Novo

27 de dezembro de 1941

27 de dezembro de 1941


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

27 de dezembro de 1941

Dezembro de 1941

1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
> Janeiro

Europa ocupada

Comandos britânicos atacam Vaagso e Lofoten



Nossa resposta para Foster & rsquos Perguntas e respostas

A partir de O militante, Vol. V No. 52, 27 de dezembro de 1941, p. 6
Transcrito e amplificado por Einde O & # 8217Callaghan para ETOL.

Cada vez que os membros do Partido Comunista são varridos por uma nova virada na linha do partido, o C.P. aparelho põe em movimento a bem lubrificada máquina & ldquoenlightenment & rdquo. O objetivo dessa máquina é arrancar das cabeças dos membros do partido & rsquo as idéias de ontem, as idéias que eles se acostumaram a ver nas publicações do partido e pelas quais discutiam tão acaloradamente com seus amigos e colegas de loja. Simultaneamente com essa difícil operação, um novo conjunto de idéias deve ser colocado em prática. E tudo isso deve ser realizado de uma forma que não prejudique o "quoprestígio" da liderança e a infalibilidade de Stalin.

Foster tenta acalmar C.P. Ranks

Na campanha & ldquoenlightenment & rdquo agora em andamento para colocar o. nova posição de guerra do C.P., William Z. Foster, apropriadamente, desempenha um papel proeminente. Ele fez sua parte na Primeira Guerra Mundial & ldquoto tornar o mundo seguro para a democracia & rdquo ao vender os Títulos da Liberdade. Ele também não é preguiçoso desta vez. Parte de sua modesta contribuição ao esforço de guerra dos EUA consiste em uma coluna na página editorial do Trabalhador diário sob o título geral: The People & rsquos War: Questions and Answers. Nele, ele se compromete a cada dia responder a perguntas sobre a guerra que estão agitando as mentes de C.P. membros.

Neste artigo, desejamos lidar com sua resposta em 30 de outubro à importante questão: & ldquoA URSS cometeu um erro ao assinar o pacto de não agressão com a Alemanha nazista? & rdquo, pois a resposta que ele dá é típica de todas as outras desculpas feitas pelos burocratas stalinistas pelas políticas de Stalin e rsquos antes da guerra germano-soviética.

Desde o momento da assinatura do Pacto Stalin-Hitler até o ataque nazista à União Soviética & ndash quase dois anos & ndash, foi perfurado nas mentes das bases stalinistas que o Pacto era simplesmente a peça mais inteligente da estratégia o mundo jamais vira que, em um mundo dilacerado pela guerra, Stalin havia jogado suas cartas tão bem que conseguira manter a União Soviética fora dela.

Custo do Pacto

Sem dúvida, muitos stalinistas achavam que era um preço terrível que Stalin pagara por essa paz. Eles sabiam por suas próprias experiências e contatos que muitos trabalhadores responsabilizavam Stalin por dar luz verde a Hitler para a abertura da ofensiva polonesa, eles sabiam que, no que dizia respeito aos melhores militantes, o prestígio da União Soviética neste período havia atingido o ponto mais baixo de sua história. Mas, argumentaram os Fosters naquele período de & ldquoenlightenment & rdquo, a própria vida ensinará aos trabalhadores a tempo, pois quando todo o mundo capitalista estiver em ruínas, a União Soviética ainda estará lá em sua plena glória, atestando a indiscutível correção do curso de Stalin & rsquos assinar o pacto.

Mas toda a fina teia de racionalização assim tecida pelos stalinistas foi reduzida a pedaços pelos exércitos de Hitler e rsquos, que devastaram as seções mais produtivas e industriais do país e mataram e mutilaram incontáveis ​​centenas de milhares dos mais corajosos defensores da Revolução Russa .

O objetivo de Foster & rsquos, fica claro em sua resposta à pergunta, não é dizer a verdade ao C.P. file e file, mas apenas para salvar do desastre do Pacto Stalin-Hitler o prestígio de seu mestre, Joseph Stalin.

Produção industrial

Foster apresenta três pontos em sua resposta: & ldquoPrimeiro, no período em que o pacto durou, a URSS aumentou a produção industrial em 25%. & rdquo Não sabemos de onde Foster conseguiu seus números. Os números oficiais soviéticos, pelo menos aqueles que foram publicados, mostram, pelo contrário, um declínio na produção. (Ver Como Stalin abriu caminho para Hitler por John G. Wright, Quarta Internacional, Novembro de 1941)

Mas, para fins de argumentação, tomemos os números de Foster & rsquos por um momento. Qual a importância desse suposto aumento em face do inegável aumento da produtividade alemã? Nesse mesmo período, Hitler conquistou os territórios e oficinas de toda a Europa. E qual o significado do alegado aumento de 25% face às recentes perdas de capacidade industrial sofridas pela URSS?

Posição Estratégica

& ldquo Além disso, a URSS ao incorporar os estados vizinhos da Estônia, Lituânia, Letônia, Rússia Branca e Bessarábia dentro de suas fronteiras, melhorou muito sua posição estratégica ao criar um território de proteção para aliviar o choque de uma eventual Blitzkrieg alemã. & rdquo

Essas linhas foram escritas em uma época em que os exércitos de Hitler e Rsquos estavam às portas de Leningrado, Moscou e Rostov. Foster não se atreve a dizer se esta & ldquoposição & rdquo justifica mais & ndash a alienação das simpatias do proletariado mundial. Nem diz quão bem essa "posição estratégica melhorada" foi utilizada ou quanta vantagem real foi tirada dela por Stalin.

Se tomarmos o testemunho de Ralph Ingersoll, editor da PM, neste ponto, os Exércitos Vermelhos só foram capazes de oferecer resistência real depois de terem alcançado a velha fronteira soviética, enquanto os territórios recém-ocupados foram perdidos, junto com grandes massas de equipamento, em pouco tempo. Isso foi verificado há apenas alguns dias, quando Litvinov disse a repórteres em Washington em 13 de dezembro:

& ldquoAntes de declarar guerra, ele (Hitler) atacou quase todos os nossos aeroportos e bases militares logo atrás das fronteiras. Conseguiu assim destruir num piscar de olhos uma quantidade muito considerável de nossos aviões e tanques e, em certa medida, confundir nossas tropas, pois foram apanhadas de surpresa e sem a menor expectativa de guerra. toda essa máquina monstruosa foi lançada contra a União Soviética, antes que pudéssemos nos preparar adequadamente para tal ataque e mobilizar nossas próprias forças. Como resultado, Hitler conseguiu por muito tempo pressionar nossas tropas de volta, forçá-las a recuar e penetrar profundamente em nosso país. & rdquo

Equilíbrio de poder

“Segundo Foster”, argumenta Foster, “durante o período do pacto, dois grandes inimigos do Eixo da URSS ficaram muito enfraquecidos e tornaram-se menos capazes de atacar: o Japão. e Itália & rdquo. Este ponto poderia ter alguma validade se Foster tivesse mostrado que o poder hoje era mais favorável à URSS do que na época em que o Pacto foi assinado.

Durante o período do Pacto, Hitler subjugou a França com seu imenso exército, os Países Baixos, a Noruega e os Bálcãs, que estavam em uma categoria à parte e eram uma ameaça potencial para Hitler.

Foi principalmente para eliminar o perigo de uma guerra em duas frentes que Hitler assinou o Pacto com Stalin, estava pronto para & ldquoshare & rdquo com ele na conquista da Polônia, induziu a Romênia a ceder a Bessarábia e & ldquotolerou & rdquo a guerra com a Finlândia e os ocupação dos países bálticos. O Pacto se encaixava na estratégia de Hitler & rsquos. Para entender isso, basta lembrar por um momento a imagem da Europa e do mundo na época do Pacto.

& ldquoTerceiro & rdquo, Foster informa a seus leitores, & ldquothe atitude da Inglaterra e dos Estados Unidos, por causa dos acontecimentos durante o período do pacto, tornou-se mais amigável para com a URSS. & rdquo Que maneira indireta de conquistar a amizade da Inglaterra e dos EUA! Se Dale Carnegie não tiver esse método em seu livro sobre Como fazer Amigos e Influenciar Pessoas, ele deve incluí-lo por todos os meios.

Aparentemente, quando chegou ao fim de seu artigo, Foster sentiu que não havia sido muito convincente, pois concluiu com o seguinte: & ldquoA experiência posterior mostrará que a assinatura do pacto com a União Soviética foi uma grande derrota para Hitler, que acabará resultando em sua queda. & rdquo

Efeito sobre os trabalhadores alemães

Estamos convencidos de que a queda de Hitler e rsquos é iminente. Mas isso não ocorrerá por causa do Pacto, mas apesar dele, e apesar da traição de Stalin e Foster. Na verdade, o Pacto ajudou a prolongar o regime de Hitler. Seus ganhos com o Pacto não foram apenas militares. Ainda mais importante, o Pacto ajudou a solidificar a frente interna de Hitler e a desorientar a classe trabalhadora em todos os lugares. A Alemanha tinha uma grande tradição socialista e comunista e milhões de trabalhadores que eram partidários do Partido Socialista ou Comunista. O Pacto deve ter causado um golpe terrível contra esses trabalhadores, muitos deles hoje com uniformes do exército. Como eles poderiam deixar de sentir que Stalin havia descoberto algumas virtudes ocultas em seu arquiinimigo, Hitler, que talvez houvesse algumas características progressistas sobre a guerra de Hitler e Rsquos? E muitos dos trabalhadores alemães que não foram jogados nos braços de Hitler certamente caíram em um estado de desespero onde se sentiram, & ldquo Qual é a utilidade de se opor a Hitler quando ele até mesmo a União Soviética se alinhou? & Rdquo

Critério Decisivo

O Pacto Stalin-Hitler foi apenas um elo em toda a cadeia da política stalinista que se baseia no total desprezo pelo papel independente da classe trabalhadora. Este desprezo da burocracia stalinista pela classe trabalhadora tem sua contrapartida em seu servilismo perante os governantes capitalistas. Não faz muito tempo, Laval, representando os governantes franceses da época, era aclamado como o melhor amigo da União Soviética, então era Hitler, agora é Roosevelt e Churchill.

Nem é preciso dizer que a União Soviética, por causa do cerco capitalista, é obrigada a entrar em pactos com um ou outro grupo de imperialistas. O que é criminoso da parte dos Stalins e Fosters não é a mera feitura de pactos, mas sua subordinação do movimento operário revolucionário aos interesses dos imperialistas que estão temporariamente em aliança com a URSS.

Existe outro critério. O valor dos pactos deve ser julgado na análise final por seus resultados. O Pacto fortaleceu a posição relativa da União Soviética? A terrível posição da União Soviética na guerra de hoje fala por si. Somente um escriba stalinista endurecido pode sustentar o contrário.


História Bahá'í

27 de dezembro. Nesta data, em 1941, Shoghi Effendi escreveu à NSA da Índia "O Báb disse que sempre que 'Aquele que Deus tornará manifesto' aparecer, aceite-o. Ele nunca disse para não aceitá-lo até depois de decorrido 1000 anos . Sua dispensação em certo sentido durará tanto quanto durar a de Bahá'u'lláh. "

"O Báb disse que sempre que 'Aquele a quem Deus tornará manifesto' aparecer, aceite-o. Ele nunca disse para não aceitá-lo até depois do lapso de 1000 anos. Também Bahá'u'lláh diz que no ano 9 do Babi Dispensação, o tempo havia chegado para a Revelação 'Aquele que Deus tornará manifesto'. Como o Báb não foi apenas uma Manifestação, mas também um Arauto desta Fé Bahá'í, o intervalo entre Sua revelação e a de Bahá'u'lláh foi de menor duração. Sua Dispensação, em certo sentido, durará tanto quanto Bahá'u ' o de lláh dura. "

(De uma carta escrita em nome do Guardião para a Assembleia Espiritual Nacional da Índia, 27 de dezembro de 1941: Aurora de um Novo Dia, p. 94)


Dinheiro misterioso?

Foi uma coisa estranha para o presidente filipino, Manuel L. Quezon, fazer com seu país à beira do desastre.

No início de janeiro de 1942, o Japão invadiu as ilhas, varrendo as tropas americanas e filipinas do general Douglas MacArthur. As forças de MacArthur estavam se retirando para a Península de Bataan para uma luta de última hora, cedendo ao inimigo a capital Manila e a maior parte da principal ilha filipina de Luzon. Quezon ficou preso em Corregidor, o centro de comando da ilha de MacArthur na baía de Manila.

Apesar da terrível situação, Quezon emitiu a Ordem Executiva nº 1, datada de 3 de janeiro de 1942, ordenando que o Tesouro das Filipinas pagasse a MacArthur $ 500.000 (mais de $ 8 milhões hoje) "em reconhecimento ao excelente serviço prestado à Comunidade das Filipinas". O público americano não soube desse pagamento até 1980, e sua divulgação tardia criou um rebuliço. “Dinheiro misterioso,” Tempo a revista chamou, e a mídia insinuou que era um suborno a MacArthur, talvez para garantir a evacuação de Quezon das Filipinas antes que as ilhas caíssem para os japoneses. Apesar da aparência suspeita do pagamento, no entanto, outros indicadores sugerem que não foi um suborno, mas simplesmente o que a ordem executiva disse que era: uma recompensa pelo serviço pré-guerra de MacArthur ao governo filipino.

De 1935 até ser chamado de volta ao serviço ativo do Exército dos EUA em julho de 1941, MacArthur serviu como conselheiro militar de Quezon, trabalhando com o presidente filipino para desenvolver um exército para defendê-lo quando ganhou sua independência em 1946. Ordem Executiva No. 1 recompensada não apenas MacArthur, mas três assessores de MacArthur de sua equipe pré-guerra: Richard K. Sutherland ($ 75.000), Richard J. Marshall ($ 45.000) e Sidney L. Huff ($ 20.000). Nenhum pagamento foi feito a ninguém que se juntou à equipe de MacArthur depois que ele voltou ao serviço ativo. Que o dinheiro era para o serviço pré-guerra é confirmado pela oferta de Quezon em junho de 1942 de um pagamento semelhante a Dwight D. Eisenhower, que havia servido como assessor de MacArthur nas Filipinas de 1935 a 1939. Eisenhower, que ainda não era a figura famosa que viria logo se tornou, sabia que o pagamento tinha uma aparência ruim e educadamente recusou a oferta.

Embora a quantia paga a MacArthur fosse grande, Quezon tinha um histórico de generosidade para com MacArthur e sua equipe. De 1935 a 1941, por exemplo, ele pagou a MacArthur $ 18.000 por ano (mais de $ 300.000 hoje), além de fornecer uma conta de despesas de $ 15.000 e um apartamento de cobertura no Hotel Manila. Como outro exemplo, de 1935 a 1939, ele pagou a Eisenhower $ 11.760 por ano (mais de $ 200.000 hoje) e deu a ele uma suíte no mesmo hotel. Quando Eisenhower tentou voltar aos Estados Unidos em 1939, Quezon ofereceu-lhe um cheque em branco para ficar em Manila.

Por fim, Quezon não precisava subornar MacArthur ou sua equipe porque Quezon sabia que o presidente Franklin D. Roosevelt já havia decidido evacuá-lo. ✯

Este artigo foi publicado na edição de dezembro de 2020 da Segunda Guerra Mundial.


História Bahá'í

27 de dezembro. Nessa data, em 1941, Shoghi Effendi escreveu para a NSA da Índia e da Birmânia, explicando por que o Kitab-i-Aqdas não é distribuído entre todos os bahá'ís ou traduzido em suas línguas nativas.

27 Razões para Atraso na Tradução e Publicação do Kitab-i-Aqdas 6 DE DEZEMBRO DE 1965

A Assembleia Espiritual Nacional dos Bahá'ís dos Estados Unidos

Recebemos várias perguntas sobre a tradução e publicação do Kitab-i-Aqdas de amigos que não conseguiram lê-lo em sua forma original. Sentimos que o seguinte extrato de uma carta escrita em nome do amado Guardião por seu secretário datada de 27 de dezembro de 1941, dirigida à Assembleia Espiritual Nacional da Índia e da Birmânia esclarece esta questão:

A razão pela qual [o Kitab-i-Aqdas] não é divulgado entre todos os

27.1a Bahá'ís é, em primeiro lugar, porque a Causa ainda não está pronta ou suficientemente amadurecida para colocar todas as disposições do Aqdas em vigor e, em segundo lugar, porque é um livro que precisa ser complementado por explicações detalhadas e traduzido para outros línguas por um órgão competente de especialistas.

27.2 As disposições das Aqdas estão gradativamente, de acordo com o progresso da Causa, já sendo colocadas em vigor, tanto no Oriente como no Ocidente

Como é bem sabido, o amado Guardião já deu em God Passes By, pp. 24-15, um resumo do conteúdo deste Livro Santíssimo, e incluiu a codificação de todas as leis do Kitab-i-Aqdas como uma dos objetivos da Cruzada de Dez Anos. É intenção da Casa Universal de Justiça atingir esse objetivo publicando uma sinopse e codificação dessas leis durante o atual Plano de Nove Anos. Muito do Kitab-i-Aqdas já foi traduzido pela amada

27.3 Guardião e foi dado aos amigos no Ocidente, embora não seja designado, em todos os casos, como proveniente do Livro Mais Sagrado. Damos a seguir uma lista dessas referências para sua orientação:

Respingos das Seções dos Escritos XXXVII, LVI, LXX, de Bahá'u'lláh = I, XCVIII, CV, CIV, CLIX e CLXV O Dia da Promessa É Come pp. 26 (1º parágrafo), 36-37 (até o fim do 2º parágrafo), 40 (2º parágrafo) e 84-85 (até o final do 1º parágrafo)

27-I. Em 1973, o último ano do Plano de Nove Anos, a Casa Universal de Justiça publicou Uma Sinopse e Codificação do Kitab-i-Aqdas. O volume inclui todos os trechos da lista de referências a seguir. O Bahá'í World Center publicou uma tradução em inglês copiosamente comentada do Kitab-i-Aqdas e textos relacionados em 1992.

The Challenging Requirements pp. 16-17 of the Present Hour 2 (até o final do primeiro parágrafo) Administração Bahá'í p. 21 (1º parágrafo) A Ordem Mundial de Bahá'u'lláh P. 134 (2º parágrafo) A Comunidade Bahá'í (edição de 1963) P. 4 (2º e 3º parágrafos) Star of the West, vol. XIV Pp. 112-14

27.4 As duas razões apresentadas pelo Guardião no extrato da carta citada acima precisam ser ampliadas:

27.4a I. Quanto ao primeiro motivo, quanto à oportunidade de efetivar todas as disposições do Kitab-i-Aqdas, deve-se ter em mente que o amado Guardião afirmou ainda:

. as Leis reveladas por Bahá'u'lláh em Aqdas são, sempre que praticável e não em conflito direto com a Lei Civil do país, absolutamente obrigatórias para todo crente ou instituição bahá'í, seja no Oriente ou no Ocidente. Certas leis, como jejum, orações obrigatórias, consentimento dos pais antes do casamento, evitação de bebidas alcoólicas, monogamia, devem ser consideradas por todos os crentes como universal e vitalmente aplicáveis ​​no tempo presente. Outros foram formulados em antecipação a um estado da sociedade destinado a emergir das condições caóticas que prevalecem hoje. Quando o Aqdas for publicado, esse assunto será mais bem explicado e elucidado. O que não foi formulado no Aqdas, além de questões de detalhes e de importância secundária decorrentes da aplicação das Leis já formuladas por Bahá'u'lláh, terá que ser promulgado pela Casa Universal de Justiça. (Bahá'í News, outubro de 1935)

O Guardian escreveu ainda:

Deve-se notar a este respeito que esta Ordem Administrativa é fundamentalmente diferente de qualquer coisa que qualquer Profeta tenha estabelecido anteriormente, visto que o próprio Bahá'u'lláh revelou seus princípios, estabeleceu suas instituições, nomeou a pessoa para interpretar Sua Palavra e conferiu o autoridade necessária sobre o corpo designado para complementar e aplicar Suas ordenanças legislativas. Aí está o segredo de sua força, sua distinção fundamental e a garantia contra a desintegração e o cisma. . . . (Ordem Mundial de Bahá'u'lláh, p. 145)

27-2. Esta mensagem de Shoghi Effendi foi publicada mais tarde em CF, pp. 4-38, a passagem do Kit6b-i-Aqdas aparece nas pp. 18-19 (ver também PB, p. 63).

2. Quanto ao segundo motivo alegado pelo querido Guardião no extrato referido acima, deve-se notar que o material complementar a acompanhar a publicação das leis do Kitab-i-Aqdas pode muito bem incluir os seguintes itens, todos dos quais requerem pesquisa cuidadosa e tradução:

uma. O Anexo ao Kitab-i-Aqdas, as Perguntas e Respostas. (God Passes By, p. 219)

b. Epístolas de Bahá'u'lláh em "elaboração e elucidação de algumas das leis que Ele [Bahá'u'lláh] já havia estabelecido". (God Passes By, p. 216)

c. Epístolas de Bahá'u'lláh estabelecendo 'ordenanças subsidiárias destinadas a suplementar as provisões de Seu Livro Mais Sagrado. "(God Passes By, p. 216)

d. As Cartas e Escritos de 'Abdu'l-Bahá e Shoghi Effendi na interpretação das leis e ordenanças do Kitab-i-Aqdas.

e. Outras explicações e notas de rodapé que possam ser exigidas na elucidação das disposições daquele Livro.


The Battle at Dawn: A primeira batalha entre os Estados Unidos e o Japão, de 7 a 10 de dezembro de 1941

Enquanto os auxiliares da frota têm calado para levar um torpedo, os contratorpedeiros não. Os danos causados ​​perto, na linha d'água e acima dela no USS Oklahoma e no USS West Virginia aconteceram depois que eles começaram a afundar. Colocar um contratorpedeiro do lado de fora do BB simplesmente fará com que o BB receba o golpe do torpedo e o DD receba o dano da bolha explosiva em expansão residual.

lembre-se de que a sabedoria convencional é que um ataque aéreo de torpedo em Pearl Harbor é impossível. mas apenas no caso, os destruidores adicionam mais proteção antiaérea do que a Medusa ou Vestal fariam. Em OTL, um torpedo ainda passou por baixo do Vestal e atingiu o Arizona, apesar de uma diferença de calado de apenas alguns metros.

Essa sabedoria convencional também é uma das principais razões para que não houvesse redes de torpedo implantadas. Richardson estava assumindo o ataque de bombardeiros de mergulho como a principal ameaça, e seus destróieres foram movidos para fornecer cobertura extra contra essa ameaça. Até que o ataque de torpedo fosse feito, ele não teria acreditado que fosse tecnicamente possível. Pretendo editar essa sequência no produto final desta história.

Quanto à diferença entre petroleiros e petroleiros, sim, de fato, há uma diferença. Quanto às questões logísticas, os japoneses planejam permanecer na rede havaiana (que inclui Midway e Kure Atoll) por no máximo 4 dias após 7 de dezembro, o que inclui a cobertura do pouso planejado em Midway. Não há intenção de permanecer em torno de Pearl Harbor

Existem também algumas diferenças quanto a onde os lubrificadores estarão esperando na saída em relação ao OTL

Galveston Bay

Eu esbocei tudo até o final do dia 10 de dezembro

No entanto, como é literalmente um fim de semana de feriado e a família tem expectativas e coisas do gênero, vou postar se eles permitirem

Mas espero terminar pelo menos 7 de dezembro a tempo para o Natal

KACKO

Será um bom Natal para nós.

Feliz Natal para você, sua família e seus entes queridos.

Legião dos Estados Unidos

Eu esbocei tudo até o final do dia 10 de dezembro

No entanto, como é literalmente um fim de semana de feriado e a família tem expectativas e coisas do gênero, vou postar se eles permitirem

Mas espero terminar pelo menos 7 de dezembro a tempo para o Natal

Espere só um minuto. Você vai colocar sua família antes de um bando de estranhos em um fórum da Internet?

Sem deriva

Wcv215

Glenn239

Glenn239

Então, três pontos-chave e, em seguida, Alan Zimm -

1. Um grande número de aeronaves de defesa & quotcolocadas corretamente & quot usando um sistema de radar ainda não operacional e sem treinamento adequado, contra duas ondas que se aproximam.
2. Alcançar uma vantagem de altitude com radar que não pode determinar a altitude e pilotos sem experiência anterior da altitude em que os aviões IJN voaram.
3. Os caças de escolta podem ficar sem munição de 20 mm, & quotDeixando os caças sobreviventes dos EUA para retornar e atacar & quot quando a doutrina do caça IJN sobre Luzon mais tarde naquele dia era lutar com munição MG quando a munição do canhão se exaurisse, continuamente engajando os caças defensores para deixá-los sem combustível e fazê-los cair. Observe que o objetivo 1 da USAAF acima significaria que muitos, senão a maioria, os caças que tentam ganhar posição já estarão com pouco combustível.
4. Veja a análise de Alan Zimm. Pergunta, na análise de Alan Zimm, quando a segunda onda aparece com todos os caças da USAAF, seja no solo sendo reabastecido ou no ar sendo perseguidos até a exaustão de combustível, o que ele acha que acontecerá com os caças americanos quando 90 aeronaves japonesas (36 caças e 54 bombardeiros) os atacam no solo?

Galveston Bay

Galveston Bay

Então, três pontos-chave e, em seguida, Alan Zimm -

1. Um grande número de aeronaves de defesa & quotcolocadas corretamente & quot usando um sistema de radar ainda não operacional e sem treinamento adequado, contra duas ondas que se aproximam.
2. Alcançar uma vantagem de altitude com radar que não pode determinar a altitude e pilotos sem experiência anterior da altitude em que os aviões IJN voaram.
3. Os caças de escolta podem ficar sem munição de 20 mm, & quotDeixando os caças sobreviventes dos EUA para retornar e atacar & quot quando a doutrina do caça IJN sobre Luzon mais tarde naquele dia foi lutar com munição MG quando a munição do canhão se exaurisse, continuamente engajando os caças defensores para deixá-los sem combustível e fazê-los cair. Observe que o objetivo 1 da USAAF acima significaria que muitos, senão a maioria, os caças que tentam ganhar posição já estarão com pouco combustível.
4. Veja a análise de Alan Zimm. Pergunta, na análise de Alan Zimm, quando a segunda onda aparece com todos os caças da USAAF, seja no solo sendo reabastecido ou no ar sendo perseguidos até a exaustão de combustível, o que ele acha que acontecerá com os caças americanos quando 90 aeronaves japonesas (36 caças e 54 bombardeiros) os atacam no solo?

no livro (não no artigo curto), ele usa estimativas de que a perda total dos japoneses seria entre 1/3 a 2/3 de sua força de ataque total, incluindo perdas para caças e flak

Ele baseou isso na análise da campanha inicial de Guadalcanal (pré-uso de fusíveis de proximidade), Midway e Mar de Coral. Ele também cita os jogos de guerra oficiais realizados posteriormente pelos militares dos EUA, onde eles imaginaram que poderiam ter reabastecido, rearmado e escalado a tempo para a segunda onda, com base na linha do tempo real dos períodos de chegada da 1ª e 2ª Ondas. Certamente Ken Tyler e George Welch conseguiram duas surtidas, incluindo o rearmamento. Eles não precisaram reabastecer

Muito provavelmente, como Oahu tem apenas algumas dezenas de milhas de diâmetro (44 x 30 milhas), não haveria necessidade de reabastecer, apenas a necessidade de rearmar. A batalha inteira, das 07:00 horas (detecção) até o final da segunda onda, dura apenas 3 horas (o último avião já passou por 1000 horas). Então, estamos falando de cerca de 90 minutos no total de ar, no máximo, para a força do interceptor, e eles seriam capazes de pousar, rearmar e completar um pouco (com combustível) antes da segunda onda.

Além disso, Wheeler tinha 108 revestimentos construídos que estavam literalmente vazios em OTL. Short ordenou a Martin (que nunca mais viu o serviço de combate) não alarmar a população local colocando seus combatentes em 'bunkers'.

Isso ajuda a responder à sua pergunta?

quanto aos seus pontos .. note que a linha do tempo trata especificamente do comando da defesa aérea, controle e questões de alerta precoce (ambos os generais da USAAF envolvidos eram observadores enviados à Grã-Bretanha para assistir à Batalha da Grã-Bretanha)

Quanto à determinação da altitude ... o radar é essencialmente idêntico ao radar British Chain Home, e o operador habilidoso pode dizer a altitude (senão a partir do momento da primeira detecção)

consulte o sistema SCR 270 para obter detalhes

os Zeros tinham apenas 50 tiros por arma. enquanto as balas de calibre de rifle são muito boas contra o P36 (que não possui tanques autovedantes) e algumas das primeiras marcas do P40 (ambos os quais estão em Pearl Harbor), eles não são particularmente mortais para o Wildcat e leva muitos deles para desativar o P40 ou o Wildcat. s

Resumindo, acho que você está gravemente enganado sobre sua análise

Quanto à batalha aérea sobre Clark Field, o problema era que a maioria dos P40s que se perderam enquanto tentavam um dogfight contra o Zero, não porque tivessem problemas de combustível (eles literalmente tinham acabado de decolar de Clark, aqueles que conseguiram), ou estavam vindo de Iba. Comando e controle deficientes os deixaram acordados bem tarde. Os pilotos também eram muito menos experientes do que as unidades de Oahu (turmas posteriores de graduados da escola de vôo que também passaram alguns meses em um navio e, portanto, não tiveram o mesmo número de horas de vôo). Martin Caidin entra em detalhes sobre a Campanha Luzon em & quotRagged Rugged Warriors & quot, enquanto & quotBut not in Shame & quot de Toland é realmente bom em abordar as falhas de comando em todos os níveis.

Em outras palavras, situações diferentes

Minha própria suposição está mais próxima de Luzon do que do jogo de guerra oficial dos EUA (que classificou o P36 como o P40 e o mesmo com o P26!) E estou usando uma média de taxas de perda em termos de eficácia do flak dos EUA, levando em consideração que um número considerável de armas de bordo tem arcos de disparo limitados ou mascarados.

Embora a situação em Oahu e Luzon fosse semelhante em muitos aspectos em OTL. Graves falhas de comando em muitos níveis, falta de imaginação e muitos equipamentos e homens obsoletos e obsoletos (principalmente no Exército dos EUA) que careciam de treinamento. Mas havia o suficiente para ter deixado os japoneses com um sério sangramento no nariz. Não o suficiente para evitar sérias perdas dos Estados Unidos, mas o suficiente para paralisar a 1ª Frota Aérea por meses, no mínimo, em termos de perdas de tripulações.

Mais alguns meses e Luzon também poderia ter se saído muito bem. Simplesmente não havia tempo suficiente para prepará-los (algumas unidades haviam literalmente chegado em outubro e as peças eram ainda mais difíceis de conseguir). Na verdade, muitos equipamentos vitais e mão de obra ainda estavam a caminho de Luzon a bordo do comboio de Pensacola


Re: invasão japonesa do Havaí, dezembro de 1941.

Postado por RichTO90 & raquo 02 de dezembro de 2009, 07:22

É uma merda como essa que me pega. e o fato de que esse cara vem vendendo isso há três anos, movendo seu show Snakeoil para a próxima cidade periodicamente. quando ele não foi expulso da cidade de trem.

Kaneohe Chart http://sailvector.com/2803/Kaneohe-Bay-Oahu-East-Coast Em geral, a Península de Mokapu pode ser abordada dentro de cerca de 500 jardas de seu lado norte. No entanto, a alegação de que a "maioria" da Baía de Kaneohe era de 32 pés ou mais profunda é ilusória, a linha de 5 braças vai de 500 jardas ao norte de Mokapu geralmente a noroeste a cerca de 1.500 jardas de Kaoio Point e, em seguida, percorre aproximadamente essa distância da costa ao longo do resto da costa leste. O Canal de Mokolii foi dragado até 33 pés de profundidade (mas raso para 29 pés em vários pontos), mas exatamente quando não está claro. A maioria das operações de dragagem começando em setembro de 1939 e se estendendo até dezembro de 1941 foram para expandir a área do hidroavião base. A dragagem do canal continuou até 1945 e periodicamente desde então.

BTW, as alegações sobre o “porto de Kaneohe” são risíveis. Lá havia e não há nenhum porto. Existe um iate clube moderno e vários cais de pesca em 1941, caso contrário, toda a atividade naval era limitada à base da Marinha. Também poderia ser legitimamente questionado por que as poucas centenas de militares da Marinha e fuzileiros navais em Kaneohe seriam tão desatentos com o ambiente. Considerando que o centro da base em Puru Hawaiiloa está a 80 metros e a Cratera de Ulupau está a 198, qualquer pessoa que estiver lá terá visibilidade de cerca de 18-26 milhas ... com a silhueta dos navios se aproximando pelo sol nascente.

Nem é a "corrida da maré 9" -12 "" como foi afirmado (não tenho ideia do que uma "corrida da maré" pode ser neste contexto, geralmente é quão longe em uma fonte de água doce a salinidade de uma maré pode ser medida … Deve ser algo como o “Porto de Kaneohe”). A variação média das marés é, na verdade, de 0,68 metros (26,77 polegadas), com um alcance máximo de 1,1 metros (43,3 polegadas). Claro, durante a primeira lua cheia em dezembro (a propósito, estou bem ciente de que a lua da noite do dia 6 estava minguando, ainda assim o efeito seria cerca de 75-85% disso) a sequência em questão seria algo como:

Maré alta em c. 1234 horas = +1,24 pés
Low Tide at c. 1928 hours = -0.63 feet (22.44 inch variation high to low))
High Tide at c. 0315 hours = 2.74 feet (40.44 inch variation low to high)
Low Tide at c. 1002 hours = 0.99 feet (33 inch variation high to low)

Battleships will be forced to stand off the bay to fire…except they cannot usefully fire if their targets are Schofield, Wheeler, Hickham, and Ford, since there is little prospect of rounds being fired having any more effect than if they were fired at the moon.

Interestingly enough, the claim that Honolulu Harbor was “only dredged to 29’” is also wrong. In fact, it was dredged to 30 feet in 1892 and the entrance channel was widened to 200 feet. By 1905 the entire harbor had been dredged to 25-30 feet, with an entrance channel dredged to 35 feet at low tide. Kapalama Channel was dredged to 800 feet wide and a depth of 35 feet in 1919. The Harbor entrance channel was expanded to a width of 500 feet and depth of 40 feet in 1935. See Hawaii Harbors Division “History of Oahu’s Harbors” http://www.state.hi.us/dot/harbors/oahu/history.htm

Notice also that the various photos of Asama Maru at Honolulu show here with her full load line well exposed, possibly by 10 feet or more. I expect that she drew no more than about 30-35 feet at normal load.

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por Takao » 02 Dec 2009, 07:53

robdab, with regarding to your post on 29 Nov 2009, 22:47

With regards to the SBD being pressed in to service in CAP, you replied

But your not going to have 54 "Kates", more like 34-36 "Kates." Those that go out on recon would not be loaded with torpedoes.


Regarding the attack on the USS Utah, you replied

Yet, as H.P. Willmott points out, the lead "Kate" did not drop on the Utah, and went on to attack targets on the other side of Ford Island. He was obeying orders. It was the three following planes that did not do so and disobeyed their orders. If those three pilots had obeyed their orders, they would have followed the lead "Kate" and not attacked the USS Utah. Your, HINDSIGHT is that they disobeyed orders and attacked the USS Utah. You don't want to waste torpedoes, so by using your HINDSIGHT you reassign them to attacking the dry dock cassions.

Then you reply to repairing the dry dock cassion with

The front side is most likely totally destroyed and the back is most probably ruptured as well. With the force being vented in to the cassion's void space, the overpressure is likely to rupture the seals making it watertight and the crack welds or pop rivets holding the sides in place. Therefore, if it is still in one piece, it is not structurally sound, let alone water tight. So, it will be more than just a quick patch job. Then, you would need to find several sheets of metal the required dimensions of the rather large hole. While not unlikely, it will no be so easy either.

Further along those lines, you wrote

Sim, BUT we're not talking about flooding the dry dock are we? We are talking about flooding the USS Pennsylvania, which would be limited to the size of the holes for the three shafts. You can flood the dock as quickly as you please, even (although impossible) instantaneously, the amount of water entering the USS Pennsylvania will still be restricted to what can come in through the three shaft openings. That will be limited by the reaction of her officers and damage control parties.


Pertaining to fleeing civilians you quipped

Part boredom, part relieving stress after work, and part fighting ignorance(as we have both learned things we had not known before this discussion began.)

With regards to the my using bits from the "Alternative story for the Battleship Yamato. " thread. You responded with

The first marker bouys may be that far out, but after about 1.75 miles the ships will be in deep water and free to maneuver. Also, this would be the are most highly patrolled area by any ASW assets on hand.

With regards to Japanese mini-subs, you wrote

Didn't we cover this ground in the Yamato thread? Very near miss is not A HIT, now is it? The math still works out to: no runs, no hits, and three errors. Let's face it, the I-Boats performed very poorly at Pearl Harbor, no amount of your cajoling will change that fact.

Yes, the Japanese created their own luck, it worked rather out rather well for them at Midway, or had they stopped creating their own luck by then. Or, were the Americans creating more luck than the Japanese? Or luck had nothing to do with any of it.

With regards to the USSR you wrote

Ok? WTF does Vietnam have to do with Pearl Harbor?

With regard to your making this up as you go along, you replied

True, much work remains to be done before you can announce your total failure to make any progress. Like a man on a treadmill, your running and running, but your not getting anywhere. Good thing this is an ATL, because given the time interval in the OTL, its about the time of Midway, or Guadalcanal, or even later and you still have not hit Pearl Harbor yet!

Ok, Ho Chi Minh. IIRC, the Vietnam War lasted 10-12 years, your Japanese lasted 3 years and a little over 8 months, Vietnam also NEVER ATTACKED US territory. Oh, and Vietnam never tried to invade Hawaii.
P.S. What in the name of God's green earth makes you think the Japanese can last 10-12 years in a conventional war, with the US?


With regards to Japanese contingency plans at Midway you wrote

Yet it was not mentioned to be with the battleships until after you had been told that the Kido Butai's CAP was nowhere near capable of covering both forces.

Sources for "Operation K" rehearsal. I believe it was "Aero Detail 31: The H8K Type 2 Flying Boat", but I have to go dig it back out. Planning was definitely begun in January, 1941, for "Operation K-1" as per "Combined Fleet Decoded" by John Prados, "I-Boat Captain" by Zenji Orita and Joseph D. Harrington, and the TROMS at http://www.combinedfleet.com for the I-boats involved. Furthermore, "I-Boat Captain" states that "Operation K" instructions were passed to and acknowledged by I-9 and I-23 on February 14, 1942. it goes on to add that the flying boats did not reach the Marshalls until mid-February and that the training consisted of flights and practice refueling. The second attempt was to be aerial recon for the Midway battle, as you said it was scrubbed when the Japanese found American warships and PBYs operating there.

This goes back to your Japanese contingency planning, or lack there of. There was no contingency plan if French Frigate Shoals was occupied and could not be used by the "Emilys." The bulk of the aircraft carrying submarines were up scouting for the Aleutians, which was unnecessary and could have been given to older boats, while the few remaining were scouting for the midget raid on Sydney. After Pearl Harbor, the Japanese had used I-7 and her type 96 floatplane to overfly Pearl Harbor at dawn on December 16, 1941. Later, I-19's aircraft would overfly Pearl Harbor doing recon work for "Operation K-1" on February 23, 1942. Yet, neither Yamamoto nor his staff thought of this when planning Midway. Instead they focused on the H8Ks only and if they could not do it, then, so be it.

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por LWD » 02 Dec 2009, 14:29

robdab wrote: LWD asked,

I seem to remember you having the first raid come in a bit earlier than historical is that correct?

Yes it is. By about 2 hours. At 0600 instead of the historical 0800 scheduled. .

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por LWD » 02 Dec 2009, 14:42

robdab wrote: LWD provided,

Well almost everything written points out that the raid was much more successful than expected and since the BBs were the prime target it is a infered.

AFAIK the US carriers were the prime target and the Japanese expected to sink 4 American battlships while heavily damaging another.
.

robdab wrote: LWD observed.

1) 200 miles out is more than 200 miles from the invasion beaches unless they are NE of Oahu.

Actually a litle bit of research would show you that the Japanese launched their 1st air strike from 230 miles north of "Point Z" which was not on Oahu at all but rather was the northen most point of the hawaiian Island of Maui. Their 2nd strike flew from 200 miles north of the same "Point Z".

3) . If they don't want to be seen by a plane patroling 200 miles out they aren't going to be within 200 miles of Oahu until around 7pm at the ealiest.

I don't see why. Oahu's based PBYs were not in the habit of making night landings on water where the slightest piece of floating debris would wreck them. In order to make a daylight landing back in Oahu waters any PBY out lokking at the 200 mile line would have to turn back towards Oahu well BEFORE sunset's approach.

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por glenn239 » 02 Dec 2009, 20:29

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por glenn239 » 02 Dec 2009, 20:31

CAP – Kido Butai – 36 fighters.
Escort, Wave One – 36 fighters
Escort, Wave Two – 24 fighters.
Reserve for strikes against carriers – 24 fighters.
CAP – BATFORCE – 12 x 2 = 24 fighters
CAP – Invasion force 18 x 2 = 36 fighters.

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por glenn239 » 02 Dec 2009, 20:39

The observation is that US carriers will be cycling through the Panama Canal and rendezvousing on the West Coast from late December into early January. If the Japanese wait for them to come to Hawaii, then Kido Butai has to mark time around the islands waiting for the battle, maybe for 3 weeks, at the end of which they run out of fuel reserves and have to retire. Even if the US carriers come, there is no guarantee that the action will be satisfactory since the Japanese carriers may be spotted ahead of time by US land based air power and the US carriers might evade Japanese land based searches.

Three weeks of loiter time around Hawaii at 14kt translates into around 7,000NM traveled. To me, it makes better sense for the Japanese to sail to the West Coast (4,000NM there and back), and sink the US carriers in port. After all, the concensus is that the US will overreact and send all their available aircraft to Oahu, thus by implication stripping the defenses of California. US carriers will be either in San Diego or San Francisco, so Japanese flying boats staging long range missions out of Palmyra may be able to fix their location (or subs) as Kido Butai reaches Californian waters.

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por T. A. Gardner » 03 Dec 2009, 03:37

Another slight problem for Rob:

In 1941 the only projectile capable of delivering gas available to the IJN is the Number 6 Mk 1 type 1 land bomb. This bomb weighs 69 kg. The normal filler was a variant of mustard gas or Lewisite. It has a 10 meter burst radius.

So, if Rob really wants the IJN to use shells from their guns to perform this task (gas delivery) he will have to allow time for the Japanese to develop such a shell. A simple common shell for HE cannot be directly converted. There are two major reasons for this:

1. The design is wrong as it would not allow for a proper fuze and burster charge.

2. The shell being pre-filled needs to be gas tight. Since the IJN generally is filling their HE rounds with trinitroanisol, a solid, the shell will need redesign to allow a gas tight filling to be inserted.

Such a shell would also likely require testing, handling procedures aboard ship, and other special considerations prior to operational issue.

But, the Vals could drop the Number 6 gas bombs carrying 4 each in additon to a large fuselage bomb. Of course, given that this means that something like 150 or so gas bombs could be delivered and their area of effect being so small they would really be just a waste of time compared to carrying fragmentation bombs instead.

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por ChristopherPerrien » 03 Dec 2009, 03:58

WTH is a "Kota Bharu. Please post said photo or at least a source. Or is it locked away in some top secret filing cabinet?

Re: Japanese invasion of Hawaii December 1941.

Postado por RichTO90 » 03 Dec 2009, 03:58

So that's a roundabout way of saying you have no information on the disposition of the 24th and 25th ID’s men and equipment?

22,000 men were based at Schofield. 19,000 men were based elsewhere. Just because 22,000 men were based at Schofield doesn’t mean that they were actually at Schofield that morning. How many men were at the base, and how many men were elsewhere on the island at 6am December 7th? It’s a Sunday morning. Many men could be on weekend leave in Honolulu for example.

There's a reason that someone at Tank Net two years ago called these guys "rubes" . robdab of course is completely clueless in addition to being deliberately deceitful (I can never tell if his obtuseness is calculated trolling or not, surely nobody can be quite that dense), but neither have given evidence of anything more than a superficial knowledge of the records, terminology, equipment, techniques, or doctrine employed by either the Americans or the Japanese.

For example, both have gleefully posted the following at various times:

Strength by Unit and Station, Nov 30 1941.
(PHA, Vol 12, p320)
Localização. Homens
Barking Sands. 70*
Bellows Field. 409*
Camp Malakole, Oahu. 1,395
Fort Armstrong. 818
Fort Barrette. 133
Fort De Russy. 542
Fort Kamehameha. 2,171
Fort Ruger. 897
Fort Shafter. 3,415
Fort Weaver. 346
Hawaiian Ord. Depot. 262
Hickam. 5,378*
Hilo, Big Island. 468*
Homestead, Molokai. 97*
Honolulu. 50
Lihue, Kauai. 200
Schofield Barracks. 22,179
Tripler Hospital. 404
Wailuku, Maui. 455
Wheeler Field. 3,257*

Total: 40,469 men, 2,490 officers.

Although glenn239 at least has the honesty to include the statement associated with the asterisk: and has actually considered the startling possibility that 22,000 men may not all have been asleep in the barracks on the morning of 7 June.

"* - General Short ensured that USAAF personnel were trained in basic infantry techniques, including beach counterattack. He had anticipated some of the difficulties that prevent rear area units from performing adequately, and had decided on measures to increase the chances of their participation in an active defense."

But roobadab/dabrob apparently is unaware that where a person in the US Army is “stationed” is not necessarily where he actually is at any one time. Typically a unit is stationed at a “post” or “camp” and personnel are assigned to that unit. But that does not necessarily mean that the unit or personnel is actually there at all times, it is their station of record. As a few examples:

Sand Island was garrisoned by a detachment of the 55th CA (AAA), but in the detailed station list prepared for the investigation (as opposed to the précis as above drawn from online) the 55th only appears at Fort De Russy (5 O and 169 EM), Fort Kam (12 O and 463 EM), and Fort Ruger (13 O and 435 EM). The station list also does not account for the battalion of the 298th Infantry at Bellows Field instead they appear at Schofield (63 O and 856 EM). It does not count B Company, 65th Engineers at Kaneohe, B Company, 27th Infantry at Honolulu, or C Company, 27th Infantry, at Shafter, all of whom were part of the 30 officers and 1,017 EM assigned, as part of Alert 1, to patrol duty. Note that as such they were all fully armed and equipped.

A certain proportion of officers and men were also still on leave on the morning of 7 December, generally though about 88.5% were reported as present for duty, which means they were either present or accounted for, which again does not mean that they were all crammed into Schofield. Finally, the increase in personnel over the previous year was straining facilities, a lot of troops were bivouaced in tents in the larger confines of the 22,000-odd acre reservation.

At least it does probably account for the duty battalions of the two divisions (one of them on 7 December was the 3rd Battalion, 35th Infantry the other was possibly the 3rd Battalion, 27th Infantry). They were fully manned, armed, and equipped as a motorized reaction force and were on one-hour alert.

The often repeated, but never supported claim that the “100 observation posts” (technically they were fire control posts) were “unmanned” is also a load of cods-wallop. Ditto the “undefended” airfields, Navy bases, and so on. I have searched the electronic version of the original Congressional hearings extensively and can find exactly ZERO mention of such a thing in the 36 of the 40 volumes available to me. Instead, every reference is to Alert 1 and the requirement that a guard be posted to augment the normal inner guard and duty personnel of those posts and civilian installations. Thus, the 1,047 fully armed soldiers and deployed soldiers above.

Although I suppose that except for that fire the proof of those assertions would be presented, just as they have been when asked for before over the last two years…right?

By the by, does anyone have a clue why the officer’s bungalows at Schofield aren’t on the target list? Is it some new aberration to go along with the paranoia and the apparent odd delight with which it is proposed to put American citizens at risk of torture as part of a calculated political gambit? In any case, the area of the EM quads and officer country at Schofield is about 766,300 square meters. including the bits in between that are now going to be avoided since the Japanese are evidently capable of indirect fire hitting individual target points at 24,000 yards.


27 December 1941 - History

Episode One: &ldquoA Necessary War&rdquo
December 1941 - December 1942

"No animosity toward us at all, not even a dirty look. They just got out of your way."

"Asiatic sailors are very bitter toward Pearl Harbor for getting caught so neatly . & quot

"For all we knew, we were existing in Hell."

"I had tea, and it probably saved my life."

"You just turn your eyes and move on. knowing he's going to die that night."

"I went down on that march and two angels picked me up."

"So there I was, looking down on four Generals and a couple of bird Colonels, all kneeling on the floor. & quot

"The interpreter kept saying it was a Japanese holiday, but there was no guards."

"If I’d been caught, I’d probably been killed."

"The Japanese commander said. 'If you break our rules, we will kill you or we will do something worse.'"

"So I dove in under . and I had about fifteen or twenty people dove in on top of me."

"Found where they were at and we had about 10 or 12 grenades apiece, and we dropped 'em in and really stirred up a real fight."

"There must have been six or eight of us in a two-man foxhole, trying to get all our bodies below the surface. & quot

"There was no opposition. The Japs were caught completely flat-footed."

"It was like an inferno. I couldn't believe it. It was a nightmare."

"They were the stupidest bunch of people I ever saw."

& quot. they just kept you going from island to island, until you got wounded or killed."

"It's a strange feeling to see the first enemy plane, really."

"We were just all in it together. That's the way it ought to be anyhow."

"They never found any part of that [U.S] patrol, or any parts of bodies or anything else."

"When we picked up the rifles on that little about an acre and a half, we picked up 1,100 rifles-Japanese rifles."

"My most memorable moment was the day I died."

"The first thing I think about is I better not move. They might finish me off."

"We had to prove ourselves . worthy of recognition when we came back to the States."

"My father happened to be targeted perhaps because he was not only a fisherman . but also because he was a scrap metals collector. & quot

"From my point of view, America is a nation in the process of trying to live up to its dreams."


Pearl Harbor: Summary & Significance

Pearl Harbor was the operating base of the U.S. Pacific Fleet. The Japanese pulled a surprise attack on the U.S. on December 7, 1941 at 7:50 A.M. during the beginning of World War II. On November 26 a powerful Japanese task force, under the command of Vice Admiral Chuichi Nagumo, left the Kuril Islands on December 2 it received a coded message issuing the attack order. The undetected Japanese force arrived off the Hawaiian Islands on the morning of December 7.

In two successive waves more than 350 Japanese bombers, torpedo planes, and fighters struck. More than 75 U.S. warships (including battleships, cruisers, destroyers, submarines, and auxiliaries) were based at this “Gibraltar of the Pacific.” All U.S. aircraft carriers were elsewhere. Observing radio silence, it reached a launching point at 6 AM, December 7.

At 7:50 AM, the first wave of Japanese planes struck Pearl Harbor, bombarding airfields and battleships moored at the concrete quays. The U.S. totally taken off guard had to defend themselves in pajamas. They used anti-aircraft guns in an attempt to stop the Japanese.

A second wave followed. The surprise attack was over before 10 AM. The results were devastating 18 U.S. ships were hit, and more than 200 aircraft destroyed or damaged. The battleship Arizona was a total wreck the West Virginia and California were sunk and The Nevada was heavily damaged. Approximately 2,400 Americans were killed, 1,300 wounded, and 1,000 missing. Japanese losses were fewer than 100 casualties, 29 planes, and 5 midget submarines.

The Japanese totally destroyed the U.S. naval power in the Pacific. The attack was, however, a colossal political and psychological blunder, for it mobilized U.S. public opinion against the Japanese and served as the catalyst that brought the United States into the war. “December 7, 1941,” said President Franklin D. Roosevelt, is “a date which will live in infamy.” A monument has been built across the hull of the sunken U.S.S. Arizona it was dedicated as a national memorial in 1962.

The next day President Roosevelt told a joint session of Congress that December 7 was “a date which will live in infamy.” Congress voted to declare war on Japan. A small boat rescued seamen from USS West Virginia after the surprise Japanese air attack. There are different reasons why the Japanese were able to pull a surprise attack on the United States’ biggest military base.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos