Novo

Comunicar avistamentos de OVNIs à Marinha dos EUA ficou mais fácil

Comunicar avistamentos de OVNIs à Marinha dos EUA ficou mais fácil


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Na década de 1950, se você visse um objeto voador não identificado, poderia preencher um dos úteis questionários de OVNIs da Força Aérea dos EUA para o Projeto Blue Book. Esse programa do governo foi dissolvido em 1969, mas os militares permaneceram interessados ​​em avistamentos de OVNIs desde então. Em abril de 2019, a Marinha dos Estados Unidos confirmou que está atualizando suas diretrizes sobre como os pilotos e o pessoal devem relatar o que chama de "fenômenos aéreos inexplicáveis" ou UAP.

“Tem havido uma série de relatos de aeronaves não autorizadas e / ou não identificadas entrando em vários intervalos controlados por militares e espaço aéreo designado nos últimos anos”, disse a Marinha em um comunicado ao POLITICO, o primeiro veículo a relatar a notícia. “[A] Marinha está atualizando e formalizando o processo pelo qual os relatórios de tais incursões suspeitas podem ser feitos às autoridades competentes.”

Basicamente, a Marinha deseja criar um processo formal para que os pilotos e outro pessoal relatem objetos voadores que eles não podem explicar para que alguém possa investigar. A Marinha parece menos preocupada com o fato de que os UAPs são um sinal de vida alienígena e mais preocupada com o fato de serem aeronaves não autorizadas de um país estrangeiro. É por isso que os EUA começaram a investigar avistamentos de OVNIs no final dos anos 1940: havia a preocupação de que as pessoas estivessem na verdade avistando aviões secretos soviéticos.

LEIA MAIS: Viu um OVNI? Nos anos 50, você poderia relatá-lo neste questionário fácil

O anúncio da Marinha sobre suas diretrizes de relatórios UAP vem um ano e meio depois O jornal New York Times revelou que o Pentágono tinha um programa secreto de identificação de ameaças aeroespaciais avançadas de 2007 a 2012. Luis Elizondo, o ex-oficial do Pentágono que liderou o programa de classificados e é destaque no novo programa da HISTORY Não identificado: Investigação OVNI dentro da América, renunciou porque sentiu que o Pentágono não estava fazendo o suficiente para identificar e combater os UAPs. Elizondo disse que acha que eles podem ser uma ameaça à segurança nacional. (Não identificado: Inside America's UFO Investigation estreia em 31 de maio na HISTÓRIA.)

O Programa de Identificação Avançada de Ameaças Aeroespaciais, de curta duração, foi capaz de funcionar por tanto tempo porque teve o apoio de membros proeminentes do Congresso, como o senador Harry Reid. Da mesma forma, as atualizações recentes do UAP da Marinha podem ter sido uma resposta aos interesses do Congresso em rastreá-los.

“Em resposta aos pedidos de informações de membros do Congresso e funcionários, oficiais da Marinha forneceram uma série de informes por altos oficiais da Inteligência Naval, bem como aviadores que relataram perigos para a segurança da aviação”, disse a Marinha em seu comunicado ao POLITICO. Não identificou, entretanto, quais membros do Congresso solicitaram os briefings.

LEIA MAIS: Os 5 avistamentos de OVNIs modernos mais confiáveis


A liberação de fotos de OVNIs traz mais perguntas do que respostas

Noel King da NPR fala com o ex-senador Harry Reid sobre o que ele acredita a respeito dos OVNIs, e o que ele espera que venha do próximo relatório do Pentágono sobre avistamentos de OVNIs.

No momento, funcionários do Departamento de Defesa estão trabalhando em um relatório para o Congresso sobre o que o governo sabe sobre fenômenos aéreos não identificados, ou OVNIs. O Tenente Comandante Alex Dietrich é um ex-piloto da Marinha dos EUA e ela já viu um. Ela estava voando em uma missão de rotina na costa do sul da Califórnia com três outros membros do serviço militar, e então.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

ALEX DIETRICH: Nós o chamamos de Tic Tac porque era assim que parecia - este tipo de objeto redondo, oblongo, liso e branco voando baixo e rápido. O que foi tão surpreendente, e o que foi tão enervante para nós, foi a maneira como ele se moveu. Isso estava se comportando de uma maneira que não estávamos acostumados. Não se encaixava em nenhum de nossos modelos mentais. Não funcionava - não podíamos categorizá-lo e parecia estar desafiando nossas leis da física.

KING: O ex-presidente Barack Obama também disse que algo está lá fora. Aqui está ele no "The Late Late Show With James Corden" no mês passado.

(SOUNDBITE DE TV SHOW, "THE LATE LATE SHOW WITH JAMES CORDEN")

BARACK OBAMA: O que é verdade - e estou falando sério aqui - é que existem - há filmagens e registros de objetos no céu que não sabemos exatamente o que são. Não podemos explicar como eles se moveram, sua trajetória. Eles não tinham um padrão facilmente explicável.

KING: E o ex-senador de Nevada Harry Reid diz que o governo tem registros de avistamentos de OVNIs que remontam a 70 anos.

HARRY REID: Bem, o motivo pelo qual não ouvimos mais sobre eles é porque os militares os mantiveram em segredo até muito recentemente.

KING: Em 2007, Reid conseguiu financiamento para um projeto secreto chamado Programa de Identificação Avançada de Ameaças Aeroespaciais. Ele foi fechado cinco anos depois. E então, no ano passado, o Departamento de Defesa divulgou imagens de interações de pilotos da Marinha com fenômenos aéreos não identificados, OVNIs. Aqui está Harry Reid novamente.

REID: Eles não sabem o que são, mas também não sabem o que não são. Eles simplesmente não sabem. E é assim que vejo as coisas. Eu - nós sabemos agora, sem qualquer hesitação, que eles existem.

KING: Vou fazer uma pergunta que é o cúmulo do absurdo. Por que o governo americano esconderia informações sobre OVNIs do povo americano?

REID: Pode haver muitos motivos porque as pessoas em posição de autoridade acham que isso seria prejudicial à segurança de nosso país. Não é a primeira vez que isso acontece - o governo esconde coisas do povo americano por razões que eles acham que estão certas, mas não necessariamente.

KING: Este mês ou no próximo, uma força-tarefa do Departamento de Defesa está programada para relatar a um comitê do Senado o que as agências de inteligência aprenderam ou atualmente sabem sobre os OVNIs. Você sabe o que está naquele relatório do Departamento de Defesa?

REID: Não, vai sair no final deste mês, e eu pessoalmente não acho que eles vão tirar nenhuma conclusão. O que eu disse sobre isso - não pode ser um acordo único. É preciso haver um estudo contínuo disso. Acho que não vamos aprender muito quando esse relatório for lançado em algumas semanas, mas acho que precisamos continuar trabalhando nisso. Sem dúvida, eu acredito nisso.

KING: Quando o público poderá ver esse relatório? Você sabe?

REID: Bem, isso caberá ao governo - o governo Biden. Caberá aos comitês de jurisdição, e eles tomarão essa decisão.

KING: Estamos em um momento agora em que, de repente, as pessoas estão levando os OVNIs a sério. Não sei exatamente o que aconteceu, para ser honesto. Muitas notícias recentes sobre objetos voadores não identificados - sobre a história deles, sobre pessoas que os estudam, sobre pessoas que pensam que tudo é um absurdo. O que é esse momento, você acha?

REID: Eu acho que o assunto em si é aquele que desperta curiosidade. Acredito que o que aprendemos é que você não precisa ser um estranho para se interessar pelo que está acontecendo. As pessoas estão curiosas, como deveriam ser. E como indiquei, não sei o que são. Eu não sei o que eles não são. Eu acho que quanto mais olharmos para isso, melhor será para nós. Não podemos ter o relatório apresentado porque, bem, tínhamos algumas semanas, então não fazemos mais. Tem que ser contínuo.

KING: Há algo em sua voz que sugere que você sente que as apostas aqui são muito altas. Recebemos relatos de avistamentos - eu estava lendo no The New Yorker - desde, tipo, os anos 1800 - pessoas vendo objetos estranhos no céu. O que, para você, são as reais apostas aqui? O que está pesando em sua mente?

REID: Bem, no passado, tivemos dirigíveis, balões, que despertaram a curiosidade das pessoas, e então entramos em aviões. Então, tem havido muitos avistamentos de coisas que as pessoas não entendem. Porque alguns deles são certamente causados ​​pelas condições atmosféricas. Mas acho que já olhamos isso por tempo suficiente para saber que não é algo porque existe uma formação de nuvem única que criou isso. Esses veículos foram testemunhados por cientistas, astrofísicos. É algo que o povo americano precisa saber mais e o governo federal ajuda melhor.

KING: E, por último, com tantas pessoas prestando tanta atenção agora aos OVNIs, inclusive nos níveis mais altos do governo americano, você se sente menos sozinho?

REID: Não, na verdade não. Acho que é algo que estou curioso há muito, muito tempo. E eu acho que é bom que nós tenhamos mentes científicas olhando para isso e nos afastando de todas essas teorias conspiratórias e idéias charlatanescas. E acho que precisamos continuar olhando para isso, e fazer isso com base na ciência.

KING: Senador Harry Reid de Nevada. Muito obrigado por se juntar a nós, senhor. Agradecemos seu tempo.

(SOUNDBITE DE JACOO "RELEASE YOUR MIND")

KING: O relatório não classificado do Departamento de Defesa será enviado a um comitê do Senado no final deste mês. E devo observar, atualmente não há evidência disponível publicamente de que o governo dos EUA está retendo informações sobre OVNIs do público americano atualmente.

(SOUNDBITE DE JACOO "RELEASE YOUR MIND")

Copyright e cópia 2021 NPR. Todos os direitos reservados. Visite o nosso website de termos de uso e páginas de permissões em www.npr.org para mais informações.

As transcrições de NPR são criadas em um prazo urgente pela Verb8tm, Inc., um contratante da NPR, e produzidas usando um processo de transcrição proprietário desenvolvido com a NPR. Este texto pode não estar em sua forma final e pode ser atualizado ou revisado no futuro. A precisão e a disponibilidade podem variar. O registro oficial da programação da NPR & rsquos é o registro de áudio.


Avistamento de OVNIs: "fenômenos aéreos não identificados" misteriosos detectados pela Marinha dos EUA

Link copiado

UFO: Especialista revela o motivo pelo qual as informações são mantidas do público

Quando você se inscrever, usaremos as informações fornecidas para enviar esses boletins informativos. Às vezes, eles incluem recomendações para outros boletins ou serviços relacionados que oferecemos. Nosso Aviso de Privacidade explica mais sobre como usamos seus dados e seus direitos. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Os vídeos são chamados de & ldquoFLIR1, & rdquo & ldquoGimbal & rdquo e & ldquoGoFast & rdquo e apareceram pela primeira vez no The Black Vault, um site especializado em documentos governamentais desclassificados. & ldquoFLIR1 & rdquo é de 14 de novembro de 2004, e & ldquoGimbal & rdquo e & ldquoGoFast & rdquo são de 21 de janeiro de 2015. Joseph Gradisher, porta-voz oficial do subchefe de operações navais para guerra de informação, disse que os vídeos mostram alguns dos avistamentos de fenômenos aéreos inexplicáveis ​​(UAP). a Marinha está investigando.

Artigos relacionados

Ele disse à História: & ldquoEsses três vídeos são apenas parte de um esforço maior da Marinha dos Estados Unidos para tentar investigar uma série de incursões em nossos campos de treinamento por fenômenos que chamamos de fenômenos aéreos não identificados.

& ldquoNossos aviadores treinam enquanto lutam. Portanto, quando eles estão treinando lá fora, se houver uma incursão por qualquer tipo de fenômeno de veículo aéreo, seja o que for, isso colocará em risco a segurança de nossos aviadores, bem como a segurança de nossas operações de treinamento. & Rdquo

A Marinha não conseguiu identificar quais eram os fenômenos dos vídeos.

A Marinha considera os UAPs como esses um & ldquo; problema de segurança e proteção quantitativa & rdquo; porque eles não deveriam estar no espaço aéreo dos Estados Unidos.

A Marinha dos Estados Unidos afirmou que viu & ldquenificou fenômenos aéreos não identificados & rdquo (Imagem: NC)

A Marinha anunciou recentemente que iniciou um processo para os pilotos e outro pessoal relatarem os UAPs para que os registros desses avistamentos sejam mais consistentes e fáceis de investigar.

Gradisher disse à HISTÓRIA que a Marinha está tentando reduzir o estigma de relatar UAPs, que no passado os pilotos podem ter sido encorajados a não relatar.

Ele disse: & ldquoNós queremos ir além desse estigma e encorajar nossos aviadores a relatar tudo o que eles sabem ver por aí. & Rdquo

Nick Pope, que trabalhou para o programa de OVNIs do Ministério da Defesa do Reino Unido de 1991 a 1994, acredita que há quatro explicações possíveis para os UAPs recentes identificados pela Marinha dos Estados Unidos.

O pessoal da Marinha dos EUA revelou ter visto os objetos misteriosos nos vídeos (Imagem: História)

Artigos relacionados

Ele argumenta que pode haver "erros na percepção do piloto ou do computador, um projeto secreto dos EUA sendo testado às cegas sem o conhecimento da Marinha, uma aeronave de governo estrangeiro ou algo completamente desconhecido".

Ele disse: & ldquoO que eu acho que a declaração recente da marinha & rsquos faz é provavelmente tirar da mesa a primeira dessas explicações.

“Acho que a percepção clara é que a Marinha pensa que devemos lidar com algo real e tangível aqui. Portanto, não identificações errôneas, percepções errôneas, falhas ou algo semelhante. & Rdquo

Os militares dos EUA estão interessados ​​em OVNIs desde 1948, após a criação do Projeto Sign da Força Aérea dos EUA.

Surgiu depois que um empresário chamado Kenneth Arnold disse ter visto nove objetos em forma de lua crescente voando ao longo de discos em forma de lua e saltando na água & rdquo enquanto ele pilotava um avião perto do Monte Rainier, no estado de Washington.

A Marinha não conseguiu identificar quais eram os fenômenos dos vídeos (Imagem: História)

As reportagens dos jornais então cunharam o termo & ldquoflying pires. & Rdquo

Relatos desse avistamento também resultaram em mais pessoas alegando ter visto OVNIs, levando a Força Aérea a decidir examinar mais a fundo essas alegações.

Durante a Guerra Fria, os militares tentaram descobrir se o número crescente de relatórios sobre os supostos "discos voadores" poderia ser de espionagem soviética avançada.

Mas, nos dias de hoje, a Marinha confirmou que não revelará muitos detalhes sobre as UAPs que estão investigando.

A Marinha confirmou que não revelará muitos detalhes sobre os UAPs (Imagem: História)

Tendendo

Isso inclui qualquer especulação sobre quem pode estar por trás deles.

O Sr. Gradisher disse: & ldquo & rsquore não iremos caracterizar quais fontes potenciais podem ser

& ldquoMas, como afirmei, há dois aspectos de preocupação: a segurança de nossos aviadores e a segurança de nossa operação.

& ldquoNão queremos que as pessoas vejam como devemos treinar, porque treinamos enquanto lutamos. & rdquo


Quem quer que esteja controlando essas coisas pode ter acesso às comunicações da Marinha. E fala inglês.

Um último detalhe, um “contar” por parte dos OVNIs, está na história de Fravor. Fravor relata que um oficial de operações do USS Princeton instruiu-o a voar para uma Patrulha Aérea de Combate, ou cap, ponto a 60 milhas de distância. Dentro de instantes, o Princeton relatou a Fravor que os OVNIs estavam em seu auge. Quais são as chances de a nave escolher o ponto máximo, de todos os lugares, como um destino?

Mas, por outro lado, por que os objetos estariam em torno de um caça a jato da Marinha dos EUA?

Os objetos não usam formas convencionais de propulsão

O OVNI voador em 2004 apareceria a 80.000 pés, de repente cairia para 20.000 pés e pairaria, e dispararia repetidamente para cima e para baixo uma e outra vez, de acordo com Fravor. Fravor também relatou que a nave estava "pulando erraticamente".

As tecnologias conhecidas do público não permitem atualmente tais manobras.

A nave avistada em 2014-2015 também realizou supostamente acrobacias aéreas que aeronaves conhecidas são incapazes de realizar - e que transformaria um piloto humano em uma gosma vermelha devido às tremendas forças G envolvidas. A nave se movia a velocidades “hipersônicas” - hipersônicas definidas como velocidades de Mach 5 (3.836 milhas por hora) ou mais. Graves, em particular, diz que os objetos foram observados voando em manobras que consomem muita energia por 12 horas por dia, quando deveriam ser capazes de voar por apenas uma hora.

Eles são difíceis, mas não impossíveis de detectar

Em seu encontro de 2004, Cdr Fravor não foi capaz de detectar os objetos no radar de seu F / A-18 Super Hornet. O tenente Graves, por outro lado, foi capaz de pegar os objetos no radar de seu Super Hornet. O que explica a discrepância? O Super Hornet de produção inicial da Fravor foi equipado com um radar mais antigo, o AN / APG-73. O AN / APG-73 é um radar multi-modo de banda X usado pelos pilotos do Super Hornet em funções ar-ar e ar-solo.

Dez anos depois, Graves e os pilotos do Strike Fighter Squadron 11 (VFA-11) relataram uma experiência diferente:

Os pilotos começaram a notar os objetos depois que seu radar da década de 1980 foi atualizado para um sistema mais avançado. Conforme um caça a jato após o outro adquiria o novo radar, os pilotos começaram a pegar os objetos, mas ignorando o que eles pensavam ser rastros de radar falsos.

A atualização do radar em questão foi a instalação do novo radar APG-79 ativo eletronicamente escaneado para substituir o AN / APG-73 do Fravor nos Super Hornets mais antigos, uma atualização de toda a frota que começou no início de 2010. Ambos os sistemas de radar operam na banda X, mas o APG-79 tem maior sensibilidade e maior poder de processamento do que o radar antigo.

As naves também foram detectadas por radares marítimos. Foi o USS Princeton, uma Ticonderogacruzador de mísseis guiados de classe, que primeiro alertou Fravor sobre a presença de OVNIs em 2004. Projetado para detectar, rastrear e interceptar ameaças aéreas de longo alcance, Princeton está equipado com o sistema de radar SPY-1. O SPY-1 opera nas bandas E / F e, tendo acesso a maiores quantidades de energia elétrica, pode geralmente detectar objetos em distâncias maiores do que os radares de aeronaves.

O estranho sobre os avistamentos de radar é que eles realmente aconteceram. Se essas naves pertencessem a algum braço do governo dos Estados Unidos e tivessem um propósito militar, seria de se supor que seriam furtivas. Talvez eles fossem furtivos até certo ponto, mas os avanços recentes na tecnologia de radar os alcançaram.

Os objetos são detectáveis ​​no infravermelho, embora eles não se destaquem particularmente. O tenente Danny Accoin, outro piloto VFA-11 que teve encontros durante o período de 2014-2015, relata que o buscador de calor em um míssil de treinamento e a câmera infravermelha em sua aeronave detectou o OVNI. Em um terceiro incidente publicado pelo grupo investigativo UFO To The Stars. Academia de Artes e Ciências, embarcações avistadas por jatos da Marinha foram visíveis ao pod Raytheon AN / ASQ-228 Advanced Targeting Forward-looking Infrared (ATFLIR) do Super Hornet.

Nos incidentes de 2014-2015, Graves relata que a aeronave não tinha quaisquer plumas de exaustão detectadas nos sensores infravermelhos, o que é definitivamente diferente de tudo que conhecemos atualmente. Todas as aeronaves convencionais que usam motores de combustão interna produzem grandes quantidades de calor que não apenas aquecem certas partes da aeronave - como os bocais de exaustão, mas também o ar que segue a aeronave. Aeronaves furtivas, como o bombardeiro B-2 Spirit, muitas vezes têm maneiras de minimizar a assinatura de calor dos motores, mas não eliminá-la totalmente.

Os OVNIs não fizeram nada do tipo, o que significa que eles usam um meio alternativo de propulsão que não gera calor, ou usam meios extensivos para resfriar seu escapamento antes que saia da parte traseira do avião.

Finalmente, os objetos podem ser difíceis de pegar a olho nu. Fravor parece não ter tido nenhum problema em vê-los em 2004, mas o tenente Accoin relatou que a câmera de seu capacete, provavelmente parte do Joint Helmet Mounted Cueing System, não foi capaz de ver a nave. Não sabemos se o Fravor tinha JHMCS, um capacete projetado para tornar mais fácil mirar nos adversários, mas se ele não tivesse, talvez houvesse algo no sistema que impedia - por um motivo ou outro - a detecção.

Ambos os avistamentos ocorreram perto do território continental dos Estados Unidos

LCdr Graves observa que a nave foi avistada por pilotos enquanto o USS Theodore Roosevelt estava operando na costa leste dos EUA, mas diminuiu quando o navio saiu em patrulha operacional. No caso de Fravor, os OVNIs foram avistados sobre o Oceano Pacífico, a aproximadamente 160 quilômetros da costa de San Diego. Pelo que sabemos, esses são os únicos locais que os pilotos da Marinha avistaram a estranha nave e, juntos, esses dois conjuntos de avistamentos formam um sanduíche da América.


Navios da Marinha capturam vídeo de OVNIs em forma de pirâmide, orbs voando acima

O Pentágono admitiu que um contratorpedeiro da Marinha dos Estados Unidos capturou esta estranha imagem de visão noturna de misteriosos objetos piscando voando acima dele e de outro navio de guerra.

O vídeo tingido de verde foi coletado pela Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados e vazou para o cineasta Jeremy Corbell, que fez o documentário “Bob Lazar: Area 51 & amp Flying Saucers” e o diretor de notícias da KLAS TV George Knapp, informou o Sun.

Corbell disse que verificou a autenticidade do vídeo surpreendente após obter informações de um briefing de inteligência do Pentágono, onde oficiais confirmaram que a filmagem foi feita pela Marinha, mas não descreveu o conteúdo.

No curto clipe, gravado por pessoal a bordo do USS Russell, três orbes esmaecidas são vistas pairando sobre o navio de guerra. Um objeto triangular também é visto na filmagem.

Corbell também compartilhou três imagens capturadas pelo USS Omaha de uma nave & # 8220spherical & # 8221 não identificada.

“Observa-se que a nave 'esférica' era suspeita de ser um veículo transmédio e foi observada descendo para a água sem destruição”, disse Corbell, de acordo com o meio de comunicação.

“Observa-se que a nave 'esférica' não foi encontrada ao entrar na água & # 8212 e que um submarino foi usado na busca”, acrescentou.

Um OVNI é visto à distância. Jeremy Corbell Instagram

Os incidentes foram discutidos em 1º de maio de 2020, durante briefing secreto realizado pelo Escritório de Inteligência Naval sobre a nave não identificada.

“George Knapp e eu pudemos verificar os materiais que você está prestes a considerar”, disse Corbell ao Sun. & # 8220Eu posso confirmar sua autenticidade, bem como a narrativa fornecida a mim quando eles foram apresentados. ”

Ele também recebeu informações sobre um terceiro avistamento em 4 de março de 2019, de um piloto do F / A-18 e seu oficial de sistemas de armas, ou WSO, de acordo com o relatório.

“Estas são fotos e vídeos autênticos de encontros militares reais com OVNIs, gerados para educar oficiais de inteligência de alto nível dentro de nossas forças armadas sobre a natureza e a apresentação do fenômeno UAP-OVNIs”, disse ele.

“É minha esperança que estes materiais sejam representativos de um momento único na história moderna, um possível ponto de viragem para a abordagem racional e transparente de investigar e explorar o mistério do fenômeno OVNI”, acrescentou Corbell.

Um OVNI é visto neste clipe de 2015. US DEPT OF DEFENSE

A porta-voz do Pentágono, Susan Gough, disse ao Sun: “Posso confirmar que as fotos e vídeos mencionados foram feitos por pessoal da Marinha. A UAPTF incluiu esses incidentes em seus exames em andamento.

“Como dissemos antes, para manter a segurança das operações e evitar a divulgação de informações que possam ser úteis a potenciais adversários, o DOD não discute publicamente os detalhes das observações ou dos exames de incursões relatadas em nossos campos de treinamento ou espaço aéreo designado, incluindo aquelas incursões inicialmente designadas como UAP ”, acrescentou.

As imagens mostram vestígios de OVNIs. Jeremy Corbell Instagram

No mês passado, detalhes recém-divulgados dos registros dos navios de guerra USS Kidd, USS Rafael Peralta e USS John Finn durante vários dias em julho de 2019 também revelaram objetos voadores zumbindo-os na costa da Califórnia.

Em um relatório no mês passado, um ex-oficial de inteligência nacional disse que um relatório do governo revelará evidências "difíceis de explicar" em torno dos avistamentos de OVNIs. Jeremy Corbell Instagram

O incidente teria levado a uma investigação pela Marinha, Guarda Costeira, FBI e outras agências, mas não conseguiu dar uma resposta.

Os detalhes do misterioso incidente foram relatados pela primeira vez por Dave Beaty, que postou sobre o assunto no Twitter em junho do ano passado.

Em um relatório no mês passado, um ex-oficial de inteligência nacional disse que um próximo relatório do governo revelará evidências "difíceis de explicar" em torno dos avistamentos de OVNIs - incluindo que eles quebraram a barreira do som sem um estrondo sônico.

Corbell disse que verificou a autenticidade do vídeo surpreendente após obter informações de um briefing de inteligência do Pentágono. Alamy Foto de stock


Algo está acontecendo em nossas costas

Em 2017, o The New York Times relatou que vários pilotos da Marinha viram OVNIs durante o vôo ao largo da costa de San Diego. O Departamento de Defesa posteriormente desclassificou o vídeo dos incidentes, que parecia mostrar objetos em alta velocidade de várias formas e sem propulsão clara ultrapassando os caças americanos.

O artigo revelou que o Pentágono gastou US $ 22 milhões em um “Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais” para avaliar as implicações dos objetos na segurança nacional.

Em maio passado, o piloto aposentado da Marinha Ryan Graves disse ao programa "60 Minutes" da CBS que tinha visto os objetos em espaço aéreo restrito na costa leste e que ele e seus colegas encontraram esses objetos "todos os dias por pelo menos alguns anos"

Tanto o The Times quanto a CNN informaram no início deste mês que o governo federal não chegou a uma conclusão definitiva sobre o que os objetos são ou como eles parecem operar - nem descartou a possibilidade de que os objetos possam ser obra de uma potência estrangeira como como Rússia ou China. No entanto, o governo também não descartou que os objetos possam ser algo fora deste mundo, segundo os relatórios.

Céticos, incluindo vários cientistas, disseram que os supostos OVNIs podem ser qualquer número de - em última instância - objetos terrestres que parecem estar se movendo além do reino da tecnologia moderna por causa de qualquer número de variáveis. Essas variáveis ​​variam da paralaxe à ilusão de hipervelocidade, ao observar um objeto em movimento rápido de outro objeto em movimento rápido, enquanto ambos estão viajando em direções opostas (como fazem as aeronaves).


Fotos e vídeo mostram objetos voadores não identificados movendo-se sobre navios de guerra da Marinha dos EUA

MYSTERY WIRE - Imagens incríveis vazaram de uma investigação secreta do Pentágono sobre OVNIs.

A Força-Tarefa UAP tem reunido evidências para um relatório abrangente para o Congresso, que será lançado em junho, que inclui fotos e vídeos de encontros de OVNIs com meios militares dos EUA, incluindo destróieres da Marinha na costa sul da Califórnia.

Parte do relatório é para educar outros militares e oficiais de inteligência sobre a natureza do mistério UFO.

As novas imagens foram coletadas pela Força-Tarefa e obtidas pelo cineasta investigativo Jeremy Corbell, que confirmou sua autenticidade. O Mystery Wire confirmou independentemente que os materiais visuais estão incluídos na apresentação de briefing preparada pela Força-Tarefa UAP.

Vários navios de guerra dos EUA baseados em San Diego foram repetidamente zunidos por intrusos aéreos desconhecidos. Histórias de encontros estranhos vieram à tona no verão passado, inicialmente focadas no contratorpedeiro da Marinha USS Kidd.

Um mês atrás, mais documentação apareceu na forma de registros de navios, que confirmaram que intrusos aéreos foram vistos por tripulações a bordo de vários navios de guerra em águas restritas ao largo da costa do sul da Califórnia.

  • USS Kidd
  • USS Russell
  • USS Paul Hamilton
  • USS John Finn
  • USS Rafael Peralta

Os objetos foram descritos como drones. Mas não havia nenhuma descrição de onde eles vieram ou quem poderia estar controlando-os.

Um vídeo notável foi gravado em julho de 2019 por oficiais da Marinha usando um dispositivo de visão noturna, mostrando o que parecem ser objetos em forma de pirâmide pairando 200 metros acima de um contratorpedeiro da Marinha.

“Este (vídeo) foi tirado no desdobramento do USS Russell”, disse Corbell. “Mostra o que eles descreveram como veículos. E eles fizeram uma grande distinção. Eles se certificaram neste briefing classificado, fizeram uma grande distinção de que isso não é algo que possuímos ou um projeto negro, isso não é algo de um militar estrangeiro, que eles estavam se comportando de maneiras que não esperávamos. E que eles eram formados não aerodinamicamente. Como pirâmides, estas são pirâmides voadoras! ”

O vídeo é uma das várias formas de evidência visual reunidas pela Força-Tarefa UAP para documentar encontros bizarros relatados pela Marinha dos EUA durante os últimos dois anos, incluindo fotos de três drones estacionários de origem desconhecida, relatados no início desta semana.

Esta semana, o Mystery Wire compartilhou fotos tiradas pela tripulação de um F / A-18 na costa da Virgínia em março de 2019.

Alguns críticos pensam que são simplesmente drones ou balões, mas a Marinha e a Força-Tarefa os listam como desconhecidos. Eles também estão incluídos no briefing da Força-Tarefa. O relatório geral é classificado, mas as imagens não.

  • O dirigível metálico
  • A esfera
  • A bolota

Corbell diz que o briefing lista vários eventos envolvendo vários navios ao longo de alguns dias. “Isso foi em julho de 2019. Ficou cada vez mais estranho”, disse Corbell. “Nos dias 14 e 15 de julho, houve alguns avistamentos de drones. E, por falar nisso, nos outros navios, aconteceram coisas diferentes. Portanto, alguns eram como luzes que faziam oitos e formas e curvas de 90 graus. Outros eram como uma luz de cor diferente, como vermelho. ”

Imagens estáticas de vídeo gravado pela Marinha dos EUA mostrando UAPs em forma de pirâmide voando acima do USS Russell. (Imagem fornecida por @JeremyCorbell)

Entre as outras imagens da época está um objeto esférico fotografado pela tripulação do USS Omaha enquanto voava nas proximidades e, em seguida, descia para o oceano. A Marinha o chamou de veículo transmédio.

Imagens da Marinha mostrando viagens de esfera transmídia do ar para o subaquático. (Imagem fornecida por @JeremyCorbell)

“Onde eles pousaram? De onde eles vieram? Como eles percorreram a distância? ” Corbell perguntou durante uma gravação de podcast Mystery Wire. “Como eles conseguiram a fonte de energia para as luzes? Como eles poderiam escapar da detecção? ”

Se alguém na Marinha ou na Força-Tarefa UAP sabe, ninguém está falando oficialmente.

Os misteriosos drones, as esferas, as pirâmides voadoras, o dirigível metálico são considerados verdadeiros desconhecidos.

Mystery Wire verificou independentemente que as imagens visuais obtidas por Corbell foram preparadas pela UAP Task Force.

UDPATE: O Pentágono respondeu na sexta-feira, 9 de abril, a um pedido de comentário sobre as imagens e o vídeo. Um porta-voz do Pentágono enviou à Mystery Wire a seguinte declaração:

“Posso confirmar que as fotos e vídeos mencionados foram feitos por militares da Marinha. A UAPTF incluiu esses incidentes em seus exames em andamento. Como dissemos antes, para manter a segurança das operações e evitar a divulgação de informações que possam ser úteis a potenciais adversários, o DOD não discute publicamente os detalhes das observações ou dos exames de incursões relatadas em nossos campos de treinamento ou espaço aéreo designado, incluindo aqueles incursões inicialmente designadas como UAP. ”

SUSAN GOUGH, PENTAGON SPOKESPERSON

Copyright 2021 Nexstar Media Inc. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.


O que está acontecendo com a Marinha dos EUA confirmando que a filmagem do OVNI era real e por que ninguém está falando sobre isso?

Nos últimos dias, a Marinha dos Estados Unidos, supostamente, anunciou acidentalmente que esta filmagem https://youtu.be/3RlbqOl_4NA era autêntica. Eu pensei que isso seria um grande negócio, já que eles certamente não se parecem com a Terra e se for, por que o Reddit e especialmente r / conspiração não estão falando sobre isso? Além disso, o que podemos tirar deles anunciando que é um vídeo genuíno, como o que esse OVNI poderia ser além dos alienígenas? Desculpe se isso não está claro ou se estou sendo ingênuo, agradeço antecipadamente!

Updates: Hey everyone, it’s cool to see so many people interested in this such as myself, u/fizikz3 provided me with a link https://youtu.be/ViCTMn-6muE to a video of the pilots recalling the events. It’s super interesting and was only filmed earlier this year. Him really getting into the event starts at around 7:02, this pretty much rules out basic aircraft or known drones. Crazy stuff! Also feel free to dm if you think this is fake and for fame and have evidence as i’ll take the link down.

u/pm_me_your_rowlet sent me this https://youtu.be/PRgoisHRmUE mini-documentary on the event. It is super interesting and explains a lot, the fact that the US Navy confirmed all if this to be authentic is insane. I really recommend watching the mini-doc as it’s only 30 minutes long!!

Friendly reminder that all top level comments must:

attempt to answer the question, and

start with "answer:" (or "question:" if you have an on-topic follow up question to ask)

Please review Rule 4 and this post before making a top level comment:

Eu sou um bot e esta ação foi executada automaticamente. Por favor contate os moderadores deste subreddit se você tiver alguma dúvida ou preocupação.

Answer: NYT did a story on it back in may. They still don't know what it is, and refuse to speculate, but we've known about it for a little while. Not sure why it's coming back up again.

One could add the obvious "UFO does not mean extraterrestrial, or from an alien civilization"

In a series of statements obtained exclusively by The Black Vault, the U.S. Navy confirms three UFO related videos represent what they call “unidentified aerial phenomena” or UAPs. Originally released by the New York Times and To The Stars Academy of Arts & Science (TTSA) beginning in December of 2017, the three videos are commonly referred to as the “FLIR1,” “Gimbal” and “GoFast” (the third being released in March 2018). According to TTSA’s website, the clips represent, “… the first official evidence released by the US government that can be rightfully designated as credible, authentic confirmation that unidentified aerial phenomena (UAP) are real.” The Navy’s official position now confirms TTSA’s claims, at least, in part.

“The Navy designates the objects contained in these videos as unidentified aerial phenomena,” said Joseph Gradisher, official spokesperson for the Deputy Chief of Naval Operations for Information Warfare. When asked why the phrase “UAP” is now utilized by the U.S. Navy, and not “UFO,” Mr. Gradisher added, “The ‘Unidentified Aerial Phenomena’ terminology is used because it provides the basic descriptor for the sightings/observations of unauthorized/unidentified aircraft/objects that have been observed entering/operating in the airspace of various military-controlled training ranges.”

However, the Navy also asserts that the three videos were never cleared for public release, thus confirming the official stance of the Pentagon originally issued to The Black Vault in May of 2019, and contradicting TTSA’s widespread claims the U.S. government “declassified” the footage for public consumption.

Probably coming back up again because the Raid is in 2 days.

Iirc, before, this footage was just leaked, but now the navy is saying it is legit, but most of the people who would speculate on it already did, assuming it was legit, at least for the sake of conversation and speculation.

If it’s not aliens, wouldn’t it be just as scary that there is a man made object flying around like that, going that fast, that the military has no idea what it is?

also, acknowledge of a ufo isn't anything but saying "I don't know"

this is an example of how ufo has become a boogeyman through cultural narration. which is happening a lot these days.

Tom Delonge probably needs some money for his business.

Isn't invade area 51 coming up in the next few days?

If you want the input of someone who has been looking into this stuff for most of his life, I can input here a bit.

First, id like to say that while I am interested, I certainly wouldnt call myself a believer. I try to approach it in an unbiased manner. I in NO WAY claim to be an expert, and I am. Quite capable of being wrong. This is a hobby for me. Not academic.

The odd thing is that this isn't the first time the videos have been acknowledged by the govt saying they dont know what it is.

Now for my theory. For this theory, let's pretend that we have been visited and are being visited by full on extra terrestrials. The whole shebang.

There is a popular concept amongst UFO/alien enthusiasts called "DISCLOSURE".

Very basically, the idea is that our govt knows they exist. They also know that they can't keep it hodden from the general public forever. They fear we will panic, causing markets to crash or otherwise cause sheer pandemonium. Now like I said, this explanation is basic, so I wont go down the rabbit hole of possible scenarios of why the fovt might be worried. Anyways, the theory states that the best course of action would be to ease the people into the idea, so that when the day comes that aliens are indisputably revealed to exist, the shock to society will be minimized.

Now, sure. To many of you this sounds crazy. It very well could be. The interesting thing though is that you can point to major moments on record that lend itself to the possibility. For an example, about 10-15 years ago, the Pope stated that it was okay to believe aliens exist.

Another early examples very well be project blue book contents being made available with certain lines and passages blanked out. If you are asking what project blue book is, thats a story for another post.

This and a few other recent statements, if I were to guess (assuming this theory is true) I would say that this could be the Gov't.s attempt at testing the waters. They dont st its aliens, but they probably know what people are thinking when they see the reports. They want to see how we react. E adivinha? We didn't. Now, maybe they are testing just to test, or maybe they are seeing if they are ready to move on to another phase. IF I am right, and thats a big if, we could see some interesting things happen over the next decade or two.

But like I said, I'm no expert. I'm no believer. I'm just an interested dude who keeps his mind open to the possibility.


U.S. Navy Had a UFO Encounter According to Leaked Military Report

The reported UFO disturbance was said to descend rapidly from approximately 60,000 feet down to approximately 50 feet in seconds.

A recently leaked alleged military report details an incredible encounter between the USS Nimitz Carrier Strike Group (CSG) and an unidentified aircraft. U.S. Navy F-18 jet fighter pilots described the object as looking like a giant, white Tic Tac, and say it moved to evade them by shooting off at “supersonic” speeds. The USS Nimitz CSG encountered the objects over several days in 2004 off the coast of California. The most shocking parts of the report speculate that the UFO could have had the ability to “‘cloak’ or become invisible to the human eye” and “possibly… operate undersea completely undetectable by our most advanced sensors.”

Den of Geek contacted several individuals close to the case to confirm the document’s legitimacy. Last December, The New York Times posted an article revealing a Pentagon project called the Advanced Aerospace Threat Identification Program (AATIP) that was secretly investigating credible UFO cases. The world was tipped off to the existence of the project by the man who was recently in charge of the project, Luis Elizondo. Elizondo retired in Oct. 2017 because the government did not take the UFO situation seriously enough. He says there are “many accounts from the Navy and other services of unusual aerial systems interfering with military weapon platforms and displaying beyond-next-generation capabilities,” and that “there remains a vital need to ascertain capability and intent of these phenomena for the benefit of the armed forces and the nation.” The New York Times article included two videos allegedly representing cases of UFOs caught on video by military aircraft. Little information about the videos is available. However, the other was said to be from an encounter between an unknown object and the USS Nimitz CSG off of the coast of San Diego in 2004. Soon after the New York Times article was released, there was a worldwide storm of press on the secretive UFO program. Elizondo and Commander David Fravor, one of the U.S. Navy jet fighter pilots who encountered the unidentified object, participated in several interviews. However, no official documents were released. On May 18, 2018, Las Vegas KLAS Channel 8’s I-Team posted an article about a leaked report they had obtained. The I-Team claims the report was “prepared by and for the military.” They obtained the report during “a whirlwind trip to Washington for a debriefing arranged by former Senator Harry Reid.” Reid had been instrumental in securing funding for the creation of AATIP.

According to the I-Team, the leaked report was put together in 2009 “with input from multiple agencies.” The report begins with an executive summary, makes several key assessments, describes the technology involved in the incident, and then describes the accounts of the personnel involved.

The executive summary reveals encounters with what they call Anomalous Aerial Vehicles (AAVs) occurred over several days, from Nov. 10 to 16, 2004 off the west coast, just before the USS Nimitz CSG left for the Arabian Sea. According to the report, “The USS Princeton on several occasions detected multiple Anomalous Aerial Vehicles (AAVs) operating in and around the vicinity of the CSG.” “The AAVs would descend ‘very rapidly’ from approximately 60,000 feet down to approximately 50 feet in a matter of seconds,” the report continues. “They would hover or stay stationary on the radar for a short time and depart at high velocities and turn rates.” According to the report, on Nov. 14, 2004, they got a closer look at one of these AAVs. It was a bright day with “blue skies, no clouds, and unlimited visibility.” After completing their training mission, two F-18s, call signs FASTEAGLE 01 and 02, were directed by the USS Princeton, a guided missile cruiser in the USS Nimitz CSG, to an unknown target. The USS Princeton also asked what weapons they had onboard, which was unusual. One of the pilots, U.S. Navy Commander David ‘Sex’ Fravor in FASTEAGLE01, says the first thing he noticed at the location of the AAV was a “disturbance of water” in the sea. He scanned the area and noticed the AAV was just above the disturbance, which he said: “looked like frothy waves and foam almost as if the water was boiling.” A U.S. Marine Lieutenant Colonel piloting an F-18 was also sent in to take a look. He was asked to stay above 10,000 feet as other planes were coming in lower. He also spotted the disturbance in the water. “The disturbance appeared to be 50 to 100 meters in diameter and close to round,” according to the report. “It was the only area and type of whitewater activity that could be seen and reminded him of images of something rapidly submerging from the surface like a submarine or ship sinking. It also looked like a possible area of shoal water where the swell was breaking over a barely submerged reef or island.”

Ad – content continues below

EXCLUSIVE REPORT: Can Humans Survive in Space Long Term?

At around the same time, FASTEAGLE01 descended to about 12,000 to 16,000 feet to get a closer look. FASTEAGLE02 stayed back and maintained an altitude of approximately 20,000 feet. Fravor said the object hovered in place. He described the object as looking “like an elongated egg or a ‘Tic Tac’ and had a discernible midline horizontal axis. However, the object was uniformly white across the entire body. It was approximately 46 feet in length.” The name of the pilot in FASTEAGLE02 was redacted from the report, but he had a similar description. He said the AAV was “solid white, smooth, with no edges. It was uniformly colored with no nacelles, pylons, or wings.” He said it did not glow or reflect sunlight, and “it looked like it had a white candy-coated shell, almost like a whiteboard.” His report did differ slightly from Fravor in that he says the object did appear to be moving. Fravor decided to make a close pass of the object to try and identify it. He says as he approached, the AAV seemed to “recognize us.” He said the object realigned itself and “pointed” in his direction. The disturbance on the water also stopped. As Fravor continued his approach, the object suddenly shot up at “a supersonic speed.” Fravor asked if the USS Princeton still had the AAV on the radar, and at first was told “no.” Soon after, the USS Princeton told Fravor, “you’re not going to believe this, it’s at your CAP.” The CAP was the area Fravor had been training in earlier in the day. The USS Princeton added, the AAV “had climbed to approximately 24,000 feet.” They tried to locate the object, but it and the disturbance in the ocean were gone. Although the AAV was not seen by Fravor again, this was not the last of the anomalous activity for the day. During training exercises, the USS Nimitz CSG acquired a weak radar target. The pilot of the F-18 attempting to track the object said, it “just appeared the radar couldn’t hack it.” However, he was able to spot the object using his Forward Looking Infrared (FLIR) camera. The pilot was at 20,000 feet traveling at 300 knots, and estimated the object was at about the same altitude or a “few thousand feet below.” The object appeared to be stationary on the FLIR camera, then moved out of the camera’s field of view and contact with the object was lost. A portion of this video was released in the New York Times article, although the pilot said he was not sure if it was the same object Fravor saw earlier in the day. He also said he only caught it on camera and never saw it with his own eyes. After he lost contact with the object, the pilot returned to his training mission. The USS Nimitz CSG included the USS Louisville Los Angeles-class fast attack submarine. Researchers asked a USS Louisville officer if their sonar caught any of the disturbance reported. The officer replied they had received “no unidentified sonar contacts in the vicinity of the aerial sightings or at any time during operations off the coast of California.” Thus the report concluded, “Based on the lack of detection of any unidentified sonar contacts it is highly unlikely that an AAV operated below the surface of the ocean.” Then the report continued with some shocking speculation. “It is possible the AAV demonstrated the ability to be cloaked or invisible to the human eye based on pilot reporting of the water disturbance with no visible craft,” the report explains. “Based on the assessment of Mr. [withheld] if the AAV did operate underwater undetected it would represent a highly advanced capability given the advanced capability of our sensors.”

EXCLUSIVE REPORT: Scott Kelly Saw The Unexplainable in Space

The report also made note of a significant amount of ridicule the pilots involved with the AAV incident received once back on the carrier. Fravor said when he was back onboard he reported to the Carrier Intelligence Center (CVIC). Once he got there, he says, “CVIC had donned tin-foil caps and wanted to know about the ‘UFO flight.’” CVIC completed a mission report (MISREP) on the incident, but the Carrier Air Wing Intelligence Officer was not taking the situation seriously. Out of respect for Fravor, who is described as “a very experienced and highly respected squadron commanding officer,” the report was sent up to the Commander of the Air Wing, who also did not take the incident seriously.

According to the report, “When asked what [the Commander of the Air Wing] thought the AAV was he replied that he believed it was part of a counter drug operation based on the area of operations.” The author of the leaked report disagreed and wrote these “key assessments.”

The Anomalous Aerial Vehicle (AAV) was no known aircraft or air vehicle currently in the inventory of the United States or any foreign nation.

The AAV exhibited advanced aerodynamic performance with no visible control surfaces and no visible means to generate lift.

The AAV exhibited advanced propulsion capability by demonstrating the ability to remain stationary with little to no variation in altitude transitioning to horizontal and/or vertical velocities far greater than any know aerial vehicle with little to no visible signature.

The AAV possibly demonstrated the ability to ‘cloak’ or become invisible to the human eye or human observations.

The AAV possibly demonstrated a highly advanced capability to operate undersea completely undetectable by our most advanced sensors.

Since KLAS leaked this report, there have been some doubts as to whether the military wrote it. Doubters have claimed the report does not follow the correct format, is speculative, and lists Wikipedia as sources in a couple of instances. I-Team member George Knapp, who wrote the article releasing the report, said he was not able to share more information about his sources at the time we contacted him. However, Leslie Kean, one of the authors of the December New York Times article, tweeted the report and wrote, “This was provided to us at the NY Times by a source in 2017. It was not classified I can confirm that it’s legit.” When we contacted Kean, she said she doesn’t know for sure, but she thinks the group contracted by AATIP, Bigelow Aerospace Advanced Space Studies (BAASS), put it together. She is probably right. The New York Times article reported Bigelow Aerospace was contracted to perform UFO investigations for AATIP. Robert Bigelow, a Las Vegas businessman and owner of the hotel chain Budget Suites of America, founded Bigelow Aerospace. Bigelow has had a lifelong interest in UFOs and the paranormal. He is also interested in space. He founded Bigelow Aerospace in 1995 and it has become a significant player in the commercial space industry. BAASS is the division in Bigelow Aerospace dedicated to exploring the unknown. Dr. Eric Davis is an astrophysicist who has worked with BAASS and he recently responded to comments on social media that were criticising the format of the leaked Nimitz report. “The 2009 Nimitz Tic-Tac UFO report is a typical sensitive-but-unclassified Navy component agency field investigation report, and I know the investigators/authors,” Davis wrote on Facebook. “The report followed the investigators’ own document/report format as there was no requirement for them to use any specific [Department of Defense] or [U.S. Navy] component agency document format.” Further confirmation came from documentary filmmaker Jeremy Corbell. Corbell is currently working on a project with Knapp regarding BAASS investigations and has been researching the Nimitz UFO event for several years. Corbell has been in contact with Fravor and he told Den of Geek that, according to Fravor, the report leaked by Knapp and KLAS is the most accurate account of the events he has seen. Corbell also says he has spoken with military sources who say the Tic Tac object actively jammed the F-18s radars. There was a large round object spotted under the water at the disturbance that some believe the Tic Tac object docked with, and that the large round object was seen leaving the water.

Corbell says he will be releasing more information on his investigation sometime in the future, but even without Corbell’s claims, the Nimitz report is mind-boggling, and according to Elizondo, there are more UFO cases in the Pentagon files just as juicy. “There are many, many Nimitz incidences that are equally compelling, that are told from the eyes of people like Commander Dave Fravor,” Elizondo told KLAS . According to KLAS , “Another highly classified version [of the Nimitz report] was also written but is unlikely to ever be released.” When contacted by Den of Geek , Elizondo said he had seen a military report on the Nimitz incident but had not yet seen the report released by KLAS , so he is not sure if it was the same report. However, Elizondo said Knapp is a professional journalist, and he is sure Knapp would use credible sources. When we commented to Elizondo on the shocking nature of the Nimitz report, he replied, “You ain’t seen nothing yet, baby!”


Ao nos fornecer seu e-mail, você está optando por participar do Navy Times Daily News Roundup.

Taking the ‘U’ out of ‘UFO’

“Situational awareness” is the military term for having complete understanding of the environment in which you are operating. A UFO represents a gap in situational awareness.

At the moment, when a Navy pilot sees something strange during flight, just about the only thing he or she can do is ask other pilots and air traffic control what they saw in that place at that time.

Globally, the number of UFO reportings in a year has peaked at more than 8,000. It’s not known how many the military experiences.

Even the most heavily documented incidents end up unresolved, despite interviewing dozens of witnesses and reviewing many written documents, as well as lots of audio and video recordings.

UFOs represent an opportunity for the military to improve its identification processes. At least some of that work could be done in the future by automated systems, and potentially in real time as an incident unfolds.

Military vehicles – Humvees, battleships, airplanes and satellites alike – are covered in sensors. It’s not just passive devices like radio receivers, video cameras and infrared imagers, but active systems like radar, sonar and lidar.

In addition, a military vehicle is rarely alone – vehicles travel in convoys, sail in fleets and fly in formations. Above them all are satellites watching from overhead.

/>The Navy is reportedly drafting guidelines on how to report UFO sightings, like the apparent one here, seen in a declassified Department of Defense video. (DoD screenshot)

Drawing a complete picture

Sensors can provide a wealth of information on UFOs including range, speed, heading, shape, size and temperature.

With so many sensors and so much data, though, it is a challenge to merge the information into something useful.

However, the military is stepping up its work on autonomy and artificial intelligence. One possible use of these new technologies could be to combine them to analyze all the many signals as they come in from sensors, separating any observations that it can’t identify.

In those cases, the system could even assign sensors on nearby vehicles or orbiting satellites to collect additional information in real time. Then it could assemble an even more complete picture.

For the moment, though, people will need to weigh in on what all the data reveal. That’s because a key challenge for any successful use of artificial intelligence is building trust or confidence in the system.

For example, in a famous experiment by Google scientists, an advanced image recognition algorithm based on artificial intelligence was fooled into wrongly identifying a photo of a panda as a gibbon simply by distorting a small number of the original pixels.

So, until humans understand UFOs better, we won’t be able to teach computers about them.

In my view, the Navy’s new approach to reporting UFO encounters is a good first step. This may eventually lead to a comprehensive, fully integrated approach for object identification involving the fusion of data from many sensors through the application of artificial intelligence and autonomy.

Only then will there be fewer and fewer UFOs in the sky – because they won’t be unidentified anymore.

Op-Ed: US must win the race to develop hypersonic missiles

After leading the development of this technology area for decades, the U.S. finds itself behind and investing heavily in the technology to try to keep up.

Dr. Iain D. Boyd is the James E. Knott Professor of Engineering in the Department of Aerospace Engineering at the University of Michigan. His research interests involve the development and application of physical models and computational methods for analysis of nonequilibrium gas and plasma dynamics processes in aerospace systems.


Assista o vídeo: Marinha dos EUA confirma existência de OVNIs por vídeos! - TecMundo Drops (Outubro 2022).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos