso no convés, ele decidiu apresentar seus respeitos ao capitão do porta-aviões. Aterrando sem ser anunciado, ele fez um pouso bem-sucedido, mas imediatamente desapareceu em um turno de elevador aberto, destruindo sua aeronave, mas dando a ele uma fotografia para usar em seus cartões de Natal naquele ano. Foi em Wittering, enquanto comandava o 25º Esquadrão, que sua carreira quase terminou. Enquanto decolava, ele confundiu uma luz de obstrução com uma luz de caminho de flare e, como resultado, ele colidiu com uma árvore logo após a decolagem, quebrando sua coluna. No entanto, isso não o impediu de voar, embora exigisse seis tripulantes de solo para colocá-lo dentro e fora da aeronave. Durante uma conferência no Ministério da Aeronáutica, a questão dos caças noturnos foi levantada e quando questionado sobre que tipo de aeronave seria um bom caça noturno, ele sugeriu o Messerschmitt 110 que teve um efeito edificante sobre os outros, um pouco diferente do efeito de um observação semelhante teve sobre Goering quando Adolf Galland solicitou um & # 039Squadron of Spitfires & # 039 durante a Batalha da Grã-Bretanha.

Ele se viu trabalhando ao lado de Basil Embry mais uma vez quando, em 1943, voltou à Grã-Bretanha tornando-se o oficial sênior do Estado-Maior da Aeronáutica de Embry no 2 Group. Embry frequentemente voava em operações como & # 039Wg Cdr Smith & # 039 e não era incomum ver David Atcherley sentado ao lado dele em um desses & # 039jollies & # 039, uma vez que ele até voou com o braço em um gesso, depois de quebrá-lo no noite anterior durante uma festa bagunçada.

Nomeado AOC do Grupo nº 205 no Egito, em seis meses ele se tornou o centro de um misterioso desaparecimento (junho de 1952) enquanto voava em um Meteor FR10 de Fayid, no Egito, com destino a Chipre. Sua aeronave nunca chegou a Chipre, nenhuma mensagem de rádio foi recebida dele e nenhum sinal dele ou de sua aeronave foi encontrado, apesar de uma extensa busca sendo realizada por aeronaves da RAF, israelenses, turcas e da USAF.

Menção para a atribuição da Distinta Cruz Voadora.

& quotComandante da asa David Francis William ATCHERLEY (05168), Esquadrão No.25.

Este oficial realizou uma grande quantidade de voos operacionais durante a noite, às vezes em condições climáticas adversas. A eficiência de seu esquadrão e o sucesso que teve se devem ao impulso, energia e liderança do Wing Commander Atcherley & # 039s. Ele destruiu três aeronaves inimigas durante a noite. & Quot

Cuide-se e aproveite o fim de semana,
Cumprimentos,
Peter

Fenlandaviationmuseum

Bom dia, a chuva é bem-vinda pelos jardineiros depois de todo o sol que tivemos recentemente.

Aqui temos Henry Collingham Baker.

Henry Collingham Baker nasceu em 19 de maio de 1920 em Clowne, Derbyshire e foi aluno no Kings College, Taunton. Como candidato a uma comissão de serviço curto, Baker começou seu treinamento de voo no 9 E & ampRFTS Ansty em 25 de julho de 1938. Após um curso de iniciação no No. 1 RAF Depot Uxbridge, ele foi para o 9 FTS Hullavington em setembro.

Com o treinamento concluído, ele foi destacado para a Escola de Eletricidade e Sem Fio nº 1, Cranwell, em maio de 1939, como piloto da equipe. Depois de uma passagem pelo 616 Squadron em Doncaster em 19 de setembro, Baker foi para o 12 Group Pool Aston Down em 17 de outubro e depois de se converter para Spitfires juntou-se ao 19 Squadron em Duxford em 15 de dezembro.

Em Dunquerque, em 1º de junho de 1940, ele abateu um Me110 e danificou outro. Depois de se envolver em um acidente de carro, Baker passou dois meses no hospital. Em forma novamente, ele foi destacado para o Esquadrão 41 no final de agosto de 1940 e voou sua primeira surtida operacional com o esquadrão em 14 de setembro.

No dia 15 ele compartilhou a destruição de um He111 e danificou outro e no dia 30 ele reivindicou um Me109.

Em 8 de outubro de 1940, Baker juntou-se ao recém-formado 421 Flight at Hawkinge. Em 1 de novembro ele abateu um Me109 e danificou outro, no dia 24 ele destruiu outro Me109 e danificou outro e alguns dias depois Baker compartilhou um Me109 e danificou outro. No final de 1940, ele foi emprestado ao Esquadrão 306 (polonês) em Ternhill, que só recentemente se tornou operacional.

Em 11 de janeiro de 1941, o 421 Flight foi renumerado para o 91 Squadron. Baker foi destacado e se juntou ao 74 Squadron em Biggin Hill no dia 23. Em uma operação & # 039Rhubarb & # 039 em 26 de maio, ele abateu um Me109.

Com sua turnê concluída no final de julho de 1941, Baker passou os seis meses seguintes instruindo no 51 OTU Debden e mais tarde no 52 OTU Aston Down.

Após um período no hospital, seguido por uma convalescença em Torquay, Baker foi destacado para um esquadrão de caças no Deserto Ocidental em maio de 1942.

Promovido a líder do esquadrão interino, Baker assumiu o comando do esquadrão 229 em Ta Kali, Malta, em setembro. Em 12 e 13 de outubro ele danificou o Me109 e o # 039s.

Em dezembro de 1942, Baker voltou ao Reino Unido e em janeiro de 1943 foi para o QG da RAF na Irlanda do Norte como OC Tactics and Training. Em abril, ele se tornou um instrutor na 55 OTU Annan, Escócia, mas em maio foi a Gibraltar para participar do transporte de 300 furacões para o Cairo. Novos pilotos os levaram para Teerã, onde foram apanhados por pilotos russos.

De volta à Grã-Bretanha em julho de 1943, Baker foi colocado no esquadrão 118 em Coltishall como tenente de vôo supranumerário. Em janeiro de 1944 ele trabalhou em Croydon como piloto de balsa e em março foi para o CFS Montrose para um curso de instrutores, após o qual foi para Wrexham como CFI.

A próxima postagem de Baker, em janeiro de 1945, foi como CGI na 17 FTS Cranwell e depois de outro trabalho de solo na RAF Kimbolton no final do ano, ele foi dispensado da RAF em 1º de janeiro de 1946 como Líder de Esquadrão.

Ele trabalhou em uma fazenda de chá no Ceilão e para a Ferrovia Central do Peru, retornando ao Reino Unido em 1953 e desenvolvendo uma carreira empresarial, especialmente no setor de navegação. Ele se tornou um Diretor Executivo da empresa.

Baker morreu em 3 de julho de 2013.

Oficial voador H C Baker
Nada do que esse piloto do Spitfire fez parece ter sido oficialmente considerado digno de uma distinta cruz voadora - o que me parece vergonhoso!

Fenlandaviationmuseum

Hoje temos W / C John Robert Baldwin DSO e Bar, DFC e Bar, AFC.

Wing Commander John Robert Baldwin, DSO & amp Bar, DFC & amp Bar, AFC foi um piloto de caça da Força Aérea Real e o ás de caça com melhor pontuação voando no Hawker Typhoon exclusivamente durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi postado como desaparecido, presumivelmente morto, durante o serviço de destacamento da Força Aérea dos Estados Unidos na Guerra da Coréia.

O único filho de Chambré Baldwin (1884–1969) e Grace Baldwin, John Baldwin nasceu em Bath. Começando como equipe de terra com o RAFVR no início da Segunda Guerra Mundial, ele serviu na França durante 1940 e passou o período & # 039Blitz & # 039 em tarefas de eliminação de bombas. Baldwin foi voluntário para a tripulação aérea em 1941 e treinou como piloto. Comissionado como piloto oficial em março de 1942, ele se juntou ao No. 609 Squadron RAF em 17 de novembro de 1942, voando no Hawker Typhoon.

Seu primeiro sucesso foi danificar um Focke-Wulf Fw 190 em dezembro de 1942. Em 20 de janeiro de 1943, caças-bombardeiros de Jagdgeschwader 26 (JG 26) (asa de caça), apoiados pelo JG 2, atacaram Londres durante o dia com cerca de 90 Messerschmitt Bf 109s e Fw 190s em três ondas. O Esquadrão No. 609 interceptou a segunda onda e reivindicou quatro Bf 109-Gs de 6 esquadrões do JG 26. Três desses sucessos foram de Baldwin. A pesquisa do pós-guerra indica que estes podem ter incluído Leutnant Wenzel, relatado como desaparecido, e Unteroffiziers Marquardt e Budde, que foram ambos capturados. Baldwin encontrou os dois pilotos capturados alguns dias depois.

Em 25 de março, ele foi abatido sobre o Canal da Mancha por um Fw 190. Em 4 de outubro de 1943, ele reivindicou dois Bf 109 & # 039s do JG 2. Em 16 de outubro de 1943, seis tufões do Esquadrão 609 encontraram vários Ju 88, três sendo reivindicados, com meia parte para Baldwin. De meados de outubro de 1942 a junho de 1943, o esquadrão conquistou cerca de 27 das 47 vitórias aéreas conquistadas pelos tufões, tornando-o o esquadrão tufão de maior sucesso.

Baldwin mudou do Esquadrão No. 609 para comandar o Esquadrão No. 198 RAF em novembro de 1943. Em 1 de dezembro ele destruiu um Fw 190 e em 4 de dezembro um bombardeiro Dornier Do 217, sua nona vitória. Ele foi premiado com um Bar para seu DFC e destruiu três Fw 190 e um Caudron Goeland (aeronave de passageiros utilitários) durante janeiro de 1944. Sua turnê terminou em abril de 1944, e ele serviu com o número 2 da equipe de Operações do Grupo. Em junho de 1944, ele foi nomeado para o comando No. 146 Wing RAF. Em 29 de junho de 1944, voando com o Esquadrão 193, ele abateu dois Bf 109 & # 039s e, duas semanas depois, em 3 de julho, voando com o Esquadrão 197, ele destruiu outro.

Durante as operações após a invasão do noroeste da Europa, Baldwin se envolveu em um incidente de "fogo amigável". Em 27 de agosto de 1944, sua ala foi solicitada pela Marinha Real para atacar navios inimigos ao largo de Le Havre. Tufões do No. 263 Squadron RAF e No. 266 Squadron RAF atacaram os navios. Baldwin pediu esclarecimentos, já que os navios não pareciam ser inimigos, mas ele foi avisado para prosseguir. Os navios eram a Royal Navy & # 039s 1st Minesweeping Flotilla. No decorrer do ataque, o HMS Britomart e o HMS Hussar foram afundados, enquanto o HMS Salamander teve sua popa estourada. Os ataques custaram 117 marinheiros mortos e 153 feridos. O tribunal de investigação subsequente identificou a culpa como sendo inteiramente da Marinha - o oficial que organizou a remoção das minas não havia informado os outros sobre a área de operações.

Em fevereiro de 1945 ele assumiu o comando do No. 123 Wing RAF. Durante os últimos dias da guerra na Europa, ele comandava a Ala em operações contra navios inimigos no Mar Báltico.

Em 3 de maio de 1945, os esquadrões do Grupo 83 estavam atacando a navegação inimiga, e os esquadrões nº 198, nº 184, nº 193, nº 263 e nº 197 atacaram os navios de passageiros SS Cap Arcona e SS Deutschland e o cargueiro SS Thielbek , que se acreditava ser usado pelos alemães para escapar. Na verdade, os navios haviam sido usados ​​pelos alemães para abrigar prisioneiros, muitos deles do campo de concentração de Neuengamme. Como resultado do ataque, mais de 7.000 morreram.

Ele foi creditado com 15 e 1 vitórias aéreas compartilhadas destruídas, 4 danificados e 5 danificados no solo, bem como muitos veículos terrestres.

Ele foi premiado com uma comissão permanente na RAF em outubro de 1946. Ele então liderou uma equipe de quatro pilotos do RAF Central Fighter Establishment, vinculado à USAF na Coréia. Ele voou operacionalmente com o 16º Esquadrão de Interceptadores de Caças da 51ª Asa de Interceptores de Caças. Ele foi declarado desaparecido, presumivelmente morto, em março de 1952, durante a Guerra da Coréia, pilotando um F-86 Sabre norte-americano.


O Wartime Memories Project é o site original de comemoração da Primeira Guerra Mundial e da Segunda Guerra Mundial.

  • O Wartime Memories Project está em execução há 21 anos. Se você gostaria de nos apoiar, uma doação, não importa quão pequena, seria muito apreciada, anualmente precisamos levantar fundos suficientes para pagar por nossa hospedagem na web e administração ou este site desaparecerá da web.
  • Procurando ajuda com a Pesquisa de História da Família? Por favor, leia nosso FAQ's de História da Família
  • O Wartime Memories Project é administrado por voluntários e este site é financiado por doações de nossos visitantes. Se as informações aqui foram úteis ou você gostou de ler as histórias, por favor considere fazer uma doação, não importa quão pequena, seria muito apreciada, anualmente precisamos levantar fundos suficientes para pagar por nossa hospedagem na web ou este site desaparecerá do rede.

Se você gosta deste site

Por favor considere fazer uma doação.

16 de junho de 2021 - Observe que atualmente temos um grande acúmulo de material enviado, nossos voluntários estão trabalhando nisso o mais rápido possível e todos os nomes, histórias e fotos serão adicionados ao site. Se você já enviou uma história para o site e seu número de referência UID é maior que 255865, suas informações ainda estão na fila, por favor, não reenvie sem nos contatar primeiro.

Agora estamos no Facebook. Curta esta página para receber nossas atualizações.

Se você tiver uma pergunta geral, poste-a em nossa página do Facebook.


Operado por aeronave

  • 1917 & # 82111918 & # 8211 Sopwith Pup
  • 1918 & # 82111919 & # 8211 Sopwith Camel
  • 1919 e # 8211 Sopwith Snipe
  • 1939 & # 82111941 & # 8211 Gloster Gladiator I e amp II
  • 1940 e # 82111940 e # 8211 Gloster Gauntlet
  • 1941 e # 8211 Hawker Hurricane I
  • 1941 e # 8211 Curtiss Tomahawk I
  • 1941 e # 8211 Curtiss Tomahawk IIA e amp IIB
  • 1941 e # 82111942 Curtiss Kittyhawk 1A
  • 1942 e # 82111944 Curtiss Kittyhawk III
  • 1944 Curtiss Kittyhawk IV
  • 1944 e # 82111945 Mustang III norte-americano
  • 1945 e # 82111946 Mustang IV norte-americano
  • 1951 e # 82111954 de Havilland Vampire FB5
  • 1954 e # 82111956 Canadair Sabre F4
  • 1956 e # 82111957 Hawker Hunter F4
  • 1960 e # 82111964 Bristol Bloodhound I
  • 1964 e # 82111975 Bristol Bloodhound II

Aqueles conhecidos por terem servido com

Nº 87 (Províncias Unidas) Esquadrão Real Força Aérea

durante a Segunda Guerra Mundial 1939-1945.

  • Texugo I. J .. F / Sgt.
  • Beamont Roland.
  • Carver J. C ..
  • Cock J. R ..
  • Comley P. W .. P / O (dia 15 de agosto de 1940)
  • Cowley J .. Sgt.
  • Culverwell J. H .. Sgt. (dia 25 de julho de 1940)
  • Darwin C. W.W .. P / O (d. 7 de agosto de 1942)
  • David W. D ..
  • DeSpirlet F. X.E .. P / O (dia 26 de junho de 1942)
  • Dewar J. S .. (falecido em 12 de setembro de 1940)
  • Downey James. LACA
  • Gleed I. R .. F / Lt. (dia 16 de abril de 1943)
  • Glyde R. L .. F / O. (dia 13 de agosto de 1940)
  • Howell F. V .. Sgt.
  • Jay D. T .. P / O (dia 24 de outubro de 1940)
  • Lacock H. K .. F / O. (dia 26 de agosto de 1943)
  • Lovell-Gregg T. G.L .. Sqd Ldr. (dia 15 de agosto de 1940)
  • Malengreau R. F.G .. P / O
  • McLure A. C.R .. P / O (d.20 de julho de 1942)
  • McNair Robin John.
  • Mills R. S .. F / Lt.
  • Mitchell H. T .. P / O
  • Nicholls D. B.F .. Sgt.
  • Rayner R. M.S .. F / O.
  • Roscoe G. L .. P / O (dia 24 de fevereiro de 1942)
  • Tait K. W .. F / O. (d.6 de julho de 1941)
  • Thomas A. H .. Sgt.
  • Thorogood L. A .. Sgt.
  • VanLierde W. E .. P / O
  • VanMentz B .. P / O
  • Voase-Jeff R .. F / Lt. (d.11 de agosto de 1940)
  • Wakeling S. R.E .. Sgt.
  • Walton H .. Sgt.
  • Ward D. H .. F / O. (d.17 de junho de 1942)
  • Watson A. R .. P / O (d. 28 de novembro de 1940)
  • Watson R. F .. F / O.
  • Watson R. F .. F / O.

Os nomes desta lista foram enviados por parentes, amigos, vizinhos e outras pessoas que desejam se lembrar deles, se você tiver quaisquer nomes para adicionar ou quaisquer lembranças ou fotos dos listados, por favor, adicione um nome a esta lista


Traços da 2ª Guerra Mundial RAF - No. 85 Esquadrão 10/05/1940 - 30/06/1940

Em 1 de junho de 1938, A Flight of No 87 Squadron foi renumerado 85 Squadron em Debden e voou Gladiators até ser reequipado com Hurricanes em setembro de 1938. Com a eclosão da guerra, o esquadrão mudou-se para a França como parte do Componente Aéreo do BEF . Quando a invasão alemã veio em maio de 1940, deu cobertura de caça aos exércitos aliados até que suas bases fossem invadidas e quatro aeronaves remanescentes retiradas para o Reino Unido. Ele se reequipou e retomou as operações no início de junho. Depois de participar da primeira metade da Batalha da Grã-Bretanha sobre o sul da Inglaterra, o esquadrão mudou-se para Yorkshire em setembro e em outubro iniciou patrulhas de caça noturnas.

França, 09/09/1939
Debden 22 ou 23 de maio de 1940
Castle Camps 23/05/1940
Croydon 19 de agosto de 1940
Castle Camps 3 de setembro de 1940
Igreja Fenton 5 de setembro de 1940
Kirton-in-Lindsey 23 de outubro de 1940

Operações e perdas 05/10/1940 - 06/02/1940
Nem todas as operações listadas com perdas são (exceto pilotos tomados PoW).

11/05/1940:?, F. 1 KIA (solo). 1 avião perdido
15/05/1940:?, F? 1 avião perdido, 1 MIA
16/05/1940:?, F. 2 aviões perdidos, 2 KIA
18/05/1940:?, F. acidente de carro, 1 KIA, 1 WIA
19/05/1940:?, F? 1 avião perdido, 1 MIA
20/05/1940: Strafing no solo, Arras, F
. 3 aviões perdidos, 3 KIA
31/05/1940:?, Reino Unido. 2 aviões perdidos, 2 KIA
06/02/1940:?, F. 1 KIA

Perdas 01/01/1940 - 09/05/1940 (incompleto)

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: L1978, VY-X
Operação: Exercício de afiliação com Lysanders
Perdido: 06/03/1940
Sargento (piloto) Stewart W. Lenton, RAF 564249, 85 Sqdn., Idade desconhecida, 06/03/1940, Peronne Communal Cemetery Extension, França
Sofreu falha de motor na decolagem e caiu ao tentar pouso contra o vento em Mons-en-Chauss e eacutee, às 09h45.

Fontes: CWGC Peter D. Cornwell, A Batalha da França, Antes e Agora, 2008

11/05/1940: Lille, F

Piloto de 2ª classe William J. (Bill) Bolton, RAFVR 756194, 85 Sqdn., Idade 20, 11/05/1940, Cemitério Comunal de Fretin, F. Morreu de ferimentos e ferimentos recebidos em serviço ativo (Flight Global).
Bolton, o motorista do Squadron Adjutant, foi morto durante um ataque alemão ao campo de aviação Lille-Vendeville. O mesmo que Lille-Seclin (sem sotaque), também conhecido como Lille-Lesquin. Os alemães vão chamá-lo de Lille-S & uumld. Na verdade, aeroporto de Lille. Fonte: Fórum de Comandos RAF

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: N2388, VY-R
Operação: Patrulha
Perdido: 11/05/1940
F / Lt R H A Lee resgatou após um encontro com um Do17, perto de Maastricht, NL.

15/05/1940:?, F?

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: ?
Perdido: 15/05/1940
Oficial voador Derek H. Allen, RAF 39840, 85 Sqdn., DFC, idade 22, 15/05/1940, desaparecido

16/05/1940:?, F

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: ?
Perdido: 16/05/1940
Oficial voador (piloto) Allan B. Angus, RAF 40281, 85 Sqdn., DFC, idade 22, 16/05/1940, Cemitério Comunal de Fretin, F

cópia de segurança

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: ?
Perdido: 16/05/1940
Oficial piloto (piloto) Michael H.G. Rawlinson, RAF 40851, 85 Sqdn., Idade 22, 16/05/1940, Cemitério de Guerra Canadense Adegem, B

18/05/1940: acidente de carro, F

Oficial piloto John W. Lecky, RAF 40308, 85 Sqdn., Idade 20, 18/05/1940, Cemitério Militar de Etaples, F
Morto como resultado de um acidente de carro ao retornar à unidade após um período de licença. Tenente de voo J.R.M. Boothby, também do No.85 Squadron, ficou ferido no mesmo acidente.

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: ?
Perdido: 19/05/1940
Sargento John M. Little, RAFVR 741292, 85 Sqdn., 22 anos, 19/05/1940, desaparecido

20/05/1940: Strafing no solo, Arras, F

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: Bombardeio terrestre, Arras
Perdido: 20/05/1940
Tenente de Voo (Piloto) Michael F. Peacock, RAF 90124, 601 Sqdn., DFC, idade 28, 20/05/1940, Cemitério Comunal de Arras, F (ou: Líder do Esquadrão M.F. Peacock, 85 Sqdn.)
Abatido por Bf109s enquanto atacava as colunas inimigas a leste de Arras, às 15h30. Possivelmente um dos reivindicados por Hptmn von Selle de Stab II./JG3. Aeronave uma baixa.

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: Bombardeio terrestre, Arras
Perdido: 20/05/1940
Oficial piloto (piloto) Roger W. Burton, RAFVR 78440, 85 Sqdn., Idade 26, 20/05/1940, Querrieu British Cemetery, F
Abatido por Bf109s enquanto bombardeava colunas inimigas a leste de Arras e caiu perto de Querrieu, a nordeste de Amiens, 15h30. Possivelmente aquele reivindicado pelo Tenente von Werra de Stab II./JG3. Aeronave uma baixa.

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: P3426 ?, VY-?
Operação: Bombardeio terrestre, Arras
Perdido: 20/05/1940
Oficial piloto (piloto) Richard W. Shrewsbury, RAF 41874, 85 Sqdn., 19 anos, 20/05/1940, Cemitério Comunal de Arras, F
Abatido por Bf109s enquanto atacava as colunas inimigas a leste de Arras, às 15h30. Possivelmente aquele reivindicado pelo tenente Heymann de 4./JG3. Aeronave uma baixa.

31/05/1940:?, Reino Unido

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: ?
Perdido: 31/05/1940
Sargento (Piloto) Lionel R. Butler, RAFVR 742521, 85 Sqdn., 19 anos, 31/05/1940, Cambridge Crematorium, Reino Unido

Modelo: Hawker Hurricane Mk I
Número de série: ?, VY-?
Operação: ?
Perdido: 31/05/1940
Oficial piloto (piloto) Peter L. Gossage, RAFVR 74703, 85 Sqdn., Idade desconhecida, 31/05/1940, adro da Igreja de Buxted (Santa Margarida, a Rainha), Reino Unido

06/02/1940:?, F


Avião líder Archibald H. Nicoll, RAF 348549, 85 Sqdn., Idade desconhecida, 02/06/1940, Cemitério Militar de Etaples, F
Morreu na evacuação de Dunquerque?

cópia de segurança


No. 87 Squadron (RAF): Segunda Guerra Mundial - História

Michael Lister Robinson nasceu em Chelsea, Londres, em 8 de maio de 1917. Ele era filho de Roy Lister Robinson, primeiro (e último) Baron Robinson e Charlotte Marion Cust Bradshaw. Ele foi educado na Downside School, Bath, Somerset, Inglaterra.
He joined the RAF on a short service commission in September 1935. On the 28th he was posted to 3 FTS, Grantham and, with training completed, he joined No. 111 Squadron at Northolt on August 3rd 1936. Robinson went to No. 11 Group Pool, St Athan on January 30th 1939, as an instructor and was appointed 'B' Flight Commander on July 10th. Six months or so before the outbreak of war, he and two young Army friends, were on leave, skiing at Garmisch. One evening in the local pub they encountered a group of Luftwaffe officers, also on leave, from the Richthofen Geschwader, based at Augsburg in southern Germany. A senior German officer had invited the lot to a guest night in the mess at Augsburg. The invitation was accepted. After a taxi drive they reached the Richthofen Geschwader's Mess. On that evening they dined together and after a lot of beer and kirsch, a young Leutnant came up to Robinson and asked 'You've got Hurricanes? Michael replied: 'Yes,' 'Well,' he said, 'we've got Messerschmitt 109 s and God help you if you ever have to fight us in your old tubs.' It was their Mess so Robinson didn't want to provoke an argument. 'You know,' he said, 'even so, we still think our Hurricanes are pretty good, too.'
'Then,' the German replied, You don't believe me? When the war starts (and I hope it does soon) I will take on any three Englishmen with Hurricanes in my Messerschmitt.' A few days later, Robinson went home.
He was posted to France on March 16th 1940 and joined No. 87 Squadron there. On May 9th he badly injured a hand in a crash in a Master and was sent back to England.
Fit again, Robinson was posted to No. 601 Squadron at Tangmere on August 16th as a Flight Commander. During that day, at the end of a combat mission, he encountered a Me109 which he forced to land. Robinson landed nearby and walked across two fields to where the German pilot was lying in the sunshine. Hello , he said to the pilot, are you all right? He nodded. Then, Michael asked, may I have your pistol? As he handed it over to him, Robinson said to him: Your face seems familiar, haven't we met somewhere before? Yes, he said, wherever was it? Augsburg, February 1939 , Michael said. It was a good dinner. It was the young Leutnant. Ah, yes, the German murmured. But tell me - why didn't you shoot me down when I was in the air? I couldn't have escaped. 'Michael responded: As a matter of fact, I couldn't shoot you down, I had to force you down the way I did. I had used up all my ammunition on some other 109's . Then the Home Guard came and took him away.
Robinson went to No. 238 Squadron at Chilbolton on September 28th and was posted to command No. 609 Squadron at Middle Wallop on October 4th.
He was posted away to lead the Biggin Hill Wing in early August 1941. On August 19 Ortmans of 609 went down into the sea during a Blenheim escort operation. Robinson circled him until his fuel ran very low, by which time an ASR launch was well on the way. He just managed to make it back to Manston, where he made a crash-landing.
On August 27th Robinson destroyed a Me109, his final victory. In September 1941 Robinson was rested and commanded RAF Manston until October, when he was appointed as aide to the Inspector General of the RAF.
Back on operations, Robinson was appointed to lead the Tangmere Wing on January 1st 1942. He failed to return from a sweep on April 10th whilst leading the Wing at the head of 340 Squadron and he and his aircraft were not seen again. He was at that time 25 years old, having destroyed a total of 16 enemy aircraft, 4 probable, 1 shared probable, 8 damaged and 1 shared damaged.
Robinson is remembered on the Runnymede Memorial.

Promoções:
July 11, 1939: Acting Flight Lieutenant
April 16, 1940: Flight Lieutenant
June 1, 1941: Temporary Squadron Leader


Mathematicians’ stab at alternative history unwelcome among WW II buffs

Recently, six mathematicians created a new methodology and essentially proved them right, sparking a social media outcry among Second World War buffs, warbird fanatics and proud Britons who would prefer to let their “finest hour” speak for itself.

“Bugger off,” wrote Peter Hollis, whose Facebook cover photo is a flapping Union Jack, “we won.”

“Divine providence and the human spirit cannot be calculated,” Mike Lee declared in dismissing the study on Facebook’s Supermarine Spitfire Historical Society page.

The paper, which quantified the probabilities that Nazi Germany could have won the 114-day battle had they started three weeks earlier and focused their bombing campaign on airfields instead of shifting to cities, also inspired discussion and debate over the various scenarios that might have transpired.

“Amazingly, the thing that is so often overlooked: the Wehrmacht had no serious amphib capability. Not even any bow-ramp landing craft,” American historian Barrett Tillman, author of several books on aviation and naval history, wrote on Facebook’s Allied Warbirds and Pilots of WW II page.

“Therefore, more than 500 tugs were needed to tow enough barges across the Channel (‘D-Day in reverse’) and equally important, to drag them off the beach for the return trip to load the second/third waves. For all the gallantry of The Few, Britain was never in serious danger of invasion, but that image played well in the United States and in the mists of time.”

Added aviation buff Martin Wood: “This nonsense insists that if Germany had continued to attack airfields, the RAF would have basically run out of pilots and aircraft. It conveniently ignores the fact that Germany was losing aircrew and aircraft faster than Britain was. It also ignores the fact that the RAF had greater numbers of both at the end of the battle than it did at the start.”

Many questioned why the mathematicians from the University of York in England worked out “what everyone else has known since 1940,” as commenter Keith Noon put it.

But Niall MacKay, a mathematical physicist and co-author of the paper, said the fact the study reinforced the historians’ theories was actually the best news the researchers could have hoped for.

The Battle of Britain, he explained, was merely a guinea pig on which the researchers could test their methodology, called “weighted bootstrapping.” The fact the results agreed with the historians was good news for the researchers.

“Originally when we wrote it, it was intended more as a methodological article tested out—validated—on the Battle of Britain,” said MacKay. “The fact that the results that we got are more or less in the mainstream of historical opinion makes it a bit of a less-interesting story in some ways but absolutely fine by us.

“If our methods had thrown out something very strange, then either it would have been wrong, or we would have had more work to do.”

The researchers likened weighted bootstrapping to taking balls, each representing an actual day in the Battle of Britain, and placing them in a lotto machine. Balls are randomly drawn, read and replaced to create thousands of alternative sets of days’ fighting, re-ordered. Some days might appear more than once or not at all.

Consulting historians along the way, they repeated the process numerous times, with some days more or less likely to be chosen.

The study suggests that if the probability of a British victory was 50 per cent, the two changes in German tactics—an earlier start and a focus on airfields—could have reduced it to less than 10 per cent. If the probability of British victory was 98 per cent, the tactical changes could have reduced it to 34.

Em uma entrevista com Legion Magazine, MacKay said the Battle of Britain was an ideal subject on which to test the method because it was homogeneous—the weapons changed little, the battlefield was the same, and the notorious English weather was relatively good most of the time.

“To do this,” said MacKay, “you need one data point to be much like another. If things get much more complicated, then you should use slightly more sophisticated statistical techniques.”

The six-year Battle of the Atlantic, on the other hand, was rife with variables, starting with the weather but also by dramatic changes in technologies on both sides, from sound-reflection locating methods to U-boats, escort vessels and long-range aircraft. The technology race culminated in the unpublicized seizure of a German Enigma cipher machine from a captured U-boat and the subsequent decoding triumph by another mathematician, Alan Turing, and the team at Bletchley Park.

“Things were changing all the time,” said MacKay, who considered “bootstrapping” the subject, given that it was such a close battle in the first year, when Germany nearly won the war early by all but cutting off British and Soviet supply routes in the North Atlantic. “It’s much more complicated.

“One would need a much more sophisticated model which, at its simplest, might be a bit like what you would do in medical statistics.”

Under this method, each convoy would be treated like a patient and there would be various “treatments” researchers could use to combat the “infectious” U-boats.

“It’s hard to think of situations which are as homogeneous as the Battle of Britain.”

That’s unlikely to excite the pundits who, as the social media response suggests, tend to dismiss the what-ifs as gobbledegook—a “waste of oxygen,” Facebooker Gary Johnston called it.

“Counter-factual history has a very bad name among historians,” acknowledged MacKay. “It’s great fun, but it’s dangerous because the danger is you pile supposition on supposition and it becomes almost like fantasy—’what would have happened if this and this and this…’

“The nice thing from our point of view, doing very restrained counter-factuals, is that, using the bootstrap, you get as much as you can from what actually happened.”

The numbers can give historians a quantitative basis—a reference—on which to proceed with more conventional historical research.

At the very least, it gets people engaged and talking about history and, perhaps, its lessons—in this case, involving what was probably the most pivotal battle of the Second World War.


Military units similar to or like No. 87 Squadron RAF

Royal Air Force squadron during the First and Second World Wars. First formed 25 July 1918 from 523, 525 and 529 Special Duties Flights at Luce Bay near Stranraer, Scotland under the control of No. 25 Group RAF. Wikipedia

Royal Air Force squadron operational during the First World War as a night training squadron and during the Second World War as a radar countermeasure unit. After the war the squadron served again in the Electronic Intelligence role, until disbanded in 1958. Wikipedia

Flying squadron of the Royal Air Force active during the First World War, the Second World War and also the Cold War. Finally disbanded in December 1963. Wikipedia

Aircraft squadron of the Royal Air Force during both World War I and World War II. First formed on 1 October 1918 at RAF Rochford as a Sopwith Camel night fighter unit. Wikipedia

Esquadrão de bombardeiros noturnos da Royal Air Force na Primeira Guerra Mundial e um esquadrão de bombardeiros pesados ​​na Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, ele voou brevemente como um esquadrão de transporte antes de ser reformado como uma unidade de bombardeiro leve com a Segunda Força Aérea Tática dentro da RAF Alemanha. Wikipedia

Aircraft squadron of the Royal Air Force during both World War I and World War II. Briefly reformed as a Strategic Missile squadron operating the Thor IRBM. Wikipedia

Royal Air Force transport aircraft squadron that operated during the Second World War. Formed on 1 September 1943 at RAF Weston Zoyland to operate the Vickers Warwick in the transport role. Wikipedia

Squadron of the Royal Air Force during World War I and World War II. Involved in the defence of Malta from August 1940 till May 1941 and the campaign in Burma. Wikipedia

Royal Air Force fighter squadron during the First and Second World Wars. Formed on 1 January 1918 at Sedgeford as a day bomber unit with the Airco DH.4, the intention was to train the squadron for operations on the de Havilland DH.9 but the squadron disbanded without seeing action on 17 August 1918. Wikipedia

Royal Air Force Coastal Command aircraft squadron that operated during the Second World War. Formed at RAF Oban, Argyll and Bute in Scotland on 20 October 1943 to operate the Martin PBM Mariner flying boat. Wikipedia

Royal Air Force squadron during the second world war. Formed at RAF Colerne on 1 December 1942, as a fighter bomber unit equipped with the Hawker Hurricane. Wikipedia

Esquadrão auxiliar da Força Aérea da Força Aérea Real durante a Segunda Guerra Mundial. O único esquadrão da RAF a ser equipado com o bombardeiro torpedeiro Blackburn Botha malsucedido. Wikipedia

Royal Air Force aircraft squadron that during the Second World War was one of the three Eagle Squadrons manned by American volunteers. Part of the Royal Air Force Air Cadets in Nuneaton. Wikipedia

Anti-aircraft co-operation squadron of the Royal Air Force during the Second World War. First formed on 1 December 1943 at RAF Gosport, Hampshire from 1662 and 1631 Flight and No. 7 Anti-Aircraft Practice Camp at RAF Shoreham, Kent for various anti-aircraft training duties. Wikipedia

Royal Air Force Squadron which operated during the First World War and the Second World War. Disbanded in 1945 and remains inactive. Wikipedia


Assista o vídeo: Podniebni bohaterowie - Łowca nazistów (Outubro 2022).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos