Novo

Cerco de Ticonderoga, 6 a 8 de julho de 1758 (América)

Cerco de Ticonderoga, 6 a 8 de julho de 1758 (América)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Ticonderoga, defesa de, 6-8 de julho de 1758 (América)

Derrota britânica no Canadá durante a guerra francesa e indiana. Os britânicos, sob o comando do general James Abercromby, estavam decididos a atacar Montreal. Para fazer isso, eles sabiam que tinham que tomar o Forte Ticonderoga, que bloqueava seu avanço. Os franceses também sabiam disso e, em junho de 1758, Louis de Montcalm chegou para assumir o comando pessoal, aumentando a guarnição do forte de 1.000 para 5.000 homens. Em contraste, Abercromby tinha 15.000 homens e suprimentos e artilharia suficientes para permitir que ele matasse os franceses de fome ou bombardeasse o forte até sua submissão. Em vez disso, no dia seguinte à chegada ao forte, e agindo com base em um único relatório de um oficial subalterno, que alegou que as defesas do forte eram fracas e poderiam ser facilmente atacadas, ordenou um ataque frontal nas linhas francesas. Montcalm construiu uma linha de defesas externas, a cerca de 300 metros do Forte, na qual colocou 3.000 soldados regulares, a elite de sua força. O ataque britânico foi lançado ao meio-dia, mas atolou nas defesas externas e, após uma tarde de combates, Abercromby retirou suas tropas. Ele sofreu 2.000 baixas, em comparação com apenas 372 do lado francês, mas ainda superava a guarnição francesa e, mesmo assim, depois de sofrer uma única repulsa, Abercromby retirou-se de Ticonderoga, abandonando o avanço em Montreal e aumentando a reputação de Montcalm.

Livros sobre a Guerra dos Sete Anos | Índice de assuntos: Guerra dos Sete Anos


O cerco do forte Ticonderoga (1777)

Se tudo tivesse ocorrido de acordo com o plano do general John Burgoyne, 1777 teria sido o ano em que o Império Britânico pôs fim à rebelião em suas colônias norte-americanas.

Em agosto de 1776, um exército de 32.000 soldados britânicos sob o comando do General William Howe, transportou através do Atlântico a maior frota da história naval britânica, expulsou George Washington e o Exército Continental da cidade de Nova York, então inteiramente de Nova York . Enquanto Washington mantinha viva a nascente causa americana com vitórias dramáticas em Trenton e Princeton, sua posição permanecia precária.

Um retrato de John Burgoyne, por volta de 1766. Wikimedia Commons

De volta a Londres, o general John Burgoyne propôs um plano para a campanha de 1777 que esmagaria o exército de Washington e arrancaria o coração da rebelião. Howe avançaria com seu exército rio Hudson da cidade de Nova York, enquanto Burgoyne se moveria para o sul do Canadá com uma segunda força. Esses dois exércitos esmagariam Washington entre eles e se uniriam em Albany, destruindo o exército rebelde e isolando a Nova Inglaterra, o coração da rebelião, do resto das Treze Colônias.

O general Burgoyne e seu exército de quase 8.000 regulares britânicos, hessianos, legalistas americanos e nativos americanos começaram sua campanha em meados de junho. O primeiro obstáculo que Burgoyne teria de superar seriam as defesas americanas no extremo sul do Lago Champlain, em torno do Forte Ticonderoga.

Em 1777, o Forte Ticonderoga já era um local histórico. O forte foi construído pelos franceses em 1755, durante as guerras francesa e indiana. Em 1758, as tropas britânicas tentaram e não conseguiram capturar o forte na batalha mais sangrenta travada na América do Norte até a Guerra Civil. Os britânicos conseguiram tomar posse do forte no ano seguinte, quando os franceses o abandonaram e se retiraram para o norte, para o Canadá. Em maio de 1775, o Forte Ticonderoga foi capturado por Ethan Allen e pela milícia Green Mountain Boys. A artilharia do forte foi transportada para o sul durante o inverno de 1775 e colocada em terreno elevado nos arredores de Boston em março de 1776, o que forçou os britânicos a evacuar a cidade.

O Forte Ticonderoga foi a primeira linha de defesa dos americanos contra uma invasão britânica do Canadá. Além do forte em si e das Linhas Francesas, as velhas trincheiras fora do forte que sobraram da batalha em 1758, os americanos também construíram fortificações no Monte Independence, do outro lado do Lago Champlain. Burgoyne e seu exército teriam que superar essas posições para continuar seu avanço para o sul em direção a Albany.

Uma pintura de Arthur St. Clair, feita no início da década de 1780. Wikimedia Commons

Burgoyne comandava cerca de 8.000 homens, enquanto os americanos sob o comando do general Arthur St. Clair somavam cerca de 2.000. Para capturar o Forte Ticonderoga e o Monte Independência, Burgoyne dividiu seu exército em dois. Uma força de tropas alemãs, principalmente de Brunswick e Hesse-Hanau e comandada pelo General Friederich Baron von Riedesel, desembarcou no lado leste do Lago Champlain. O objetivo deles seria cercar o Monte Independence e cortar a rodovia militar que ia do Forte Ticonderoga, através de uma ponte sobre o Lago Champlain e ao sul em New Hampshire. No lado oeste do lago, os casacas vermelhas avançaram para cercar e sitiar o Forte Ticonderoga.

O avanço de Hessian foi retardado por terreno difícil, mas os britânicos progrediram rapidamente. Em 2 de julho, soldados do Brigadeiro Simon Fraser's Advance Corps capturaram as posições americanas mais externas em Mount Hope. Nos três dias seguintes, as tropas britânicas cercaram o Forte Ticonderoga em seu lado terrestre. Em 5 de julho, tropas britânicas ocuparam o cume do Pão de Açúcar. Este pedaço de terreno elevado dava para o Forte Ticonderoga e o Monte Independence, mas não havia sido fortificado pelos americanos. O General St. Clair não havia enviado tropas para guardar o Pão de Açúcar porque não havia nenhuma fonte de água doce disponível para os homens acampados no cume.

Canhões montados no Morro do Pão de Açúcar poderiam dominar as posições americanas, mas colocar a artilharia no Morro do Pão de Açúcar exigiria o corte de uma estrada até a encosta arborizada e o manuseio dos canhões pesados ​​até o cume. O major-general britânico William Philips afirmou que: “Onde uma cabra pode ir, um homem pode ir, e onde um homem pode ir, ele pode arrastar uma arma”.

Uma pintura das tropas britânicas no Lago Champlain, perto do Forte Ticonderoga. Biblioteca Britânica

Quando os americanos no Forte Ticonderoga avistaram tropas britânicas e fogueiras no cume do Pão de Açúcar, o General St. Clair ordenou a evacuação imediata do forte e do Monte Independência, para ser realizada naquela noite. Suprimentos, soldados feridos e não combatentes foram carregados em uma frota de barcos, que zarparam pelo lago Champlain até o porto de Skenesboro. A guarnição do forte recuou através da ponte sobre o lago e se uniu à guarnição do Monte Independence. O exército marchou para o sul e na manhã seguinte, eles haviam alcançado Castleton (na atual Vermont). Os britânicos não sabiam que os americanos haviam abandonado suas posições até a manhã de 6 de julho. Burgoyne deixou uma pequena guarnição para ocupar o Forte Ticonderoga e começou a perseguir os americanos em retirada.

Quando a notícia da queda do Forte Ticonderoga chegou a Londres, o Rei George III teria irrompido no quarto de sua esposa e exclamado: "Eu os venci! Eu venci todos os americanos! ” No entanto, o sucesso de Burgoyne duraria pouco. Os britânicos foram incapazes de pegar a força americana antes que ela se juntasse a reforços mais ao sul. Muitos dos soldados americanos que escaparam do cerco do Forte Ticonderoga acabariam participando das Batalhas de Saratoga, onde Burgoyne foi derrotado e forçado a se render.


The Guns of Ticonderoga

Biblioteca do Congresso

Começando com o reinado do rei Luís XIV, os canhões produzidos para o exército francês tinham um lema latino gravado em seus barris: "Ultima Ratio Regum" ou "O Último Argumento dos Reis". Na Guerra Revolucionária Americana, os rebeldes colonos americanos transformaram esses símbolos do poder real em uma arma crítica em sua luta pela independência.

Depois das Batalhas de Lexington e Concord em abril de 1775, os britânicos recuaram para a cidade de Boston. Lá eles se viram cercados e sitiados por um exército de colonos armados. O general britânico John Burgoyne desacreditou os colonos como “um desfile absurdo” e “uma turba em armas”, mas o novo comandante deste Exército Continental viu potencial. O general George Washington escreveu que “em pouco tempo, transformaremos essas matérias-primas em coisas muito boas”. Fazendeiros e artesãos podiam ser transformados em soldados, mas os colonos tinham muito pouca artilharia e os canhões não podiam ser convocados do nada.

Quase quinhentos quilômetros de distância, na margem do Lago Champlain, havia um tesouro de artilharia. Em maio de 1775, Ethan Allen liderou uma milícia composta por colonos da atual Vermont, chamada de Green Mountain Boys, em um ataque surpresa que capturou o Forte Ticonderoga e sua pequena guarnição britânica sem disparar um tiro. Com esse ato de “empreendimento roubado”, como descreveu um escritor britânico, os rebeldes tomaram posse de duzentos canhões. A maioria dos oficiais achava que mover as armas do Forte Ticonderoga até Boston era impossível, mas Henry Knox pensava o contrário.

Knox era livreiro antes do início da guerra, e sua livraria era conhecida como “um salão matinal da moda” que contava com John Adams entre seus clientes regulares. Depois de Lexington e Concord, Knox e sua esposa escaparam de Boston disfarçados. Com uma comissão como coronel do Exército Continental, Knox foi para Washington e previu com segurança que, uma vez que os canhões fossem levados de barco do Forte Ticonderoga para o extremo sul do Lago George, levaria menos de vinte dias para transportá-los por terra para Boston.

Henry Knox partiu para o Forte Ticonderoga em 16 de novembro de 1775. Assim que chegou ao forte, ele selecionou 58 peças de artilharia para levar de volta a Boston. A maioria das peças de artilharia eram canhões de “12 libras” ou “18 libras” (dependendo do peso da bala de canhão que disparavam). Knox também trouxe um enorme canhão de 24 libras, apelidado de “Old Sow”, que pesava mais de 2.000 libras e vários canhões de morteiro de arco alto que pesavam uma tonelada cada. No total, o "nobre trem de artilharia" de Henry Knox pesava 120.000 libras, ou 60 toneladas.

Em 9 de dezembro de 1775, três barcos carregados de artilharia zarparam no Lago George. Viajar 40 milhas abaixo do lago coberto de gelo levou oito dias. Uma vez que a artilharia estava na margem sul do lago, Knox e seus homens usaram mais de meia milha de corda para prender os canhões a 42 trenós. O transporte dos canhões mais pesados ​​exigia oito cavalos e, às vezes, bois adicionais.

A jornada em terra exigia cruzar o rio Hudson congelado quatro vezes. O líder de cada equipe de trenó carregava um machado, de modo que, se um canhão caísse no gelo, eles pudessem cortar as cordas antes de arrastar os cavalos para baixo da água também. O próprio Henry Knox quase morreu congelado enquanto tentava andar por um metro de neve em uma nevasca. Em uma carta a Washington, ele escreveu que “não é fácil conceber as dificuldades que tivemos”, mas nenhum canhão foi perdido. Henry Knox e seu nobre trem de artilharia chegaram ao acampamento do Exército Continental fora de Boston no final de janeiro de 1776. A viagem que Knox estimou que levaria dezesseis ou dezessete dias levara quarenta.

Na noite de 4 de março, os canhões foram posicionados em Dorchester Heights, com vista para a cidade e o porto. Em 5 de março, quando o general britânico William Howe soube o que os colonos haviam feito, ele exclamou que "esses companheiros fizeram mais trabalho em uma noite do que eu poderia fazer com que meu exército fizesse em três meses". Em 6 de março de 1776, ele deu a ordem de preparação para a evacuação. No dia de São Patrício de 1776, 120 navios transportaram 9.000 soldados britânicos, 1.200 dependentes e 1.100 legalistas para fora de Boston. No convés de um navio, o comerciante George Erving disse a outros legalistas: "Senhores, nenhum de vocês verá aquele lugar novamente."

Washington Irving descreveu Henry Knox como "um daqueles personagens providenciais que surgem em emergências como se fossem formados por e para a ocasião". Sua corrida na hierarquia provou que, nesse novo Exército Continental, os homens capazes não seriam impedidos por seu status de classe, ao contrário do Exército britânico. Knox e seu "trem nobre" permitiram que os colonos obrigassem a Grã-Bretanha a recuar de Boston, uma vitória inicial crucial que elevou o moral e mostrou que os americanos tinham uma chance de vencer a guerra. As ações dessas pessoas nesses lugares ainda são importantes para nós hoje como elos críticos na cadeia de eventos que levou à criação dos Estados Unidos da América. Ao promover homens de mérito como Henry Knox, independentemente de sua classe social, George Washington fez do Exército Continental uma personificação das idéias igualitárias que a nova nação iria professar.


Britânicos começam seu avanço

Após um mês de tédio e inatividade, Abercromby finalmente deu ordem para as tropas embarcarem na noite de 4 de julho de 1758. Depois de uma noite carregada de barcos, canoas e bateaux (barcaças especiais de carga pesada), o exército começou a viaje para o norte no lago para seu encontro com o Major General Louis-Joseph, o Marquês de Montcalm, o oficial francês de alto escalão na América do Norte.

Liderando o caminho até o lago plácido vieram Robert Rogers e seus Rangers e Brig. Gen. Thomas Gage com seu 80º Regimento de Infantaria Ligeira. Atrás deles, em três colunas, vinha o restante do exército e a artilharia em pesadas chatas. Na coluna central, os regulares eram liderados pelo tenente-coronel George Howe com seu 55º regimento, enquanto as tropas americanas flanqueavam os britânicos à direita e à esquerda. O exército era tão vasto, o Boston Boletim de Notícias relatado, que virtualmente cobriu toda a superfície do Lago George.

Desde o início, o infortúnio atormentou a empresa. Às 5 da tarde, a armada havia coberto apenas 25 milhas até o Sabbath Day Point, onde os barcos pararam para esperar por bagagem e artilharia. Para piorar a situação, Abercromby deu ordens para retomar o avanço às 23h, assumindo o terrível risco de que os franceses e seus guerrilheiros indianos pudessem atacá-los no escuro. Felizmente para os britânicos, tal manobra não ocorrera a Montcalm. Em vez disso, seus rangers, sob os capitães Langy e Trepezec, apenas observaram o inimigo que se aproximava.

Por volta da madrugada de 6 de julho, o exército alcançou o Second Narrows, onde o Lago George se aproxima do Lago Champlain. Ao meio-dia, toda a força pousou em um local próximo ao Burnt Camp, onde Montcalm partiu para destruir o Fort William Henry no verão anterior. Um movimento para a frente começou com o Major Rogers, o tenente-coronel John Bradstreet e Lord George Howe. (Rogers, um fazendeiro de New Hampshire, havia levantado sua força Ranger a pedido dos britânicos em 1756.) Em pouco tempo, o topo da coluna foi preso em uma floresta densa. Parkman descreveu graficamente a situação dos homens de Abercromby: "Os guias [o grupo de Rogers] ficaram confusos no labirinto de troncos e galhos em que as colunas marchando estavam confusas e caíram uma sobre a outra. Eles estavam na estranha situação de um exército perdido na floresta. ”


Passeios VIP

Você está procurando por uma experiência única, exclusiva e única na vida em Fort Ticonderoga? Você quer calçar luvas e examinar artefatos de nossa coleção com nosso Curador de Coleções? Você aprecia tours pessoais com especialistas em suas áreas? Então, um dos passeios VIP do Fort Ticonderoga é para você!

Essas excursões VIP são conduzidas por membros da equipe profissional do museu Fort Ticonderoga e fornecem uma experiência diferente de qualquer outra. Seu grupo de quatro ou menos passa uma manhã explorando as coleções e a paisagem histórica com base em um dos três temas disponíveis.

As reservas antecipadas são necessárias e devem ser feitas com pelo menos três semanas de antecedência. As excursões são oferecidas com base na disponibilidade da equipe. O custo de US $ 1.500 inclui até três horas e meia de experiência, com almoço incluído. O pagamento total é necessário três semanas antes da excursão programada. Nenhum reembolso, no entanto, reagendar para uma data mutuamente acordada é uma possibilidade.

Os passeios VIP podem consistir em longos períodos de caminhada, subida de escadas e navegação em terrenos acidentados. Calçado adequado é recomendado. Os passeios não são acessíveis para deficientes físicos ou apropriados para quem tem dificuldade para caminhar.

Cada passeio inclui:

  • Boas-vindas e orientação
  • Experiência baseada em coleções com nosso curador de coleções
  • Uma visita guiada ou programa com um membro de nossa equipe
  • Almoço no America’s Fort Café com o membro da equipe apresentadora

Veja abaixo as opções de VIP Tour:

Tesouros de Ticonderoga

Junte-se ao Fort Ticonderoga e ao Curador de Coleções do # 8217s para um encontro exclusivo nos bastidores com o Fort Ticonderoga e as coleções de museus de classe mundial do # 8217s. Vá onde poucos foram para ver os destaques da coleção, incluindo roupas, armas e objetos pessoais de soldados do outro lado do Atlântico. Aprenda como os objetos contam suas próprias histórias do passado e como o Forte Ticonderoga usa sua rica coleção no contexto. Este programa começa no Thompson Pell Research Center, onde fica o armazenamento de nossas coleções. Após este tour de coleções, o tour terminará no próprio forte com uma visão geral da história do local, seguido por um almoço no America & # 8217s Fort Cafe para seu grupo com o líder do tour.

8 de julho de 1758: A Batalha de Carillon

Em um dia quente de julho de 1758, o Marquês de Montcalm derrotou decisivamente um exército britânico e americano superior sob o comando do General James Abercromby. A batalha seria o mais sangrento dia de ação até a Guerra Civil Americana, quase 2.000 soldados britânicos foram mortos e feridos. Junte-se ao Fort Ticonderoga e ao Curador de Coleções do # 8217s para um tour detalhado pelo campo de batalha. Siga os rastros da batalha pela paisagem épica. Esteja preparado para caminhar em uma variedade de terrenos, de mato a asfalto. A excursão retornará para um almoço no America & # 8217s Fort Cafe para seu grupo com o líder da excursão.

Preservando a revolução: as defesas americanas de Ticonderoga

Junte-se a Fort Ticonderoga e # 8217s Curator of Collections para uma visão aprofundada da série mais intacta de aterros da Guerra Revolucionária na América do Norte. Comece no Antigo Forte Francês para se familiarizar com a construção e as condições do forte antes de sua captura em 1775. Atravessando a paisagem desde as alturas de Carillon até a margem do Lago Champlain, veja as evidências de como os militares americanos resistiram deu forma à península de Ticonderoga para se defender da invasão britânica do Norte. O programa cobre mais de uma milha de terra, retornando para um almoço no America & # 8217s Fort Cafe para seu grupo com o líder da excursão.


Cerco de Ticonderoga, 6 a 8 de julho de 1758 (América) - História

Nenhum combate militar travado na América antes da Guerra Civil foi mais sangrento ou mais caro do que a Batalha de Carillon (Ticonderoga). Por mais de quatro horas durante a tarde de 8 de julho de 1758, as forças britânicas e francesas entraram em confronto implacável no interior do estado de Nova York no topo das colinas a oeste de Fort Carillon, produzindo mais de 2.400 baixas - quase 2.000 delas inglesas. Em um ano de tão memoráveis ​​triunfos britânicos, este foi realmente um desastre incrível e trágico. Ao anoitecer, o exército do Major General James Abercromby estava em plena retirada para cima do Lago George, e os corajosos franceses do Marquês de Montcalm permaneceram atrás de suas obras de terraplenagem, celebrando uma das vitórias mais milagrosas já conquistadas no continente. [1]

Passaram-se mais de quatro anos desde que George Washington ordenou que seu pequeno destacamento de guerreiros virginianos e Mingo abrisse fogo contra o grupo franco-canadense acampado em Jumonville Glen, e os esforços militares da Inglaterra contra os franceses na América do Norte ainda eram péssimos. Dezessete e cinquenta e oito destinavam-se a virar a maré em favor do rei George II. Com a ascensão de William Pitt a Secretário de Estado do Departamento do Sul, tornou-se seu dever levar a cabo a guerra a sério, sem poupar despesas. Após a operação fracassada contra a Fortaleza Louisbourg e a capitulação de Fort William Henry no ano anterior, os planos para uma ofensiva em quatro frentes na América do Norte começaram a ser formulados. Esses movimentos em grande escala foram dirigidos contra os Forts Duquesne e Frontenac (localizados ao longo da costa oriental do Lago Ontário), Louisbourg (mais uma vez) e, finalmente, o Fort Carillon no topo do promontório entre os lagos Champlain e George. O esforço contra os franceses em Carillon seria liderado pelo recém-nomeado Comandante-em-Chefe das Forças de Sua Majestade na América do Norte, General James Abercromby.

Major General James Abercromby

James Abercromby nasceu em 1706 em Glassaugh, Escócia e recebeu sua primeira comissão como alferes em 1717 no 25º Regimento de Pé. Ele entrou em ação e foi ferido durante a Guerra da Sucessão da Áustria, e em 1756 ele ocupou o posto de major-general, servindo sob o comando de Lord Loudoun na América do Norte. Em dezembro do ano seguinte, ele foi oficialmente comissionado para substituir Loudoun após sua reconvocação. Para cumprimentar Abercromby durante sua ofensiva contra o Fort Carillon, o Brigadeiro General George, Visconde Howe (o irmão mais velho de Richard e William) recebeu o papel de segundo no comando da expedição. [2]

Durante junho de 1758, o exército de Abercromby de Regulares Britânicos e provinciais coloniais se reuniu ao longo da margem sul do Lago George ao lado das ruínas ainda presentes do Forte William Henry, que foi queimado por Montcalm após sua capitulação em agosto anterior. Em 5 de julho, quando o exército começou seu embarque no Lago George, os britânicos podiam contar com um total de 16.000 homens reunidos para atacar Carillon - foi a maior força militar já reunida para uma campanha no continente norte-americano. Quase 10.000 provincianos da Nova Inglaterra, Nova Jersey e Nova York juntaram-se a oito regimentos de regulares britânicos. Para se opor a eles mais de trinta e duas milhas ao norte, Montcalm tinha cerca de 3.500 homens à sua disposição com outros 500 que se juntariam a ele antes do início da batalha. [3]

Embarque do Exército de Abercromby & # 8217s, 5 de julho de 1758

Em 5 de julho, quase mil pequenos barcos e outras embarcações partiram da margem do Lago George e rumaram para o norte. O espetáculo deve ter sido incrível. Estendendo-se por sete milhas em quatro fileiras, cobrindo de costa a costa, o exército de Abercromby remou em direção ao seu destino, chegando ao seu ponto de desembarque no dia seguinte por volta das 10h. O grupo de desembarque, composto pelos Rangers de Rogers, 80ª Infantaria Ligeira de Thomas Gage e 1 º Regimento de Connecticut de Phineas Lyman, cambaleou até a costa com George Howe à frente do avanço. Os homens encontraram resistência imediatamente e começou uma batalha contínua que se estendia por vários quilômetros ao norte, perto de Bernetz Brook. Liderar a pé à frente de uma força em avanço não é lugar para o segundo em comando de um exército, mas Howe não era um general típico e é por isso que seus homens o adoravam. Às 16h, a luta se tornou mais quente durante toda a tarde, enquanto os franceses continuavam sua retirada apressada de volta às linhas de Montcalm. Durante esta competição, Howe perdeu a vida. Com seu amado líder agora morto, a confusão se acumulou e os britânicos deixaram o campo e retornaram ao local de pouso. Enquanto a escaramuça não rendeu nenhum significado tático verdadeiro, Montcalm foi alertado do desembarque de Abercromby e começou a fortificar as colinas a oeste de Fort Carillon, escolhendo enfrentar os britânicos no campo ao invés de se defender contra um cerco com seu exército em menor número. [4]

No dia seguinte, o exército de Abercromby marchou a cerca de uma milha e meia dos franceses em Carillon e acampou para a noite. Desta posição perto de uma serraria, o comandante-chefe acrescentou os toques finais ao seu plano de batalha na manhã de 8 de julho - era também daqui que ele observaria o combate, ficando bem atrás das linhas de frente. Com a perda de seu subordinado de confiança, Howe, e as novas informações de que um grande corpo de reforços franceses totalizando 3.000 homens estava se aproximando de Fort Carillon, Abercromby aparentemente perdeu o juízo. Em vez de enviar um engenheiro experiente, como o major William Eyre, do 44º Regimento de Pé, para observar a posição francesa, ele ordenou que dois de seus assessores pessoais, os capitães James Abercrombie e Matthew Clerk, avançassem e relatassem a situação. Os dois oficiais voltaram e sugeriram ao general comandante que as obras de terraplenagem francesas estavam incompletas e que a posição poderia ser facilmente carregada com um ataque frontal. Abercromby aceitou o relatório como evangelho e começou os preparativos para um ataque. [5]

Verdade seja dita, na manhã de 8 de julho, os franceses haviam de fato completado seus trabalhos defensivos oitocentos metros a noroeste do forte. A série de troncos caídos - empilhados com cerca de dois metros a dois metros de altura com brechas cortados para disparar por trás da cobertura - estendia-se da planície perto do rio La Chute ao sul através da península até o lago Champlain ao norte. A área em frente à terraplenagem foi limpa por cerca de cem metros, e uma linha de abatis foi erguida na frente da linha para impedir o avanço do inimigo. A terraplenagem era defendida por sete regimentos de regulares franceses, cada um ocupando cerca de cem metros de entrincheiramento. À direita da linha uma companhia de Troupes de La Marine (Regulares canadenses) foi posicionada e uma bateria de seis canhões foi colocada em um reduto construído à esquerda. A milícia canadense defendeu a planície perto do rio La Chute. Esta área era o ponto fraco na linha de Montcalm, mas Abercromby não conseguiu explorá-la. Um batalhão do Regiment de Berry foi deixado para trás para guarnecer o forte e levar munição para a frente. Embora Montcalm tivesse escolhido o melhor terreno perto do forte para se defender, sua posição era perigosa. Seu exército estava preso em uma península e, se sua medida defensiva falhasse, sua força seria aprisionada e cercada por um número esmagador de britânicos. As coisas poderiam começar a desmoronar para Montcalm se suas fortificações fossem destruídas pelo poder da artilharia inglesa antes que um ataque frontal começasse. Para sua sorte, no entanto, Abercromby optou que uma barragem de artilharia para preceder o ataque era desnecessária e, de fato, nenhum canhão seria necessário para auxiliar no transporte da posição francesa. [6]

Louis-Joseph, Marquês de Montcalm

Ao meio-dia e meia do dia 8 de julho de 1758, a 80ª Infantaria Ligeira, os Rangers de Rogers e um batalhão de soldados de infantaria ligeira de Massachusetts avançaram para os abatis em uma longa linha de escaramuça, levando os piquetes franceses à sua frente de volta para a terraplanagem. Com o terreno à frente da posição francesa livre, era hora de lançar o grande ataque de estilo europeu. Saindo da linha das árvores na base das alturas, mais de seis mil homens vestidos de vermelho escarlate avançaram em uma linha com três fileiras de profundidade. O bater dos tambores e o estridente dos quinze anos perfuraram o ar, e a passagem das gaitas de foles escocesas reverberou dos músicos do 42º Regimento de Pé - o “Relógio Negro” - próximo ao centro da linha. Eles avançaram com coragem destemida, apenas para serem cortados em pedaços pelos disparos de armas leves franceses ao chegarem aos abatis. Lá, os mortos e moribundos jaziam emaranhados entre os galhos enquanto seus camaradas lutavam para avançar. “O fogo estava prodigiosamente quente”, o capitão Charles Lee (sim, aquele Charles Lee) do 44º Regimento de Pé vividamente lembrou, “a matança de oficiais muito grandes, quase todos feridos, os homens ainda avançando furiosamente sem nenhum líder. ” Olhando através da fumaça em direção à linha francesa, apenas os topos dos padrões regimentais eram visíveis acima dos aterros. [7]

O efeito devastador dos mosquetes franceses forçou as linhas britânicas a ceder. Eles não conseguiam obter ímpeto suficiente para entrar nas trincheiras inimigas, muito menos escalar perto delas. Abercromby não ajudou em tudo isso. Ele permaneceu no acampamento da serraria, delegando ordens enquanto seus homens eram enviados para um moedor de carne a uma milha e meia de distância. Sua decisão de não mandar sua artilharia bombardear os franceses ou apoiar o ataque de sua infantaria estava começando a mostrar o quão caro realmente era.

Repetidamente, os regulares eram obrigados a avançar, apenas para encontrar o mesmo resultado a cada tentativa. Quase quatro horas se passaram desde que a linha inicial foi desligada e a situação estava começando a ficar desesperadora. Em um último esforço para perfurar a terraplenagem francesa e virar a maré da batalha, o 42º Regimento de Pé emergiu dos abatis e com um grito terrível as “Damas do Inferno” avançaram. Enquanto o “Black Watch” avançava pelas alturas, um oficial do 55º Regimento de Pé observou com admiração:

Com uma mistura de estima, tristeza e inveja, sou invadido pela grande perda e glória imortal adquirida pelos Highlanders envolvidos no último caso sangrento. Impacientes com a briga, eles correram para as trincheiras, que muitos deles realmente montaram. Sua intrepidez foi bastante animada e amortecida por testemunhar seus camaradas caindo de todos os lados. Eles pareciam mais ansiosos para vingar o destino de seus amigos falecidos do que cuidadosos para evitar uma morte semelhante.[8]

A “intrepidez” do 42º Regimento não foi suficiente para levar as obras. Sua dedicação e valor naquele dia custaram-lhes tremendamente. Dos cerca de 900 homens que o regimento levou para o campo com eles naquele dia sangrento, 647 foram vítimas - 314 desse número morreram no campo. Em qualquer outra batalha ou qualquer outra guerra travada na América do Norte, apenas um outro regimento, a 1ª Artilharia Pesada do Maine em Petersburgo em 18 de junho de 1864, sofreu uma perda quase maior de vidas em um único confronto. Este é um sacrifício que precisa ser mais bem lembrado. [9]

Ataque ao 42º Regimento de Pé & # 8220 The Black Watch & # 8221

Por volta das 17h, Abercromby cancelou o ataque e ordenou que seu exército se retirasse do campo. Os homens, machucados e machucados, voltaram para o acampamento da serraria e, mais tarde naquela noite, foram conduzidos de volta ao local de desembarque dois dias antes. Rumores de que Montcalm estava seguindo de perto para destruir o exército inglês espalharam-se rapidamente e a retirada tornou-se extremamente apressada - se não uma verdadeira derrota. A campanha acabou.

A vitória de Montcalm contra os britânicos em Carillon foi nada menos que um milagre. Seu exército estava em menor número de quatro para um e basicamente se prendeu na península de Ticonderoga para enfrentar o exército inglês em combate aberto para evitar um cerco. Abercromby fez uso zero de sua artilharia para enfraquecer ou destruir as defesas francesas - que de alguma forma estavam completas em menos de dois dias e convenientemente durante a manhã da batalha - e ele falhou em explorar qualquer um dos pontos fracos nos flancos de Montcalm.

Os britânicos não conseguiram capturar o exército francês em Fort Carillon e, portanto, deixaram o inimigo na posse da importante via navegável norte-sul do lago Champlain, que oferecia acesso direto ao rio Richelieu e, daí em diante, ao Canadá. A derrota sangrenta custou a Abercromby quase 2.000 homens, com mais de 800 mortos. Montcalm on the other hand incurred just fewer than 400 casualties – still roughly ten percent of his army present on the field that day. In the history of military conflict in America prior to the Civil War, only the Battles of Long Island and New Orleans come close to the 2,400 lost July 8, 1758.

The “Black Watch” Monument today on Carillon Battlefield (notice the position of the French earthworks in the rear of the photograph)

The Battle of Carillon was England’s most humiliating defeat of the French and Indian War. At no other battle during the conflict did a British/Provincial army outnumber its foe so greatly in both manpower and artillery, only to be beaten as terribly as Abercromby’s army was before the French entrenchments at Carillon. This defeat should not be put upon the shoulders of the brave men who fought with such rigor that July afternoon though. Their commanding general let them down. Abercromby’s failure to conduct proper reconnaissance and utilize his army’s artillery cost him the day. If George Howe had not been killed two days before, maybe things would have been different. Mas quem sabe? Lucky for Abercromby, the other three British offensives on the continent succeeded, so his defeat only cost him his job and not the war for his countrymen. He was replaced by Jeffrey Amherst two months later. The following year, another effort was made to take Fort Carillon with Sir Jeffrey at its head. The French ignited their powder supplies and abandoned the fort, blowing it up before a shot was fired in anger. France’s attention in North America had turned solely to defending Canada as James Wolfe’s army was threatening Quebec.

[1] William R. Nester, The Epic Battles of Ticonderoga, 1758 (Albany, NY: State University of New York Press, 2008), 156.

[3] Rene Chartrand, Ticonderoga 1758: Montcalm’s Victory against All Odds (New York: Osprey Publishing Ltd., 2000), 29.

[4] Fred Anderson, Crucible of War: The Seven Years’ War and the Fate of Empire in British North America, 154-1766 (New York: Vintage Books, 2000), 240-241 Nester, The Epic Battles of Ticonderoga, 1758, 126-131.

[6] Anderson, Crucible of War, 242 Nester, 139-140.

[7] Anderson, 243-244 Quoted in Stephen Brumwell, Redcoats: The British Soldier and War in the Americas, 1755-1763 (New York: Cambridge University Press, 2002), 28.

[8] Quoted in Archibald Forbes, The History of the Black Watch (N/A: Leonaur, 2010), 44.


Indian Trail

Tópicos This historical marker is listed in these topic lists: Colonial Era &bull Military &bull Native Americans &bull War, French and Indian. A significant historical year for this entry is 1758.

Location. 43° 48.974′ N, 73° 28.696′ W. Marker is in Ticonderoga, New York, in Essex County. Marker is on U.S. 9, on the right when traveling north. Toque para ver o mapa. Marker is in this post office area: Ticonderoga NY 12883, United States of America. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão dentro de 3 milhas deste marcador, medidos em linha reta. Cliff Seat (approx. one mile away) a different marker also named Indian Trail (approx. 1.1 miles away) Carillon Outpost (approx. 1.9 miles away) Abercrombie's Landing (approx. 2 miles away) Gen. Henry Knox Trail (approx. 2.7 miles away) LaChute River Trail (approx. 2.8 miles away) Historic Valley (approx. 3 miles away) "C-Dam" (approx. 3 miles away). Touch for a list and map of all markers in Ticonderoga.

Veja também . . .
1. Frigid Fury: The Battle on Snowshoes, March 1758. New York State Military Museum and Veterans Research Center. (Submitted on July 25, 2008, by Bill Coughlin of Woodland Park, New Jersey.)

2. Wars and Battles, Robert Rogers 1731-1795. (Submitted on July 25, 2008, by Bill Coughlin of Woodland Park, New Jersey.)


Aniversários na História

    Agustín de Betancourt, Spanish civil engineer (steam engines, hot air balloons), born in Puerto de la Cruz, Tenerife (d. 1824) John Pinkerton, Scottish anti-Celtic historian, born in Edinburgh, Scotland (d. 1826) Franz Joseph Gall, German-French physician (phrenology), born in Tiefenbronn, Germany (d. 1828) Leopold earl of Limburg Stirum, Dutch general and politician [or March 22] John Hoppner, English portrait painter, born in Whitechapel, London (d. 1810) Pierre-Paul Prud'hon, French Romantic painter and draughtsman - allegorical paintings and portraits, born in Cluny, Saône-et-Loire (d. 1823)

James Monroe

Apr 28 James Monroe, 5th US President (1817-25), born in Monroe Hall, Virginia (d. 1831)

    Georg Carl von Döbeln, Swedish Lieutenant General and war hero, born in Stora Torpa, Västergötland, Sweden (d. 1820)

Maximilien Robespierre

May 6 Maximilien Robespierre, French revolutionary (President of the National Convention, Member of Committee of Public Safety), born in Arras, France (d. 1794)

    John St Aubyn, British fossil collector, born in Golden Square, London (d. 1839) Cornelis R T Krayenhoff, Dutch fortress engineer/cartographer Quint Ondaatje, Dutch jurist and politician, born in Colombo (d. 1818) Elizabeth Hamilton, Scottish author (The cottagers of Glenburnie), born in Belfast, Ireland (d. 1816) Antonius van Gils, Dutch RC theologist (opposed Enlightenment) Bruno Dalberg [Petrus the Wacker van Zon], Dutch writer and lawyer, born in Amsterdam (d. 1818) Carle Vernet, French painter and lithographer, born in Bordeaux, France (d. 1836) Sophia Frederica of Mecklenburg-Schwerin, Queen of Denmark and Norway, born in Schwerin, Germany (d. 1794) Wilhelmus Kist, writer/director of Dutch Staatscourant Hannah Webster Foster, American author (The Coquette or, The History of Eliza Wharton), born in Salisbury, Massachusetts (d. 1840) Christopher Gore, American lawyer and politician (8th Governor of Massachusetts), born in Boston, Province of Massachusetts Bay (d. 1827) Cosme Argerich, Argentine physician and founder of the Medicine School of Buenos Aires, born in Buenos Aires, Argentina (d. 1820)

Horatio Nelson

Sep 29 Horatio Nelson, British admiral and hero of Trafalgar, born in Burnham Thorpe, Norfolk (d. 1805)

    Wilhelm Olbers, German astronomer and physician, discovered asteroids (Pallas & Vesta), born in Bremen, Germany (d. 1840)

Noah Webster

Oct 16 Noah Webster, lexicographer (Webster's Dictionary), born in West Hartford, Connecticut (d. 1843)

    Edouard viscount de Walckiers, South Netherland banker and politician, born in Brussels, Belgium (d. 1837) Peter Andreas Heiberg, Danish author and philologist, born in Vordingborg, Denmark (d. 1841) Nathan Wilson U.S. Representative from New York, born in Bolton, Massachusetts

Fort Ticonderoga Recreates the Epic 1758 Battle of Carillon

ALBANY, N.Y. - July 8, 2013 - PRLog -- Join Fort Ticonderoga for an exciting two-day battle re-enactment highlighting the epic 1758 Battle of Carillon! Witness how the British amassed the largest army in North American history to date yet was stunningly defeated by a French army a quarter of its size. The event takes place Saturday and Sunday, July 20-21, 9:30am to 5 pm.

Highlighted programming featured throughout the weekend brings to life the story of the courageous French soldiers that protected their lines of defense against all odds. Visitors will meet the British and Provincial soldiers who gave their utmost to drive the French from the rocky peninsula and fortress of Carillon, later named Ticonderoga. Experience the fog of war and smoky haze of battle as the French and British armies maneuver across Fort Ticonderoga’ s historic landscape at battle re-enactments at 1:30 pm each day. Admission to Montcalm’s Cross Battle Re-enactment is included in a Fort Ticonderoga’ s general admission ticket. For the full event schedule and to learn more about the event visit www.fortticonderoga.org or call 518-585-2821.

“During this dramatic event, visitors will discover how the Battle of Carillon sealed the reputation of Ticonderoga for generations to come,” said Beth Hill, Fort Ticonderoga’ s President and CEO. “The July 8th battle resulted in the greatest number of casualties in one day until the American Civil War and as a result, Ticonderoga became a legend in its own time.”

“In July 1758 the British army attacked the French at Carillon (Ticonderoga) attempting to capture the Fort and take control of the portage between Lake George and Lake Champlain. On July 5th, the largest military force ever assembled in North America embarked by bateaux down Lake George,” said Stuart Lilie, Fort Ticonderoga Director of Interpretation. “Abercromby’ s army of British and Provincial soldiers landed at the north end of Lake George, after a long night packed into the fleet of bateaux. Sweeping through the La Chute valley, Brigadier General Lord Augustus Howe and the advanced guard encountered a lost patrol of French soldiers. In the ensuing confusing battle on July 6th Lord Howe was shot through the chest, and killed on the spot. The death of this leader, known as the darling of the army, struck a blow to British morale and tactical command.”
“On the 7th of July the French at Ticonderoga constructed a half mile-long log wall protected in front by a dense tangle of treetops and sharpened branches to serve as a barrier against the British attackers. This fortification was known as the French Lines. On July 8th, the British attacked. After seven hours of fighting, the British had suffered casualties of nearly 2,000 men killed and wounded. Broken and dismayed, the British retreated back to their camp at the southern end of Lake George. The retreating soldiers brought with them the story of this great battle, taking the name Ticonderoga home to taverns and newspapers in America and Britain. This fight for the Heights of Carillon at that time was the single most-bloody day in American history, and gave Fort Carillon a formidable reputation. News of this miraculous victory reached France by the fall of that year and marked France’s greatest victory of the French and Indian War (1754-1763). On October 1st, 1758 the French army staged a reenactment of the battle, to accompany fireworks to celebrate in front of Paris city hall.”

The Montcalm’s Cross Re-enactment Event is made possible by generous funding support from the History Channel and Peter S. Paine, Jr.

Fort Ticonderoga offers more than one hundred exciting and unique events and programs this season! Visit www.FortTiconderoga.org for a full list of ongoing programs or call 518-585-2821. Funding for the 2013 season is provided in part by Amtrak. Visit http://www.fortticonderoga.org/ visit/directions for a special 2 for 1 Amtrak offer!

FORT TICONDEROGA
America’s Fort ™
Located on Lake Champlain in the beautiful 6 million acre Adirondack Park, Fort Ticonderoga is a not-for-profit historic site and museum that ensures that present and future generations learn from the struggles, sacrifices, and victories that shaped the nations of North America and changed world history. Serving the public since 1909, Fort Ticonderoga engages more than 70,000 guests annually and is dedicated to the preservation and interpretation of Fort Ticonderoga’ s history. Accredited by the American Association of Museums, Fort Ticonderoga offers programs, historic interpretation, tours, demonstrations, and exhibits throughout the year and is open for daily visitation May 17 through October 20, 2013. The 2013 season features the Fort’s newest exhibit “It would make a heart of stone melt” Sickness, Injury, and Medicine at Fort Ticonderoga which explores early medical theory, practice, and experience as each relates to the armies that served at Fort Ticonderoga in the 18th century. Admission price is $17.50 for adults, $14.00 for seniors (62 years and older), $8 children 5-12 years old, and children 4 years and under are free. Friends of Fort Ticonderoga also enjoy free admission. Visit www.FortTiconderoga.org for a full list of ongoing programs or call 518-585-2821. Fort Ticonderoga is located at 100 Fort Ti Road, Ticonderoga, New York.

America’s Fort is a registered trademark of the Fort Ticonderoga Association.


Battle of Carillon

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Artigos como este foram adquiridos e publicados com o objetivo principal de expandir as informações da Britannica.com com maior rapidez e eficiência do que tradicionalmente é possível. Embora esses artigos possam atualmente diferir em estilo de outros no site, eles nos permitem fornecer uma cobertura mais ampla dos tópicos procurados por nossos leitores, por meio de uma ampla gama de vozes confiáveis. Esses artigos ainda não passaram pela rigorosa edição interna ou verificação de fatos e processo de estilização a que a maioria dos artigos da Britannica é habitualmente submetida. Enquanto isso, mais informações sobre o artigo e o autor podem ser encontradas clicando no nome do autor.

Perguntas ou preocupações? Interessado em participar do Programa de Parceiros de Publicação? Nos informe.

Battle of Carillon, (July 8, 1758), one of the bloodiest conflicts of the French and Indian War (1754–63) and a major defeat for the British. It was fought at Fort Carillon on the shores of the southern tip of Lake Champlain on the border of New York and Vermont. (The battle is also known as the Battle of Ticonderoga, for Fort Carillon was renamed Ticonderoga after the British retook it the following year.)

After losing several battles in 1757, and in retaliation in particular for the massacre of British colonists by France’s American Indian allies at Fort William Henry that year, the British went on the offensive in 1758 and sought to recapture strategical points held by the French. The British were nominally led by the elderly and inept Major General James Abercrombie, but the real leader of the troops was the savvy and energetic Brigadier General Lord George Howe. The French were led by Major General Louis-Joseph de Montcalm. British forces and their American allies totalled some 15,000–16,000 men, the French army comprised a mere 3,600.

Montcalm sent Captain Trépezet and 350 men to scout the British troops that had landed on northern end of Lake George, south of Fort Carillon, on July 6. The French were entrenched at Fort Carillon, from which Montcalm had launched his successful battle for Fort William Henry the year before. Now vastly outnumbered, Montcalm built a fortified line of defense, which included a nearly impenetrable thicket of brush and abatis (sharpened wooden stakes stuck in the ground, pointing at advancing troops) on the crest of a hill outside of the fort. After receiving reports of the large size of the British forces, Montcalm ordered the return of Trépezet and his men.

While Howe and his British troops pressed northward, they ran into Trepezet and his retreating force on July 6. A skirmish followed, in which the British successfully fought off the French, but Howe was killed in the process. This was a devastating turn-of-events for the British, for it left command of the British forces in the hands of the incompetent Abercrombie, who then dawdled in indecisiveness. Finally ill-advised by scouts that the French defensive position at nearby Fort Carillon could easily be overrun without the use of artillery, Abercrombie issued a full frontal assault, leaving the majority of his artillery at the army’s landing site.

Instead of a coordinated attack on July 8, the British assault began piecemeal around 12:30 pm, and by 2:00 p.m. the first assault had failed. o abatis hampered British efforts to reach the fort and allowed the French to rain devastating musket fire onto the advancing troops. Additional frontal attacks were ordered, and despite the heroic effort of the troops, the assaults were to no avail. The carnage continued into the evening, until finally Abercrombie ordered a full retreat and a return to not just their landing site but to fortified area south of Lake George, making a follow-up siege of the fort with his still formidable army and artillery impossible.

The Battle of Carillon was a humiliating defeat for Britain. Some 2,000 British troops had been killed or wounded, including some 350 American troops from New England. French casualties totaled around 350, with additional 200 killed or wounded in the earlier skirmish on July 6. In the wake of the defeat Ambercrombie was recalled to England and replaced by the more competent General Jeffrey Amherst, who successfully retook the fort the following year, renaming it Fort Ticonderoga.

The French naturally hailed the Battle of Carillon as a great victory, and its effect was significant: it helped the stave off the eventual fall of Canada. The French victory banner, the flag of Carillon, later served as inspiration for the Québec provincial flag.


Battles of the French and Indian War - Ticonderoga

The Battle of Ticonderoga, often referred to as the Battle of Fort Carillon, was fought between July 7 and July 8 of 1758. Fort Carillon was the southernmost fort in New France and was a vital location on Lake Champlain that protected a portage to Lake George.

16,000 British soldiers (the largest British force ever assembled in North America), under the command of Generals Howe and Abercrombie, descended upon the strongly fortified French position. French forces of about 3,200, under the command of Louis-Joseph de Montcalm, had built the fort with high entrenchments, supported by three batteries. In addition, the only clear path to the fort was blocked by the felling of trees as ordered by General Montcalm. Just before the main assault, General Howe was killed in a skirmish. General Abercrombie, then in complete charge, ordered a direct frontal assault on the fort, without waiting for his cannons to be assembled and positioned. The French were easily able to withstand the assault with lethal rounds of gunfire at the advancing British. The British were forced to retreat, after losing over 2,000 soldiers to death or injury.

The French victory would be short-lived, however. In 1759, the British successfully invaded the fort and renamed it Fort Ticonderoga


Assista o vídeo: Ticonderoga class cruiser. Armament Review (Outubro 2022).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos