Novo

Larkspur II ScStr - História

Larkspur II ScStr - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

LarkspurII
(ScStr: dp. 738; 1. 169 '; b. 30'; dr. 9'1 "; cpl. 30)

O segundo Larkspur foi um farol construído em 1903 em Port Richmond N.Y. Ela foi transferida para a Marinha com todo o Serviço do Farol por uma ordem executiva de 11 de abril de 1917. Durante a guerra, ela patrulhou a costa do Atlântico. Ela foi devolvida ao Departamento de 'Comércio em 1 ° de julho de 1919.


Os 30 anos de história da AMD Graphics, em imagens

A ATI introduziu uma arquitetura quase inteiramente nova chamada TeraScale para alimentar seus produtos da série Radeon HD 2000. Esta foi a primeira arquitetura de shader unificada da ATI e também foi o primeiro design introduzido após a fusão da ATI com a AMD. TeraScale foi projetado para ser totalmente compatível com Pixel Shader 4.0 e DirectX 10.0 API da Microsoft. Ele apareceu pela primeira vez dentro do núcleo R600, que alimentou o carro-chefe da Radeon HD 2900 XT.

A Radeon HD 2900 XT incluiu recursos de aceleração de vídeo semelhantes aos GPUs mais antigos da AMD. Isso foi feito em parte para reduzir os custos gerais de produção do chip, mas também porque as CPUs da época eram rápidas o suficiente para lidar com a decodificação de mídia, embora com maior consumo de energia.

Embora a arquitetura da nova placa seja significativamente diferente da série Radeon X1000 da AMD, um elemento-chave compartilhado entre eles foi o processador de despacho ultra threaded mencionado na página anterior. No entanto, ele foi atualizado para aumentar o desempenho e a eficiência. A GPU R600 foi fabricada em um processo de 80 nm e tinha um total de 320 processadores Stream, 16 TMUs e 16 ROPs. O núcleo continuou a usar um barramento em anel, neste caso preenchido por oito controladores de memória de 64 bits conectados a 512 MB de GDDR3 ou 1 GB de GDDR4.

A Radeon HD 2900 XT teve um bom desempenho, mas não foi capaz de se equiparar à GeForce 8800 GTX da Nvidia.


ATI All-In-Wonder Radeon 8500 (2001)

O All-in-Wonder Radeon 8500 usou a GPU R200 da ATI com quatro pipelines de pixel e dois TMUs por tubo, junto com um par de sombreadores de vértice. Por meio de sua implementação, a ATI ofereceu suporte às especificações Pixel Shader 1.4 da Microsoft. A empresa também lançou o HyperZ II com R200, melhorando a eficiência da tecnologia.

Uma freqüência de núcleo de 260 MHz e 128 MB de memória DDR de 550 MHz colocou o All-in-Wonder 8500 perto do desempenho do Radeon 8500 da AMD, que foi o suficiente para competir com o GeForce 3 da Nvidia.


Dicionário de navios de combate navais americanos

Dois navios levaram o nome U.S. Grant enquanto servia na Marinha dos Estados Unidos. Para a biografia de Ulysses S. Grant, veja Ulysses S. Grant na página 394. Ulysses Simpson Grant - nascido em 27 de abril de 1822 em Point Pleasant, Ohio - formou-se na Academia Militar dos Estados Unidos em 1 de julho de 1843. Ele serviu com distinção na guerra com o México - sob os generais Zachary Taylor e Winfield Scott, participando das batalhas de Resaca de la Palma, Palo Alto, Monterey e Vera Cruz. Ele foi premiado duas vezes por bravura: em Molino del Rey e Chapultepec. Depois de ficar inquieto durante o serviço de fronteira no Exército em tempo de paz, ele renunciou à sua comissão em 1854 e tentou seguir carreira nos negócios e na agricultura.

Pouco depois da eclosão da Guerra Civil, Grant foi comissionado coronel na 21ª Infantaria Voluntária de Illinois. Mais tarde, ele se tornou brigadeiro-geral dos voluntários em 7 de agosto de 1861. Após as capturas do Fort Henry e do Fort Donelson em fevereiro de 1862, o presidente Abraham Lincoln promoveu Grant a Major-general dos voluntários. Essas vitórias abriram o Tennessee para as forças federais e deram a Grant o apelido de "rendição incondicional".

Ele perseguiu obstinadamente o Exército Confederado e obteve vitórias impressionantes - mas caras - em Shiloh, Vicksburg e Chattanooga. Sua vontade de lutar e capacidade de vencer impressionaram o presidente Lincoln, que nomeou Grant como tenente-general e lhe deu o comando geral do Exército.

Grant deixou o Major General William T. Sherman no comando imediato de todas as tropas no oeste e mudou seu quartel-general para a Virgínia, onde voltou sua atenção para o frustrado esforço da União para tomar Richmond. Apesar de pesadas perdas e dez difíceis, o Exército do Potomac manteve uma perseguição implacável das tropas do general Robert E. Lee e venceu disputas sangrentas no deserto, em Spotsylvania, em Cold Harbor e em Petersburgo. Sua pressão implacável finalmente forçou Lee a evacuar Richmond no início de abril de 1865 e o forçou a se render no Tribunal de Appomattox em 9 de abril de 1965. Em poucas semanas, a Guerra entre os Estados acabou.

Grant tornou-se anúncio provisório Secretário da Guerra em 12 de agosto de 1867 - quando Johnson suspendeu o secretário Stanton - e ocupou o cargo até o início do ano seguinte. ele concorreu à presidência pela chapa republicana em 1868 e venceu a eleição. Seus dois mandatos foram marcados por turbulências econômicas, sociais e políticas. O próprio Grant não se envolveu nos escândalos, e sua reputação pessoal emergiu imaculada.

Ele dedicou seus anos crepusculares para escrever e completar seus dois volumes de Memórias pessoais publicadas no dia de sua morte. Grant morreu em 23 de julho de 1885, em Mt. McGregor, N.Y.

(ScStr: dp. 15.010 l. 508'2 "b. 55'3" dr. 27'6 "dph. 31'8" s. 15 k. Cpl. 211 trp. 1.244 a. 4 6 ", 2 1- pdrs., 2 mg.)

Konig Wilhelm II--renamed Madawaska em 1917 e U.S. Grant em 1922 - foi um navio a vapor com casco de aço lançado em 20 de julho de 1907 em Stettin, Alemanha, pela Vulcan Aktiengesellechaft. Construído para o comércio transatlântico de passageiros, Konig Wilhelm II operou entre Hamburgo, Alemanha, e Buenos Aires, Argentina, sob a bandeira da Linha Hamburgo-Amerika, até o início da Primeira Guerra Mundial em 1914. Internado voluntariamente em Hoboken, NJ, para evitar ser capturado pela Marinha Real, o O navio de passageiros foi apreendido depois que os Estados Unidos entraram na guerra em 6 de abril de 1917, assim como todos os outros navios alemães em portos americanos. Antes de agentes do Governo Federal tomarem posse do navio, sua tripulação alemã tentou, sem sucesso, torná-lo inutilizável, quebrando seus principais cilindros de vapor com macacos hidráulicos.

Após os reparos no maquinário danificado, Konig Wilhelm II foi atribuído o número de identificação 3011 e comissionado em 27 de agosto de 1917, o tenente Charles McCauley no comando temporário até a chegada do Comdr. Edward H. Watson. Renomeado Madawaska em 1 de setembro - o navio foi designado para o Cruzador e Força de Transporte da Frota do Atlântico. Durante a Primeira Guerra Mundial, ela conduziu 10 viagens transatlânticas nas quais carregou cerca de 12.000 homens para a Europa.

Após o armistício de 11 de novembro de 1918, Madawaska fez mais sete viagens, trazendo 17.000 homens do teatro europeu para casa. Ela completou a última dessas corridas ao chegar a Nova York em 23 de agosto de 1919. Ela foi desativada em 2 de setembro e simultaneamente transferida para o Departamento de Guerra.

Navegando para o Pacífico logo em seguida, Madawaska Embarcou elementos da Legião Tcheca em Vladivostok, Rússia, no início de 1920, como parte da evacuação dessa força após a Guerra Civil Russa na Sibéria. O navio navegou para Fiume, Iugoslávia, e desembarcou seus passageiros tchecos para retornar à sua terra natal. Em seguida, navegando para Nova York, Madawaska foi inativado e entregue ao Conselho de Embarque para armazenamento.

No ano seguinte, no entanto, o Departamento de Guerra readquiriu a embarcação e autorizou uma grande reforma para ela antes que ela pudesse retomar o serviço ativo. Durante essa reforma, que duraria até a primavera de 1922, o navio foi equipado com modernas caldeiras de tubo de água marinha para maior segurança na operação e para permitir que o navio aumentasse de velocidade. Em 3 de junho de 1922, em Brooklyn, N.Y., o transporte foi renomeado U.S. Grant, A princesa Cantacuzene, esposa do Major General Príncipe Cantacuzene, Conde Speransky da Rússia e uma neta do General Ulysses S. Grant, batizou o navio.

Por quase duas décadas, U.S. Grant Soldado no Serviço de Transporte do Exército, mantendo uma programação regular de viagens transportando tropas, passageiros e suprimentos ao longo de uma rota que incluía escalas em São Francisco, Califórnia. Honolulu, Território do Havaí, Guam Manila, Ilhas Filipinas Chinwangtao e Xangai, China e Panamá Canal Zone e Nova York. Por muitos desses anos de serviço no Pacífico, U.S. Grant serviu como a única fonte de lojas refrigeradas dos Estados Unidos. Suas chegadas periódicas ao porto de Apra invariavelmente produziam uma melhora temporária na dieta dos americanos que viviam em Guam.

Em uma viagem a Guam, o transporte quase foi perdido. No final da tarde de 19 de maio de 1939, U.S. Grant encalhou no perigoso recife interno no porto ainda inacabado. Felizmente, o acidente não ocorreu durante a temporada de tufões. Os esforços combinados de Pinguim (AM-33) e Robert L. Barnes (AG-27) não conseguiu mover o navio do coral, levando o governador em exercício de Guam, Comdr. George W. Johnson, para encontrar um homem de ação em colaboração (por rádio) com o capitão Richmond K. Turner, em Astoria (CA-34), que então se dirigia para a ilha.

Por 21 horas, membros da Força Insular Naval dos EUA e estivadores locais descarregaram 300 toneladas de carga do solo U.S. Grant, enquanto muito do seu combustível foi transferido para Robert L. Barnes e Almirante Halstead. Astoria- em rota para os Estados Unidos após carregar as cinzas do embaixador japonês Hiroshi Saito de volta para sua terra natal - chegou às 6h30 do dia 21 de maio. Ela assumiu sua posição designada, assim como Pinguim, Robert L. Barnes e Almirante Halstead, em 0809 U.S. Grant saltou para fora do recife de coral, com o acompanhamento de aplausos da tripulação do transporte. O jornal da ilha, The Guam Recorder, posteriormente relatou em sua edição de junho de 1939: "O curto período em que a difícil operação foi realizada foi devido à cooperação eficiente de todos ... os envolvidos, o Exército, a Marinha e a Marinha Mercante." Toda a carga foi logo recarregada, e U.S. Grant retomou sua viagem.

Ela continuou sob a égide do Serviço de Transporte do Exército até 1940. Então, conforme as nuvens da guerra se acumulavam no Pacífico e no Atlântico, U.S. Grant foi posteriormente readquirido pela Marinha. Armado com sete armas de 3 polegadas (ela estava desarmada enquanto servia como um transporte do Exército), o navio foi reformado no Mare Island Navy Yard, Vallejo, Califórnia, e foi comissionado em 16 de junho de 1941, Capitão Herbert R. Hein no comando. Continuando seu serviço como transporte, o navio recebeu a classificação de AP-29.

U.S. Grant operou entre portos na costa oeste e nas ilhas Aleutas durante a eclosão da guerra no Pacífico em 7 de dezembro de 1941. Ela transportou passageiros e carga para portos do Alasca enquanto os Estados Unidos construíam suas defesas naquela área contra possíveis ataques japoneses. Em fevereiro e março de 1942 U.S. Grant realizou viagens para as ilhas havaianas. Durante o mês anterior, ela devolveu cerca de 1.000 estrangeiros inimigos (a maioria japoneses com uma pitada de alemães) para serem colocados em campos de internamento no sudoeste dos Estados Unidos. Entre esses passageiros estava o prisioneiro de guerra número um, o tenente Kazuo Sakamaki, cujo submarino anão encalhou em Barber's Point, Oahu, em 7 de dezembro de 1941. Em abril, U.S. Grant retomou as viagens aos portos do Alasca transportando tropas de Seattle para bases americanas no continente do Alasca e nas Aleutas e continuou esta rotina vital até a primavera de 1942.

A Batalha do Mar de Coral durante maio de 1942 convenceu os japoneses de que um ataque na Ilha Midway era imperativo, em uma tentativa de retirar a frota americana - particularmente o número cada vez menor de porta-aviões vitais. Consequentemente, uma poderosa frota japonesa navegou para Midway, enquanto uma força-tarefa menor se dirigiu ao norte para as Aleutas para lançar um ataque diversivo. Aviões baseados em operadora da operadora Ryujo atingiu o porto holandês, no Alasca, em 3 de junho, e as tropas japonesas ocuparam as ilhas Attu e Kiska no dia 7.

Durante este tempo, U.S. Grant levou tropas para Kodiak, Alasca e Cold Bay durante o verão. Ela escapou por pouco de ser torpedeada enquanto seguia de Seattle para o porto holandês em comboio em 20 de julho. Vigias alertas detectaram os rastros de dois torpedos e a ação evasiva permitiu que o navio evitasse os "peixes" mortais que passavam perto a bordo, de estibordo a porto.

O venerável transporte desembarcou tropas do Exército na Baía do Massacre em 14 de junho, três dias após o desembarque inicial. No mês seguinte, enquanto as tropas americanas e canadenses se preparavam para atacar Kiska, o contra-almirante Francis W. Rockwell quebrou sua bandeira em U.S. Grant como Comandante, Força-Tarefa 61.

Durante esta operação, U.S. Grant serviu como uma combinação de transporte e navio de comunicações. Os americanos finalmente descobriram que os japoneses haviam fugido como nômades, deixando apenas alguns cães para "contestar" os desembarques, e completaram sua evacuação, sem serem detectados pelos Aliados, em 28 de julho. Durante o desembarque em Kiska, o transporte transportou não apenas tropas do Exército, mas também um grupo de ligação mexicano, um destacamento de tropas canadenses e um grupo de correspondentes civis.

Após um período de reparos no final de 1943, que durou até 1944, U.S. Grant retomou as viagens costeiras para o Alasca. De abril a dezembro, ela mudou para o Pacífico oriental para operar entre o Havaí e a costa oeste. Ela frequentemente embarcava pacientes médicos para devolvê-los à costa oeste dos hospitais da área havaiana. Chegando a São Francisco após uma dessas viagens em 23 de janeiro de 1945, U.S. Grant Os passageiros desembarcaram e partiram na mesma tarde, sem passageiros ou escolta, com destino ao Caribe. Transitando pelo Canal do Panamá, após embarcar passageiros em Balboa, o navio operou no Caribe pelos seis meses seguintes, entre as Índias Ocidentais e Nova Orleans, Louisiana, até o fim da guerra.

U.S. Grant voltou ao serviço no Pacífico em setembro, partindo de São Francisco no dia 18 para Okinawa, via Eniwetok. Ela chegou a Okinawa em 12 de outubro, na esteira de um tufão destrutivo, e levou a bordo 1.273 passageiros para transporte para os Estados Unidos, com saída da ilha em 21 de outubro.

Chegando a São Francisco em 7 de novembro, U.S. Grant desembarcou seus passageiros logo em seguida. Uma semana depois, em 14 de novembro, o transporte foi desativado e devolvido ao Departamento de Guerra. Seu nome foi retirado da lista da Marinha em 28 de novembro

Entregue à Comissão Marítima, o antigo transporte e veterano de duas guerras mundiais foi vendido para a Boston Metals Co. em 24 de fevereiro de 1948 para demolição.


Salve o Peso de Prata!

Larkspur, CA Silver Peso é um bar em Larkspur desde 1930.

O Peso foi nomeado por Thrillist como um dos 21 melhores bares de mergulho da América.

De acordo com o Museu de História de Marin, após a Segunda Guerra Mundial, um veterano comprou o bar "com pesos de prata que recuperou da baía de Manila depois de saber que o governo filipino havia afundado suas reservas bancárias para evitar que caíssem nas mãos dos japoneses".

A vibração amigável do Peso, a bagunça de locais clássicos, as bebidas pesadas e confiáveis ​​e suas boas bebidas são conhecidas em todo o mundo.

A pandemia de 2020 foi esmagadora para Rebel Lee, bartender de longa data e proprietário, para gerenciar além de seus problemas de saúde. Na primavera de 2021, a equipe e a comunidade do Peso decidiram se unir e ajudar o Sr. Lee a reabrir seu bebedouro histórico.

O Peso está se preparando para tentar reabrir em meados de abril com assentos ao ar livre, assentos internos limitados e alguns outros ajustes de como costumávamos fazer as coisas, dado o clima atual em que todos vivemos. Um jardim de cerveja é nas obras e o Peso precisa de um pouco mais de ajuda para poder abrir suas portas.

Por favor, compartilhe e doe se puder, fique seguro e esperamos ver todos vocês em breve!

#SaveThePeso #SmallBusinessRelief #Larkspur #friendsofthepeso #marin #saveourbars #livelocal #shoplocal #smallbusinessmarin


ATI Rage 128 Pro (1999)

O Rage 128 Pro suportava DirectX 6.0 e a interface AGP X4. A ATI também atualizou aspectos do mecanismo de configuração de triângulos, aumentando o rendimento da geometria teórica para oito milhões de triângulos / segundo. Essas melhorias colocaram o Rage Fury Pro em torno do mesmo desempenho do Voodoo3 2000 da 3dfx e do Riva TNT2 da Nvidia da Nvidia.

A ATI complementou os recursos de multimídia de seu Rage 128 Pro com um chip integrado chamado Rage Theatre. Isso permitiu que o Rage Fury Pro produzisse vídeo por meio de conectores de vídeo composto e S-vídeo.


Como a estilista de alta costura Lily Samii construiu uma casa de moda internacional a partir de uma pequena butique Marin

& # 8220Não consigo acreditar que & # 8217vivi no condado de Marin por mais de 50 anos & # 8221 Lily Samii comenta enquanto segura um conjunto de plantas em sua mão. A estilista sempre bem vestida tem o cabelo escuro puxado para trás em um rabo de cavalo caprichado. “Parece que foi ontem que abri a LYZ Ltd. em Larkspur. Após minha aposentadoria e durante a pandemia, decidi ocupar meus dias com outros hobbies, incluindo construir uma casa de hóspedes do zero. & # 8221

Embora a construção não pareça se correlacionar com o mundo refinado da moda, ela se encaixa perfeitamente no ethos criativo de Lily Samii. Por décadas, Lily sempre projetou e construiu coisas bonitas.

Embora a carreira internacional de Lily na moda tenha mais de 50 anos, Lily dedicou a maior parte desses anos às mulheres de Marin. Muitos conhecem Lily Samii como o gênio inspirado por trás da LYZ Ltd. em Larkspur. Foi considerada uma das boutiques de varejo de maior sucesso do país, com uma vida útil impressionante de 30 anos. Como Lily, uma filha da nobreza iraniana, acabou no vilarejo arborizado de Larkspur & # 8217, transformando donas de casa em líderes confiantes por meio de mudanças de guarda-roupa é apenas uma parte deste conto de fadas.

Lily teve uma carreira promissora em Hollywood. Ela estagiou com Edith Head e James Galanos. Mas um dia, enquanto estava no trabalho, ela sofreu um terrível acidente que a deixou com vértebras quebradas e anos de fisioterapia. Após meses de reabilitação, Lily e seu marido mudaram-se para a Bay Area. Durante esse tempo, seu marido aceitou um emprego no College of Marin e Lily também aceitou um cargo no departamento de arte da faculdade.

& # 8220Quando era professor assistente no departamento de arte, perguntei ao meu superior se poderia usar os fornos de cerâmica depois do expediente. Comecei a fazer todo tipo de coisa em algumas semanas, tinha uma boa variedade de itens. Eu ia a Sausalito nos fins de semana e vendia minha cerâmica na feira. Logo, minha cerâmica se tornou muito popular devido ao uso vibrante e único do esmalte. O que foi engraçado - tenha em mente que este é o final dos anos 60 e # 8217 e o verão do amor estava em plena floração - todos ao meu redor usavam trajes hippie, e lá estava eu ​​com minha exclusiva blusa de cashmere preta, capris e sapatilhas pretas e uma fantasia mesinha em um mar de pessoas sentadas no chão e exibindo seus produtos sobre um cobertor ou mantas coloridas, tingidas e psicodélicas. Comecei com a cerâmica e acabei com uma coleção completa de esculturas, joias e camisetas. Eles foram inspirados nos hippies, mas feitos em um processo controlado e muito bem feito. Meus pontos de preços eram muito mais altos do que qualquer pessoa ao meu redor, mas minhas vendas eram sólidas. Foi quando tive a epifania - minha vocação é criar moda que os clientes cobiçam, não apenas vestam, & # 8221 que Lily compartilha.

No verão seguinte, Lily iniciou seu curso meteórico na indústria da moda. No início de 1969, Lily conheceu Alice Zimmerman. Alice declarou que era hora de Lily abrir sua própria boutique. Depois de algum convencimento, Lily concordou, e LYZ nasceu em 1969 em 1020 Magnolia Avenue em Larkspur.

& # 8220Eu comecei com 500 pés quadrados. LYZ estava escondido em um shopping que tinha uma loja de dez centavos e uma loja de bebidas. A maioria das senhoras que acabaram sendo clientes da LYZ notaram minha pequena loja quando estavam indo ou vindo da loja de dez centavos com seus filhos a reboque. Eles enfiaram a cabeça no LYZ e, aos poucos, foram me conhecendo. Foi assim que meu lindo LYZ começou. & # 8221

O que diferenciava LYZ das butiques de roupas usuais foi a dedicação de Lily & # 8217 às suas "garotas". Quando questionada sobre como ela pode olhar para um de seus clientes e saber exatamente o que ficaria melhor em seu corpo, Lily fala como uma matemática artística.

& # 8220Tenho um senso aguçado de escala, cor, equilíbrio e atitude que me ajuda a saber o que ficará bem em um cliente ”, diz ela. “Tenho a capacidade de ver uma pessoa em movimento e sei instintivamente o que funcionará melhor para seu corpo. & # 8221 Lily explica a importância de seu papel em vestir seus clientes. & # 8220Quando uma mulher entrava no LYZ, 80% das vezes ela não tinha um tamanho de 6 ou 8 e 5 pés e 11 polegadas de altura. Minha cliente era uma mulher normal, provavelmente de 5 pés, 2 a 5 pés, 5 polegadas e um tamanho médio 14. Meu objetivo era fazer minha cliente se sentir bonita em suas roupas. Eu entrevistaria cada um dos meus clientes antes de comprar roupas para eles. Eu precisava entender a vida dela. Tive clientes que fizeram mastectomias e queriam se sentir femininas, políticos que queriam se sentir confiantes em suas roupas e donas de casa que queriam se sentir sexy. & # 8221 Lily se ilumina, lembrando de todas as clientes maravilhosas que depositam sua confiança dela. & # 8220Eu sabia o que queria para cada um de meus clientes e fui atrás. Em minhas viagens de compras para Nova York ou Milão, eu batia na calçada e ia e ia até encontrar o que imaginava. & # 8221

Lily se lembra da primeira vez que foi ao showroom de Michael Kors & # 8217 - antes de ele se tornar famoso - na Twelfth Street em Nova York. Ele era jovem e tinha uma coleção pequena. Lily olhou para ele e achou que era perfeito para Marin. Esse era um padrão que diferenciava seu negócio de outras lojas de roupas. Ela trabalhou muito para descobrir novos designers da época, como Armani, Louis Ferro, Oscar De La Renta e muitos outros.

LYZ cresceu, e Lily ocupou um segundo espaço de varejo, depois o terceiro, depois o quarto. Quando ela expandiu para um quinto espaço de varejo no mesmo complexo, ela decidiu que era hora de renovar.

& # 8220 Foi então que destruí todo o espaço e criei um lindo ambiente onde poderíamos receber festas. As crianças podiam conhecer suas mães e avós, os maridos podiam parar para tomar uma taça de vinho e verificar o que suas esposas haviam comprado. Era um lugar maravilhoso onde as belas mulheres de Marin puderam se reunir, & # 8221 Lily relembra o incrível crescimento de LYZ e sua clientela leal.

Em meados dos anos noventa, Lily queria projetar, construir e criar mais. Então, depois de 30 anos cultivando LYZ em Larkspur, Lily estava pronta para começar sua própria marca para mulheres. Ela abriu seu showroom e seu estúdio de produção em San Francisco e lançou Lily Samii. Por décadas, Lily desenhou vestidos para celebridades, realeza, líderes políticos e personalidades mais cobiçadas da sociedade. Suas obras-primas adornaram as capas das revistas, e todas as grandes revistas do país escreveram sobre as coleções de Lily Samii & # 8217s.

& # 8220Eu finalmente percebi na última reforma da minha casa qual era a razão da longevidade e do sucesso do meu modelo de negócio. Eu sabia o que queria e, se não existisse, estava disposto a encontrar alguém para projetar e fazer isso para mim. Acreditei que esse é o mesmo princípio com meus projetos. Se uma mulher quisesse sua roupa especial em uma determinada cor ou estilo para seu evento, e nenhum outro designer a oferecesse, foi aí que eu entrei. Nós poderíamos criar o que ela havia imaginado e com a ajuda de nossos incríveis artesãos em todo o mundo criaria para ela. "

Depois de 50 anos como uma designer amada e curadora de incontáveis ​​guarda-roupas, Lily largou sua fita métrica e tesoura e compilou sua incrível história no lindo livro de mesa de centro, Lily Samii, uma jornada pela vida e pela moda (publicado em 2020 por Lucia Marquand).

& # 8220Agora que o livro foi publicado, estou aproveitando meu tempo em Marin. Não consigo acreditar que morei aqui por tanto tempo e não tive tempo para aproveitar todas as belas trilhas e lagos escondidos e me reconectar com alguns de meus velhos amigos. Parece que nenhum tempo passou. & # 8221

Lily gosta de se manter ocupada, então ela dividiu uma parte de sua casa de 2 acres nas colinas de Novato e está construindo uma casa de hóspedes. Quando questionada sobre como gerenciar a construção da nova casa & # 8217s, Lily compartilha que ela tem uma habilidade incrível de ver além de uma estrutura e gosta do desafio.

& # 8220Vejo as coisas de dentro para fora. Como agora que estou construindo, vejo além da moldura. Eu vejo as camadas e camadas que entram na construção de uma casa. Eu corto e desmonto e, em seguida, coloco de volta. Eu desconstruo as coisas na minha cabeça. É como penso ao fazer alterações, criar guarda-roupas para clientes e desenhar vestidos. Agora estou colocando meu talento em uso construindo uma nova casa, & # 8221 Lily explica enquanto ela passa pelas videiras que revestem seu quintal, levando às bandeiras delineando as paredes da nova casa & # 8217s. Então, o que vem a seguir para esta intrépida alma renascentista que continuou a se redefinir ao longo de sua vida?

& # 8220Acho que & # 8217 estou pronto para escrever meu próximo livro. & # 8221

Como ajudar:

Considere apoiar uma dessas organizações sem fins lucrativos locais que precisam de apoio urgente durante a pandemia.


UM CUTLASS NAVAL CONFEDERADO ÚNICO ATRIBUÍDO AO CSS FLÓRIDA

Colecionadores e estudantes de armas de gume confederadas, especialmente as da Marinha dos Estados Confederados, reconhecerão um cutelo único que foi atribuído ao CSS Florida. O pano de fundo para essa atribuição pode ser encontrado em um exemplo da coleção Philip Medicus. No livro American Swords da Philip Medicus Collection é ilustrado tal cutelo (Figura 1) com a seguinte descrição:

“Cutelo naval confederado associado ao CSS Flórida. Essa atribuição é baseada em outro exemplo, que tinha uma etiqueta antiga informando que tinha sido vendido no leilão de premiação da Flórida na Filadélfia. No punho de latão, a guarda artesanal, feita de três ramos, é pesada e tosco, com uma guarda de mão em forma de cutelo no lado oposto. A empunhadura de madeira de duas peças é formada com fechos de rebite. A lâmina plana é reta, de gume único e mede 26 polegadas. Não há marcações. Sem bainha. ”

Figura 1: Fotografia da ilustração 11 da American Swords, da coleção Philip Medicus. Cutlass da Flórida em segundo da direita. Cortesia Mowbray Publishers.

Tendo dois desses cutelos em minha coleção, pensei em pesquisar as origens dessa atribuição e descobrir mais sobre a Flórida. Descobri pela primeira vez que o cutelo com a “etiqueta antiga” já estava na coleção de Sidney C. Kerksis, portanto, não tinha motivos para duvidar da validade da atribuição.

Os dois cutelos da minha coleção diferem apenas ligeiramente. Cada um deles tem lâminas ligeiramente curvas. O número 1 tem um comprimento de lâmina de 25 3/8 polegadas de comprimento com um comprimento total de 30 5/8 polegadas, e o número 2 um comprimento de lâmina de 25 ¼ polegadas de comprimento e um comprimento total de 30 13/16 polegadas. (Figura 2) Há um recorte exclusivo na lâmina onde eles se cruzam com o cabo (Figura 3). A proteção de dois ramos de latão é fundida grosseiramente e o cabo de madeira de duas peças é preso à espiga com três rebites de ferro aleatórios (Figura 4). A lâmina em cada cutelo contém o que parecem ser marcas de forjamento de martelo (Figura 5) e observei essas marcas em outros exemplos que examinei.

Figura 2: Fotografia de dois Cutlasses Florida (No. 1 no topo). Coleção do autor.

Figura 3. Fotografia do recorte exclusivo da lâmina. Coleção do Autor

Figura 4: Fotografias dos guardas. Coleção do autor.

Figura 5: Fotografia das marcas de forjamento nas lâminas. Coleção do Autor

Tive a sorte de obter o cutelo número 1 da coleção do falecido membro do ASAC Fred Edmunds por meio do Horse Soldier em 2001. Depois que comprei o cutelo, Fred teve a gentileza de me enviar uma carta contando-me a história da peça.

Wes Small, do The Horse Soldier, solicitou que eu mandasse um email para você e fornecesse informações sobre o Cutlass Naval Confederado que você comprou dele há algum tempo. Estou anexando uma cópia do artigo que preparei para o catálogo deles quando o item foi colocado à venda. Não tenho certeza se é palavra por palavra com a entrada do catálogo. De qualquer forma, o cutelo foi exibido no The Confederate States Armory & amp Museum, que eu possuía e administrava em Gettysburg, de maio de 1992 a julho de 1999, junto com muitas outras armas confederadas. Também incluído neste documento, você encontrará o catálogo Norm Flayderman # 37, que foi emitido em maio de 1959. Seu Cutlass Naval Confederado é exatamente o descrito como item # 493. Além disso, a um preço de $ 74,50, foi uma compra muito boa na época!

Aproveite em sua coleção!

O Cutlass número 2 da minha coleção foi obtido em uma loja de antiguidades em Norfolk, Virgínia, em 2016, sem nenhuma proveniência além da propriedade de um colecionador local.

Ao longo dos anos exibindo minha coleção da Marinha da Confederação em vários shows da Guerra Civil, recebi muitos comentários sobre as origens desses cutelos da Flórida. Uma dessas especulações era que eles foram comprados pela Flórida na Bahia, Brasil, quando o navio fez uma visita ao porto antes de ser apreendido pelo USS Wachusett em 1864. Não acredito que a origem desses cutelos seja outra coisa senão Sul, então eu estava determinado a descobrir a verdade. Descobri que a Confederação não tinha um, mas cinco navios chamados Flórida. Em busca de referências, descobri uma série de livros intitulada “Directory of American Naval Fighting Ships”. O volume II da série lista os navios da Marinha dos Estados Confederados. Eu esperava que, ao revisar a história de cada um dos navios chamados Flórida, eu encontrasse uma pista sobre a origem desses cutelos. Abaixo estão citados trechos que documentam a história de cada um dos navios:

(ScAlp: 1. 191 ’b. 27’2" dph. 14 ’dr. 13’ s. 9,5 k.

(12 sob tela) cpl. 146 a. 6 6 ”r., 2 7” r., 1 12-pdr.)

CSS Cruiser Florida foi construído pela empresa britânica William C. Miller & amp Sons e adquirido pela Confederacy da Fawcett, Preston & amp Co., também de Liverpool que a projetou. Conhecido no estaleiro como Oreto e inicialmente chamado pelos Confederados Manassas, o primeiro dos invasores de comércio exterior comissionado. Os registros da União da Flórida por muito tempo continuaram a se referir a ela como Oreto ou a confundi-la com Alabama, embora, equipada com dois funis, ela era facilmente distinguível do Alabama de empilhamento único.

A Flórida partiu da Inglaterra em 22 de março de 1862 para Nassau buscar carvão e planejou encher seus bunkers, embora tivesse direito apenas ao suficiente para chegar ao porto confederado mais próximo. O governador traçou o limite, entretanto, em uma tentativa de encontro com seu tender no porto de Nassau, então ela transferiu provisões e armas na isolada Green Cay. Lá ela foi comissionada como Flórida em 17 de agosto, com o veterano tenente John Newland Maffitt, CSN, no comando. Durante seu traje, a febre amarela atingiu sua tripulação, em 5 dias reduzindo sua força efetiva para um bombeiro e quatro marinheiros. Em situação desesperadora, ela correu para Cuba. Lá em Cárdenas, Maffitt também foi acometido da temida doença.

Nessa condição, contra todas as probabilidades, o intrépido Maffitt a levou de Cárdenas a Mobile. Em uma corrida audaciosa, o “Príncipe dos Corsários” enfrentou uma saraivada de projéteis dos bloqueadores da União e correu através deles para ancorar sob os canhões de Fort. Morgan para um herói é bem-vindo por Mobile. Florida had been unable to fight back not only because of sickness, but because rammers, sights, beds, locks and quoins had, inadvertently, not been loaded at Nassau. Having taken stores and gun accessories she lacked, along with added crew members, Florida escaped to sea 16 January 1863.

After coaling again at Nassau, she spent 6 months off North and South America and in the West Indies, with calls at neutral ports, all the while making captures and eluding the large Federal squadron pursuing her.

Florida sailed 27 July from Bermuda for Breast, where she lay in the French Government dock from 23 August 1863 to 12 February 1864. There, broken in health, Maffitt relinquished command to Lieutenant Morris. Departing for the West Indies, Florida bunkered at Barbados, although the 3 months specified by British law had not elapsed since last coaling at an Empire port. She then skirted the U.S. coast, sailed east to Tenerife in the Canaries and then to Bahia, 4 October 1864.

Anchored in the Brazilian haven, on 7 October Florida was caught defenseless in a night attack by Comdr. Napoleon Collins of USS Wachusett, while her captain was ashore with half his crew. Towed to sea, she was sent to the United States as a prize despite Brazil’s protests at this violation of neutral rights.

At Newport News, 28 November 1864, Florida reached the end of her strange career when she sank in a collision with the USAT Alliance, a troop ferry and thus could not be delivered to Brazil in satisfaction of the final court order. Commander Collins was court-martialed but won fame and eventual promotion for his daring.

Florida captured 37 prizes during her impressive career her prizes Tacony and Clarence in turn took 23 more.

(Bark: t. 296 dr. 12’ a. 1 12-pdr. how.)

Tacony, also called Florida No. 2, was built in 1856 at Newcastle, Del. While traveling in ballast from Port Royal, S.C., to Philadelphia, PaShe was captured on 12 June 1863 by brig Clarence, under Lt. C. W. CSN, which in turn had been captured and then detached by CSS Florida. Lieutenant Read, finding Tacony a far better vessel than his own, transferred his force to her and burned Clarence. Now called Florida No. 2 by her captors, Tacony sailed northward along the New England coast to harass Union shipping.

Between 12 June and 24 June Tacony captured 15 vessels. Her last prize captured on 24 June was the small fishing schooner Archer. By now subject to a frantic and intensive search by the U.S. Navy, Lieutenant Read transferred his force to Archer, hoping to avoid his pursuers. He burned Tacony on the next day 25 June 1863.

The pilot schooner Florida was not issued a letter of marque but gave a better account of herself as a “junior privateer” than did many larger vessels better armed after formal commissioning. Maj. W. Bevershaw Thompson, CSA, chief engineer of the Coast Defense Department fortifying Hatteras Inlet approaches, in a report from Fort Hatteras, N.C. to the Military Secretary, Col. Warren Winslow, 25 July 1861 described her: “We have also a saucy-looking little pilot schooner, the Florida, mounting one 6-pounder rifled cannon. She captured a prize 2 days since, took her crew out, and sent her in with her own men. A U.S. Government steamers gave chase to the prize, and they were obliged to beach her near Nags Head. She, of course, is a total loss.” After this brief moment on stage during the early days of the war, history says no more of the enterprising pilot boat-privateer, it is impossible at this distance even to be sure that she was privately owned and not a North Carolina public vessel.

(SwGnt: l. 252’ b. 30’ dr. 6’ dph. 6’ s. 9 k. cpl. 65 to 94 a. 2 9” s.b., 1 8” s.b., 16.4” r.)

CSS Selma was a coastwise packet built at Mobile for the Mobile Mail Line in 1856. Little doubt now remains that she was originally named Florida. As the latter, she was inspected and accepted by Capt. Lawrence Rousseau, CSN, 22 April 1861, acquired by the Confederacy in June, cut down and strengthened by hog frames and armed as a gunboat, apparently, in the Lake Pontchartrain area. Her upper deck was plated at this time with 3/8"-iron, partially protecting her boilers, of the low pressure type preferred for fuel economy and greater safety in battle. CSS Florida is cited on 12 November 1861 as already in commission and serving Commodore Hollins’ New Orleans defense flotilla under command of Lt. Charles W. Hays, CSN.

The Mobile Evening News editorialized early in December on the startling change “from her former gay, first-class hotel appearance, having been relieved of her upper works and painted as black as the inside of her smokestack. She carries a jib forward and, we suppose, some steering sail aft, when requisite.”

Although much of Florida’s time was spent blockaded in Mobile, she made some forays into Mississippi Sound, two of which alarmed the U.S. Navy’s entire Gulf command: On 19 October Florida convoyed a merchantman outside. Fortunately for her the coast was clear of Union ships and batteries, for Florida fouled the area’s main military telegraph line with her anchor and had no sooner repaired the damage than she went aground for 36 hours. Luck returning, she tried out her guns on USS Massachusetts, “a large three-masted propeller” she mistook for the faster R. R. Cuyler. Being of shallower draft and greater speed, she successfully dodged Massachusetts in shoal water off Ship Island. The havoc caused by one well-placed shot with her rifled pivot gun is described by Commander Melancton Smith, USN, commanding Massachusetts: “It entered the starboard side abaft the engine five feet above the water line, cutting entirely through 18 planks of the main deck, carried away the table, sofas, eight sections of iron steam pipe, and exploded in the stateroom on the port side, stripping the bulkheads of four rooms and setting fire to the vessel . 12 pieces of the fragments have been collected and weigh 58 pounds.”

The first sortie by Florida caused consternation. Capt. L. M. Powell, USN, in command at Ship Island-soon to be main advance base for the New Orleans campaign-wrote to Flag Officer McKean, 22 October, “The first of the reported gun steamers made her experimental trial trip on the Massachusetts, and, if she be a sample of the rest, you may perhaps consider that Ship Island and the adjacent waters will require a force of a special kind in order to hold them to our use. The caliber and long range of the rifled cannon from which the shell that exploded in the Massachusetts was fired established the ability of these fast steam gunboats to keep out of the range of all broadside guns, and enables them to disregard the armament or magnitude of all ships thus armed, or indeed any number of them, when sheltered by shoal water.”

Protecting CSS Pamlico, in contrasting white dress and laden with some 400 troops, “the black rebel steamer” Florida on 4 December had a brush with USS Montgomery in Horn Island Pass that caused jubilation in the Southern press. Comdr. T. Darrah Shaw of Montgomery, finding his 10-inch shell gun no match for Florida’s long-range rifles, signaled Comdr. Melancton Smith for assistance, and when it was not forthcoming, ran back to safety under the guns of Ship Island. Shaw saved Montgomery and lost his command for fleeing from the enemy: Commodore McKean promptly sent Lieutenant Jouett to relieve him and forwarded Shaw’s action report to Secretary Welles, noting, “It needs no comment.” Crowded Richmond Dispatch on 14 December, quoting Mobile Evening News “The Florida fought at great disadvantage in one respect, owing to her steering apparatus being out of order, but showed a decided superiority in the effectiveness of her armament. That gun which scared the Massachusetts so badly, and had nearly proved fatal to her, is evidently a better piece or must be better handled than any which the enemy have.” With the advent of cruiser Florida, she was renamed Selma, in July 1862 Lt. Peter U. Murphey, CSN, assuming command.

On 5 February 1863, while steaming down Mobile Bay with 100 extra men in search of a blockader to carry by boarding, Selma was bilged by a snag in crossing Dog River Bar, entrance to Mobile, and sank in 8 feet of water. Pumped out hastily, she was back in service on the 13th.

By the following year, Selma, Morgan and Gaines, the only ships capable of defending lower Mobile Bay, were having a serious problem with deserting seamen, and intelligence reported Selma’s crew as having fallen as low as 16 men about mid-February. At the crucial battle of 5 August 1864, Selma particularly annoyed Farragut by a steady, raking fire as she stood off Hartford’s bow. After passing the forts, Farragut ordered gunboat Metacomet cast loose from Hartford to pursue Selma. After an hour-long running fight, Murphey, unable to escape to shallows out of reach, had to surrender to faster, more heavily armed Metacomet. Selma lost 7 killed and 8 wounded, including her captain.

She was sold at New Orleans, 12 July 1865, being redocumented as a merchant ship the following month.

(ScStr: t. 429 or 460 l. 171’ b. 29’11” dph. 9’6”)

CSS Florida, built at Greenpoint N. Y. in 1859, was thrice considered for a gunboat before she became one. Contrary to previous interpretation of the official records, closer comparison of entries reveals that she did not serve the Mississippi River Defense Fleet as originally intended but became a Government-owned blockade runner, most authors have confused her with the Mobilian CSS Florida who did not receive her name Selma until July 1862. CSS Florida of New Orleans was one of 14 steamers of Charles Morgan’s Southern Steamship Co. which Maj. Gen. Mansfield Lovell “impressed for public service” at New Orleans 15 January 1862, acting on Secretary of War Benjamin’s orders.

The colorful Lt. Beverly Kennon, CSN, had sought her command but had to be content with Governor Moore. He nostalgically described Florida to a court of inquiry as “a very fast and a very handsome vessel indeed. A direct-acting screw of about 100 horsepower . about the same size in all respects as the U.S. steam sloop Pocahontas.

Of the several ships of the same name, she apparently is the Florida who arrived at Havana 23 March 1862 with 1,000 bales of cotton. Attempting to repeat her success, she had loaded 211 bales in St. Joseph Bay near Pensacola when captured by Acting Master Elnathan Lewis with armed boats from US Bark Pursuit, 6 April. The borders had just captured a sloop, Lafayette, at St. Andrew’s, 20 miles below, and the latter’s Captain Harrison volunteered to pilot Lewis’ party on up to capture Florida. Surprised at 4 o’clock Sunday morning, Florida’s crew were unable to fire their ship.

It later appeared that the pilot, chief mate, first and second engineers were Union sympathizers. Mr. Lewis, after running Florida aground twice and jettisoning 30 bales of cargo, found “it was impossible to bring her out without the assistance of the engineers, pilot, and mate so rather than burn her he considered it prudent to bargain with them, and gave his word that they would receive $500.00 each. They were faithful.”

In the 30-mile passage to the bar, Florida and Lafayette were almost recaptured by the Confederates on 8 April after Capt. R. L. Smith, CSA, and his company of dragoons had galloped 24 hours from Marianna, Fla. to intercept them off St. Andrew’s. A ship’s boat was ambushed with four casualties, one dead, but the prizes continued on to Key West. There, 19 April 1862, Commodore McKean reporting to Secretary Welles confirms that Florida had never been converted: “I have examined her, and find that her upper deck is too light to carry guns of any weight. I have not the


Project Background

Ross Valley Sanitary District (RVSD) began clean up its 10.7-acre former wastewater treatment plant site at 2000 Larkspur Landing Circle in summer 2019 and completed the work on September 9, 2020. The property contained trace concentrations of polychlorinated biphenyls (PCBs) which was present in some of the paint that was applied to the concrete administration buildings. The concrete of the former plant was crushed and used as backfill back in 1999.

In March 2019, US EPA approved the remedial action plan to safely remove and dispose of this material, and in May 2019, RVSD selected a contractor to conduct the cleanup work. Site cleanup consisted of removal of about 64,000 tons of soil and demolition debris to a municipal landfill and removal of about 2,600 tons to a hazardous waste landfill. The site has been cleaned to the cleanest levels that enable unrestricted use of the property. Excavated areas have been back-filled with clean soil, with topsoil and hydro seeding.

The cost of construction, engineering and permitting for this cleanup has been approximately $9.5M since 2018, and $10M in total. On January 15, 2021, RVSD submitted the draft site cleanup completion report to U.S. EPA for their comment, and when the final revised report is accepted by the U.S. EPA, the site will be officially available for consideration of the appropriate unrestricted land use.

Clique aqui to see the Larkspur Landing Frequently Asked Questions (FAQs).

Clique aqui to see the Larkspur Landing Project Information Sheet.

The District is conducting a series of special board meetings as informational presentations about options for surplus property disposition at its former wastewater treatment plant site at 2000 Larkspur Landing Circle.

Informational Presentation III - January 27, 2021 - Surplus Land Act

Informational Presentation II - December 3, 2020 - Larkspur Landing Circle Land Use Entitlements and Larkspur General Plan 2040

Informational Presentation I - September 30, 2020 - Potential Transactional Structures (Sale, Lease, Joint Venture)

The District will provide updates on scheduled presentations, board meetings and opportunities for public engagement as they are proposed and conducted.


Vida pessoal

Korematsu married Kathryn Pearson in Michigan in 1946. They moved to California three years later. They had two children, Karen and Ken.

Korematsu&aposs daughter stated in a 2012 interview that her father "felt responsible for the loss of his Supreme Court case in 1944 in regard to the rest of the Japanese and Japanese Americans that had been incarcerated, and he carried around the weight of that shame for almost 40 years." Because Korematsu found it too painful to discuss his case with his children, both learned about it in school instead.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos